X

Informações atualizadas sobre casos de clientes, tendências e melhores práticas do mercado varejista, tudo em português.

Recent Posts

Melhores Práticas & Tendências

Do pagamento em dinheiro ao pagamento sem contato: tecnologia para atender à demanda do consumidor

96% dos consumidores pretendem continuar usando pagamentos sem contato após a pandemia As tecnologias de pagamento estavam evoluindo rapidamente mesmo antes de 2020, mas como vimos em muitos setores da indústria com vários produtos e serviços, a pandemia global está criando um aumento na adoção e inovação. O que antes não era um ato complicado, agora não ter que tocar em um teclado para digitar a senha tem sido extremamente atraente para consumidores e varejistas. Uma pesquisa recente descobriu que 82% dos consumidores efetuaram pagamentos sem contato durante a pandemia, com 20% deles sendo novos usuários. Da mesma forma, para as lojas, atualizar sua infraestrutura de pagamento era um plano, mas hoje tornou-se um item essencial. À medida que a crescente demanda por inovação em tecnologias de pagamento continua a perturbar o setor; o diretor de soluções do Oracle Retail para Global Solutions Management, Steve Horton, e o chefe de parcerias comerciais da Adyen, União Européia, Angus Blest, recentemente se reuniram para fornecer uma visão sobre a parceria entre as empresas e como a pandemia está gerando uma nova visão de como pagar no novo normal do varejo. Um futuro em contato A pandemia criou um aumento na demanda por tecnologias sem contato, com os varejistas precisando adotar novas estratégias de pagamento digital em escala global. “Os pagamentos sem contato já existiam muito antes da pandemia, mas não eram amplamente adotados em todo o mundo, e isso era especialmente notável nos Estados Unidos. No entanto, a pandemia mudou isso”, disse Horton. “À medida que os consumidores continuam a procurar maneiras novas e aprimoradas de simplificar suas transações de forma segura, os varejistas estão sendo pressionados a fornecer várias formas de pagamentos sem contato, desde na loja até online”, diz Blest. Começando nas lojas, os varejistas precisam fornecer aos vendedores maneiras mais inovadoras de processar transações, como dispositivos de pagamento tudo-em-um. Capacitar os funcionários da loja com essa tecnologia permite que eles entreguem a experiência do cliente sem contato. Os funcionários da loja podem compartilhar uma mensagem “Pay by Link” para os clientes ou até mesmo fornecer aos clientes um código QR para concluir suas transações. Como pagar com relógios, telefones e outros dispositivos, isso levará os consumidores a se acostumar. No entanto, fornecer aos clientes opções de pagamento sem contato será parte integrante de manter todos seguros e melhorar a experiência do cliente. Em última análise, os consumidores globais de hoje têm expectativas crescentes de opções de pagamento mais rápidas, inteligentes e simplificadas. À medida que os consumidores mostram cada vez mais disposição para adotar opções de pagamento móvel e sem contato na loja e checkout online instantâneo com um clique, os varejistas precisam estar prontos para apoiar essa mudança. Na verdade, 96% dos consumidores pretendem continuar usando pagamentos sem contato após a pandemia. Uma solução única e unificada proporcionará a experiência de que os varejistas precisam para fazer com que os clientes voltem sempre.  Fornecendo uma solução única O valor diferenciado da parceria entre a Oracle e a Adyen oferece uma solução única e simplificada em todo o mundo para seus clientes. “Queríamos um parceiro de pagamento com o qual pudéssemos trabalhar globalmente”, diz Horton. “Nosso objetivo é reduzir a complexidade para nossos clientes e trabalhar com parceiros de pagamento selecionados com alcance global. Adyen dá um verdadeiro exemplo de como isso pode ser feito. ”   “As soluções de ponto de serviço do Oracle Retail Xstore são consistentes em todo o mundo. Isso combina bem com a nossa marca porque temos uma solução que se aplica a todos esses países ”, diz Blest. Oferecer aos varejistas uma única solução conectada para pagamentos de varejo, em última análise, oferece a experiência que os clientes esperam e a conveniência e inovação que desejam. Abordagem contínua e integrada Soluções de pagamento em silos não funcionarão para que os varejistas obtenham sucesso omnicanal. Hoje, para uma loja ter uma visão única e verdadeira de um cliente, também significa ter uma visão única de seus dados de pagamento. “A adoção de uma abordagem contínua é exatamente o que os varejistas precisam para impulsionar o avanço”, diz Horton. As soluções de pagamento modernas precisam ultrapassar o limite com soluções integradas de PDV, sistemas de fidelidade e comércio eletrônico que fornecem insights centralizados para fornecer aos varejistas o que eles precisam e dar aos clientes o que eles desejam. “O objetivo é reconhecer seus clientes quando eles compram online, no aplicativo ou na loja. Ao reconhecer seus clientes, você pode fornecer a eles melhores experiências de compra ”, afirma Blest. “Muitos provedores de pagamento afirmam que aceitam pagamentos em qualquer lugar de uma forma perfeita, mas na realidade, eles são simplesmente marcados como uma solução única com até 50 soluções de pagamento diferentes, gateways diferentes e países diferentes sob o capô”, diz Horton. “Varejistas precisam estar cientes do esforço necessário para trazer uma solução perfeita para o mercado e é a chave para que os varejistas otimizem seus canais de vendas e construam uma experiência mais consistente e personalizada para o cliente. À medida que os varejistas reinventam o futuro, eles precisam adotar uma solução de pagamento em todas as geografias que ofereça de forma eficiente uma presença e alcance globais. ”

