X

Informações atualizadas sobre casos de clientes, tendências e melhores práticas do mercado varejista, tudo em português.

Como Proteger Consumidores e a Imagem da Marca

Paul Woodward
Senior Director, Retail Supply Chain Business
Aquele aroma penetrante que dá água na boca e a exposição exuberante de produtos deliciosos e tentadores sobre o balcão de uma delicatéssen ou padaria. Nós amamos, eles nos atraem, intrigam e nos colocam em um estado mental que nos faz ignorar preço, volume e necessidade.

Quando escolhemos nossas delícias preferidas e acrescentamos as iguarias não essenciais, porém irresistíveis, deixamos de considerar a qualidade e a segurança desses itens e simplesmente colocamos o sabor ou a aparência acima do risco. Mas instantaneamente evitaríamos comprar uma refeição pronta pré-embalada sem rótulo, independentemente de quão saboroso o produto parecesse. Fomos condicionados a inspecionar a embalagem, mas quando o produto não tem embalagem, simplesmente achamos interessante e acreditamos que ele seja fresco e que por isso seja melhor.

Consumidores Assumem o Risco

Há muitos anos, a lei exige que varejistas, restaurantes e balcões de alimentos exibam avisos contendo informações sobre alergênicos. Como consumidores, já sabemos disso, mas raramente consultamos esses avisos, principalmente se não soubermos que somos alérgicos e mergulharmos nos sabores à nossa frente. Nós – os próprios consumidores – assumimos o risco. Se tivermos algum tipo de alergia, é nosso dever verificar, confirmar e então saborear o produto escolhido. Contudo, quando algo sai errado, a marca é culpada aos olhos da mídia e de nossa família por não proteger o consumidor, embora ela tenha responsabilidade jurídica limitada nestes casosem que há o claro aviso.

Em alguns países como a Inglaterra e Irlanda do Norte, estão sendo criadas leis adicionais. A BBC acabou de anunciar que será introduzida no verão de 2021 uma nova lei para proteger indivíduos alérgicos. Esse anúncio chega após a trágica reação alérgica que causou a morte da adolescente Natasha Ednan-Laperouse. Segundo a "Lei Natasha" (Natasha's law), as empresas de alimentos deverão incluir todos os ingredientes nos rótulos de todos os alimentos pré-embalados.

Os varejistas reconhecem que, embora as leis os protejam, elas não protegem a imagem e integridade da marca.

Então, o Que Mais Varejistas Podem Fazer? Como Proteger Consumidores e Marca?

Alguns varejistas estão investindo em tecnologia e soluções para oferecer aos consumidores rótulos digitais dos produtos alimentícios nos balcões. Agora, as lojas podem acessar informações detalhadas sobre receitas, ingredientes, origem, informações nutricionais e avisos de segurança e imprimi-las ou exibi-las digitalmente em pontos de informações e caixas. A garantia de que esses dados sejam corretos, consistentes e atualizados é obtida com soluções de gestão de marca dos varejistas, como o Oracle Retail Brand Compliance Cloud Service. Com essa solução, os varejistas e suas cadeias de suprimentos capturam, validam e analisam de forma colaborativa dados de produtos e cadeia de suprimentos para garantir que estão atendendo os padrões de ética, segurança, qualidade e marca.

Assim, podemos saborear nossa comida deliciosa com a confiança de que ela está embalada em um rótulo virtual.

Solicite uma Demonstração

Be the first to comment

Comments ( 0 )
Please enter your name.Please provide a valid email address.Please enter a comment.CAPTCHA challenge response provided was incorrect. Please try again.