96% dos consumidores pretendem continuar usando pagamentos sem contato após a pandemia As tecnologias de pagamento estavam evoluindo rapidamente mesmo antes de 2020, mas como vimos em muitos setores da...

Planejamento e Otimização

Qual é a conexão entre clima, previsão precisa e estoque no varejo?

Você sabia que cerca de 5% das vendas totais de um varejista são impulsionadas por variações climáticas? Todos nós somos afetados pelo clima. Todos os dias do ano, o clima tem um impacto importante sobre nós, especialmente no inverno. Isso afeta nosso humor e influencia a forma como agimos. Como cantava Milli Vanilli “blame it on the rain” (“culpe a chuva”). Conforme mudam as estações, mudam também os comportamentos dos compradores e os varejistas devem explorar os padrões da demanda orientada pelo clima para ajudar a embasar as decisões de estoque e a previsão de demanda visando  prever o que os clientes querem, onde querem e quando querem. Com as ferramentas e soluções de varejo apropriadas, os varejistas conseguem facilmente entender, interpretar e incorporar a demanda orientada pelo clima como parte integrante da estratégia de negócios e do planejamento de estoque. Fiz uma parceria com a Planalytics, líder global em inteligência climática empresarial, para discutir como a incorporação da demanda orientada pelo clima pode ajudar a melhorar a precisão das previsões, aumentar a disponibilidade de estoque e reduzir a falta de estoque. Dados meteorológicos não equivalem à demanda orientada pelo clima A verdade fundamental é que os dados meteorológicos não são a mesma coisa que a demanda orientada pelo clima. Embora muitas empresas tenham tentado integrar dados meteorológicos em suas operações de previsão de demanda, isso não provou ser eficaz. Por quê? Os dados meteorológicos são subjetivos, emocionais e complexos e, em muitos casos, precisam ser interpretados por um especialista. Ao contrário da demanda orientada pelo clima, os dados meteorológicos não quantificam o impacto do clima e podem ser difíceis de dimensionar, tornando-os menos eficazes.  A demanda determinada pelo clima, por outro lado, é quantificável. Em sua essência, a demanda orientada pelo clima mede o impacto do clima no comportamento do consumidor. É inegável que o clima impacta o que fazemos e, em última análise, pode afetar a demanda do consumidor e o comportamento de compra. Além de ajudar a "desemocionalizar" as ações de desempenho de negócios, a demanda orientada pelo clima facilita dimensionar e compreender.  A demanda reina suprema Os dados da demanda orientada pelo clima podem ser facilmente transformados em valor comercial quando combinados com as soluções Oracle Retail. Veja como isso é possível. Combine-o com uma abordagem moderna de decomposição da demanda baseada em atributos para modificar radicalmente o modelo preditivo usando previsão de demanda de última geração.  O princípio essencial da decomposição da demanda é direto – procure padrões usando os dados reais de um único SKU em um único local e use as informações de SKUs semelhantes e locais semelhantes agrupados por atributos. O índice de vendas, efeitos de promoção e preço e sazonalidade impactam a demanda do consumidor, e cada componente é calculado em um nível diferente de agregação de atributos. Os algoritmos de machine learning (ML) incorporados selecionam os melhores atributos e trocam informações para produzir uma previsão estatisticamente estável que seja perfeitamente integrada à previsão final.  Reabastecimento é fundamental Um aspecto fundamental da demanda orientada pelo clima aparece no processo de reposição. Utilizando informações meteorológicas, podemos adotar automaticamente os parâmetros de posicionamento do estoque, exibição e reabastecimento, aumentando ainda mais o valor de ter uma previsão mais precisa. A quantidade de parâmetros necessários para conduzir um sistema de reabastecimento é imensa e eles mudam continuamente devido a eventos como o clima e, mais recentemente, a pandemia. Com o Oracle Retail Demand Forecasting, as empresas definem as estratégias e escrevem regras que gerenciam cada cenário de negócios. O sistema aplicará as regras e definirá automaticamente os valores dos parâmetros.  A pesquisa mostra que 47% dos entrevistados colocam mercadorias fora de estoque no topo da lista de experiência de compra ruim e 63% não estão dispostos a esperar um item voltar para o estoque antes de experimentar outra marca. A falta de estoque é a maneira mais rápida de os varejistas perderem clientes fiéis, de acordo com a pesquisa com consumidores da Oracle. Ao incorporar uma estratégia de demanda orientada pelo clima em um modelo de negócios, junto com uma solução moderna de previsão de demanda, os varejistas conseguem gerenciar melhor os níveis de estoque. Quando as quantidades certas de produtos estão nos locais certos no momento certo, os consumidores têm uma experiência de marca positiva, as vendas aumentam e o atendimento geral do varejista é melhorado. No final das contas, tudo o que desejamos é dizer "girl, you know it's true” (“garota, você sabe que isso é verdade", Milli Vanilli). Solicite aqui uma reunião exclusiva para mais informações.

Você sabia que cerca de 5% das vendas totais de um varejista são impulsionadas por variações climáticas? Todos nós somos afetados pelo clima. Todos os dias do ano, o clima tem um impacto...

Lojas e Customer Engagement

Como a tecnologia promove mais personalização no varejo

A coleta de dados tem sido uma etapa essencial do varejo por mais de uma década, mas muitos no setor ainda têm dificuldade para extrair valor do volume crescente de informações. Conhecimento é poder, mas apenas se aqueles que o exercem souberem a melhor forma de extrair valor da inteligência. Quando aplicados de maneira adequada, os dados de vendas podem alimentar ações avançadas de personalização, fornecer uma visão integral do cliente e ajudar as marcas a aprimorar seu marketing. No entanto, a facilidade relativa de coleta de dados, juntamente com o desafio da análise, deixa muitas marcas sem uma estratégia clara para melhor aproveitar os dados que já possuem, enquanto buscam fontes adicionais para alimentar sua transformação.  Ao aliar um conjunto abrangente de dados com a ciência do varejo, varejistas podem construir cenários mais elaborados, incluindo previsão de demanda precisa, marketing personalizado e estoque omnicanal otimizado. No centro desses resultados está a necessidade de dados completos e estruturados do cliente e de uma plataforma para ajudar os varejistas a colocá-los em uso. Apresento abaixo três oportunidades reais de negócios de varejo em que o uso de tais dados pode ajudar as marcas a construir uma experiência de compra mais personalizada e aprimorar suas ofertas. Vamos fazer um acordo Entre as ferramentas essenciais que os varejistas podem usar para acionar a demanda estão as vendas comprovadas em toda a loja ou em todo o país. Porém, em comparação com as ferramentas disponíveis hoje, ofertas diretas como “pague 1, leve 2” ou uma demarcação de 20% deixam passar uma oportunidade – e dinheiro – considerável.  Oferecer a cada cliente o mesmo negócio significativo pode ajudar a liquidar o estoque, mas dificilmente maximiza os lucros da loja. Quando os varejistas passaram a examinar de perto suas estratégias de vendas, eles começaram pela implementação da ciência da sazonalidade e da elasticidade de preço. Por exemplo, uma venda pode começar pequena e aumentar em locais específicos ou durante determinadas épocas do ano, de acordo com a demanda dos anos anteriores.  Agora, com os dados disponíveis hoje, os varejistas estão aumentando o engajamento do cliente. Eles podem pegar os dados fornecidos voluntariamente pelos cliente e fazer ofertas específicas às pessoas de várias formas: redução de preço, pontos extras de fidelidade, um presente. As táticas da nova era visam essencialmente as ofertas certas para as pessoas certas, aquelas com maior probabilidade de aproveitar a chance de um negócio. Os consumidores estão ávidos por boas compras – a pesquisa da Oracle revela que 71% acham que promoções e ofertas atraentes são importantes para continuar comprando em um varejista. Depois que os varejistas adquirem uma profunda compreensão de como seus clientes se comportam e o que eles valorizam, é mais fácil do que nunca atingir os compradores com ofertas que os tornam mais propensos a comprar – e voltar em breve. Muito além da gamificação Com a evolução do varejo moderno, os programas de fidelidade rapidamente se popularizaram ao acompanhar a atividade do cliente e recompensar os compradores pelas compras feitas. Desde então, os programas de fidelidade ganharam cada vez mais importância pois os varejistas passaram a valorizar a capacidade de desenvolver perfis de clientes com essas informações. Mas a fidelidade agora requer uma abordagem mais pessoal. Com o tempo, os clientes foram descobrindo quais programas de fidelidade valem a pena. Os dias de cartões físicos de fidelidade e acúmulo de pontos no longo prazo acabaram. Os melhores programas de fidelidade são hierarquizados, com clientes ocasionais colhendo pequenos benefícios de compras regulares. Ao mesmo tempo, os obstinados ganham recompensas exclusivas, como degustação de vinhos em uma loja de bebidas, por sua devoção. Gamificar um programa de fidelidade também pode ser uma vantagem – os clientes normalmente gostam de seguir missões e objetivos diferentes para receber uma bebida grátis, como vemos na Starbucks. Em 2021, esses programas devem ir muito além do ponto recebido pela compra. Uma das melhores maneiras de fazer isso é implementar um programa de fidelidade omnicanal que ofereça a clientes recorrentes várias missões e objetivos em diferentes plataformas de compras, incluindo canais que não sejam de varejo. Isso ajuda os varejistas a colher os benefícios de clientes satisfeitos e a quantificar melhor seu retorno sobre o investimento. Saiba o que há na loja Pouco antes da pandemia, a pesquisa do ICSC mostrou que depois de abrir uma nova loja, o tráfego para o site de um varejista aumentou 37% no trimestre seguinte. A finalidade da loja física está mudando, mas isso não significa que ela não continue sendo ainda um impulsionador essencial do negócio de varejo.  Na realidade, existem várias maneiras de otimizar as vendas dentro da loja. No passado, a previsão rudimentar da demanda sazonal era uma maneira de manter o estoque baixo ao longo do ano. Assim como a rede de farmácias da Arábia Saudita Al Nahdi e a Helzberg Diamonds fizeram nos últimos anos, usar ciência do varejo e machine learning para desenvolver sortimentos de produtos atraentes que levem os clientes a comprar o próximo produto permite subir um degrau.  A partir daí, a inovação na loja física pode ir ainda mais longe. Equipar os vendedores da loja com as ferramentas certas para personalizar as experiências do cliente em tempo real – consistente com a experiência que o cliente tenha on-line – é essencial para criar relacionamentos de longo prazo com a comunidade. Ferramentas como previsão de demanda com base em dados devem levar ao gerenciamento de estoque otimizado, melhor preservação de margem e maior agilidade da loja, pois os varejistas antecipam o próximo movimento do cliente.  O futuro digital Todos estão correndo para atingir um certo nível de esclarecimento de dados; portanto, é importante observar um equívoco comum: Você não precisa de uma equipe inteira de cientistas de dados de alto nível para extrair valor dos serviços empresariais modernos de varejo. Previsão, otimização de estoque, engajamento do cliente, programas de fidelidade e inúmeras tarefas já abordadas podem agora ser realizadas com o conjunto certo de ferramentas.   Quanto mais confortáveis as marcas ficam com o uso dessas tecnologias, mais capacitadas elas se tornam para tomar decisões estratégicas essenciais ao preparar as empresas para o futuro digital. Solicite uma demonstração para ver como as soluções Oracle Retail ajudam os varejistas a aprimorar a personalização.

A coleta de dados tem sido uma etapa essencial do varejo por mais de uma década, mas muitos no setor ainda têm dificuldade para extrair valor do volume crescente de informações. Conhecimento é poder,...

Melhores Práticas & Tendências

Três tendências do varejo omnicanal para 2021

A pandemia “mudou as compras on-line para sempre”, de acordo com um estudo das Nações Unidas sobre o impacto da pandemia no varejo. Um exemplo dessa mudança são as vendas por e-commerce terem aumentado em média 6% em plataformas on-line de janeiro a março de 2020 em comparação com o mesmo período de 2019. As empresas ainda continuam se adaptando às mudanças no panorama do e-commerce; portanto, os consumidores podem esperar importantes avanços em todos os canais em 2021. Seguindo as três tendências omnicanal do ano passado, este artigo analisa as principais tendências que você provavelmente verá sendo postas em prática em 2021. Tendência nº 1: Novas maneiras de impulsionar a aquisição de clientes O fechamento e as severas restrições enfrentadas pelas lojas não essenciais em 2020 como consequência da pandemia em todo o mundo direcionaram os clientes para a Internet. Isso trouxe sérias implicações para as marcas, tanto positivas quanto negativas. Por exemplo, lojas que dependiam do tráfego dentro da loja ou do fascínio de ter uma filial em uma rua da moda no centro da cidade de repente viram essas vantagens serem eliminadas. Se a princípio essas marcas não tinham uma forte presença on-line, é provável que os concorrentes tenham conseguido tirar vantagem. Por outro lado, as marcas que já estavam nutrindo uma formidável jornada digital do cliente e experiência omnicanal antes do início da pandemia estavam mais bem posicionadas para colher os frutos desse aumento de 6% mencionado acima nas compras de e-commerce. A intensificação das compras digitais significa que as empresas lutarão cada vez mais pela atenção dos clientes por meio dos canais on-line em 2021 e posteriormente. E-mail, mídia social, sites próprios, anúncios em mecanismos de pesquisa, aplicativos de loja e plataformas de mensagens de terceiros - as estratégias omnicanal são definidas para aumentar o foco ainda mais nos esforços digitais das marcas para impulsionar a aquisição e retenção de clientes. Tendência nº 2: A loja física continuará a demonstrar versatilidade impressionante e sua posição essencial O artigo do ano passado abordou o movimento em direção ao uso de lojas físicas como um mecanismo de topo de funil e um poderoso canal de marketing por si só. Como reação à pandemia – em particular, lockdowns em todas as lojas, exceto nas de produtos essenciais –as empresas usaram suas lojas físicas como parte da abordagem genérica omnicanal, oferecendo compra on-line com retirada na loja (BOPIS) e compra on-line com retirada do lado de fora da loja (BOPAC). As inúmeras profecias sobre o colapso das lojas físicas são baseadas em uma visão linear antiquada do varejo e de como os clientes compram. Elas presumem que, como os clientes compram cada vez mais on-line, eles não comprarão mais pessoalmente, na loja. A realidade tem diversas nuances. As preferências do cliente vêm em todas as formas e tamanhos agora. Alguns clientes fazem compras exclusivamente on-line. Outros ainda preferem fazer compras na loja. No entanto, os varejistas com várias formas poderosas de comunicação estão observando comportamentos complexos que geralmente combinam experiências em loja on-line e física. A loja física tem um papel essencial pois oferece aos clientes mais opções e uma jornada mais rica como parte da experiência de compra de 2021. Tendência nº 3: A ascensão do uso de vídeo para vender Há anos, as marcas usam imagens em plataformas como Pinterest, Facebook e Instagram para estimular as vendas. Com um simples clique em uma imagem, os clientes podem ir direto para a página de compra do produto da marca para concluir um pedido. Em 2021, essa tendência se disseminará para o vídeo. Os clipes se tornarão “compráveis”, e os clientes poderão clicar em um vídeo para acessar os detalhes de compra do produto. De acordo com a Venture Beat, “o futuro do comércio é o vídeo comprável”. Essa tendência combinará o crescimento das vendas sociais por meio de videoclipes, o que inclui marketing com influencers e análises de produtos feitas por terceiros via vídeo. Para mais tendências de consumo globais, verifique nossa pesquisa de consumo de varejo. Aproveite este estudo para aprender como os varejistas podem prever, adotar e prosperar no Novo Normal.   ** Estudo das Nações Unidas - link ** Estudo sobre o impacto do coronavírus - link ** Why many shopper go to the stores - link ** E-commerce and brick-and-mortar - link ** Venture Beat - link  

A pandemia “mudou as compras on-line para sempre”, de acordo com um estudo das Nações Unidas sobre o impacto da pandemia no varejo. Um exemplo dessa mudança são as vendas por e-commerce terem...

Clientes e Casos de Sucesso

Varejista ABC Fine Wine & Spirits utiliza PDV Oracle Retail

Utilizando o Oracle Retail Xstore Point-of-Service como plataforma omnicanal A ABC Fine Wine & Spirits atualizou o Oracle Retail Xstore Point-of-Service com a ajuda da SkillNet Solutions. A ABC Fine Wine & Spirits proporciona experiência de compra diferenciada, com diversos produtos superiores, serviços excelentes e preços competitivos, capacitando os vendedores com ferramentas modernas e intuitivas. A ABC Fine Wine & Spirits opera 130 lojas em toda a Flórida, vendendo cerveja, vinho, destilados, charutos e alimentos gourmet. “Avaliamos continuamente como nossas lojas e serviços atendem às necessidades dos clientes. Estamos empenhados em fornecer a melhor experiência de compra geral possível. Colocamos os clientes no centro de nossas operações e iniciativas”, disse Robert Summers, CFO e CIO da ABC Fine Wine & Spirits. “Com a implementação das soluções Oracle Retail, estamos oferecendo uma experiência de compra moderna e intuitiva que também protege os clientes com conformidade EMV e aprovações PCI.” “Depois de ter reconhecido o valor e o impacto que a atualização de seus sistemas trará para a experiência do cliente em todos os canais, a ABC Fine Wine & Spirits optou estrategicamente por uma versão mais recente da solução para aproveitar as vantagens das inovações oferecidas pela Oracle”, declarou Charlie Daggs, vice-presidente da SkillNet Solutions. “Trabalhamos em estreita colaboração com a ABC Fine Wine & Spirits para otimizar a solução atualizada e criar um caminho sustentável para se beneficiar da funcionalidade móvel entre canais.” “Nossa equipe conseguiu entregar o piloto em 7 meses com a SkillNet. Queríamos utilizar a nova funcionalidade da solução Oracle Retail Xstore Point-of-Service o mais rápido possível”, disse Tina Burleigh, diretora de sistemas de loja da ABC Fine Wine & Spirits. “Com a implementação, fomos capazes de reduzir a quantidade de personalizações em mais de 80%”. “Utilizando o Oracle Retail Xstore Point-of-Service como uma plataforma para se conectar com os clientes, a ABC Fine Wine & Spirts consegue proporcionar uma experiência de compra superior. Com as últimas inovações do Xstore Point-of-Service, a ABC Fine Wine & Spirits oferece uma visão integral de seus clientes em tempo real para todos os pontos de interação, proporcionando engajamentos mais significativos”, disse Ray Carlin, Senior Vice President e General Manager, Oracle Retail. Para conhecer mais sobre o PDV Oracle Retail, solicite aqui uma reunião exclusiva com o time de varejo do Brasil.   ** Case publicado no blog da Oracle Retail em inglês em 2017 - link do conteúdo original

Utilizando o Oracle Retail Xstore Point-of-Service como plataforma omnicanal A ABC Fine Wine & Spirits atualizou o Oracle Retail Xstore Point-of-Service com a ajuda da SkillNet Solutions. A ABC Fine...

Gestão de Mercadorias

7 formas de facilitar a conformidade fiscal na gestão de mercadorias

Governos em todo o mundo estão passando por transformações digitais. Como parte dessa transformação, relatórios de impostos indiretos em tempo real no nível da transação estão se tornando o novo padrão globalmente. Essa revolução digital está transformando governos e ajudará a gerar conhecimento, agilidade e eficiência operacional para fornecer melhores políticas fiscais, simplificar processos e reduzir a fraude fiscal. Isso dá aos varejistas mais tempo para se concentrar em suas competências essenciais e menos tempo para sobrecarregar a operação com o cumprimento da legislação fiscal. Embora essa tendência esteja surgindo em todo o mundo, não existe um padrão global. Em vez disso, cada governo está criando seu próprio programa e processos exclusivos e, como resultado, implementando requisitos locais específicos a seu próprio critério. Além disso, a pandemia global está afetando drasticamente setores como alimentos e bebidas, hotelaria e varejo, que são tradicionalmente fontes importantes de receitas de impostos indiretos, fazendo com que os governos acelerem seus programas de transformação digital. Isso lhes dará visibilidade em tempo real das receitas fiscais, à medida que esses setores voltam a um novo nível de normalidade. Uma plataforma moderna de varejo que ajuda você a escalar globalmente também permite que você cumpra essas legislações em constante mudança com agilidade. Ter a solução certa pode garantir que as obrigações de conformidade não afetem negativamente a experiência do cliente. Facilitando a gestão de obrigações fiscais Ao reduzir o impacto sobre os clientes, os varejistas também precisam se certificar de que a gestão tributária não traga estresse adicional para as equipes financeiras e de conformidade, especialmente ao gerenciar operações globais de varejo. Soluções voltadas para o varejo, como Oracle Retail Merchandising Cloud Services, tratam do problema de forma pragmática e dinâmica. Aqui está como: recursos de globalização para oferecer suporte a várias entidades legais, vários conjuntos de livros, várias moedas e vários idiomas em uma única instância, recursos fiscais globais, incluindo funcionalidade baseada em regras para apoiar os cenários de tributação complexos exigidos em todo o mundo, capacidade de criar regras fiscais em um nível superior, como todos os itens de um país, ou tão detalhado quanto as regras fiscais de nível de item/local, suporte às necessidades de várias regiões com uma única solução para reduzir o custo da administração tributária para operações de varejo, fonte única e centralizada da verdade em vários países, fornecendo trilha de auditoria fiscal, melhorando a precisão, eficiência e visibilidade, faturamento eletrônico e gerenciamento de sequência de documentos sem intervalos, integração perfeita com os parceiros fiscais locais para facilitar a comunicação de impostos indiretos em tempo real às autoridades governamentais. Hoje, os varejistas enfrentam desafios suficientes com a pandemia global, atendendo às expectativas do consumidor e se ajustando às flutuações de demanda e inconsistências da cadeia de suprimentos. A solução Oracle Retail ajuda na qualidade e visibilidade das informações fiscais, reduzindo o custo de manutenção de conformidade do varejista e a ameaça de não conformidade. Com algo a menos para se preocupar, varejistas podem cumprir suas obrigações fiscais com escala e agilidade e manter o foco em atividades de maior valor agregado. Se o seu sistema legado ou atual não permite que sua equipe gerencie as obrigações fiscais com escala e agilidade, visite nosso site para obter mais informações sobre gestão de mercadorias. Além disso, verifique os líderes no IDC MarketScape para Soluções de Gerenciamento de Operações de Merchandising em todo o mundo. Para obter informações mais personalizadas sobre os recursos de globalização tributária, solicite uma demonstração exclusiva efetuada por nossa equipe da América Latina.

Governos em todo o mundo estão passando por transformações digitais. Como parte dessa transformação, relatórios de impostos indiretos em tempo real no nível da transação estão se tornando o novo...

Marcas Próprias

Nove maneiras de beneficiar-se da conformidade da marca na gestão de marcas próprias

Quais alternativas considerar ao avaliar formas de aumentar, promover e proteger um portfólio de marca própria? Os executivos devem considerar um sistema de gerenciamento do ciclo de vida do produto (PLM), uma plataforma colaborativa de gerenciamento de rótulos e especificação ou uma solução de gerenciamento de regulamentações, conformidade e qualidade? Por que não uma única solução que consiga fazer tudo isso?  Para ilustrar as eficiências conquistadas com uma única solução, este ebook (em inglês) compara as soluções de tecnologia e os objetivos de dois executivos de marcas próprias. Vamos chamá-los de Orla e Manuel. Ambos trabalham para grandes supermercadistas regionais com sólidos portfólios de marcas próprias. O sortimento dos dois tem o mesmo nível de complexidade em todas as categorias e conexões da cadeia de suprimentos, pois eles os desenvolvem junto com os fornecedores para fabricar os respectivos portfólios de marca própria.  Orla e Manuel também têm os mesmos objetivos e promessas de marca, e ambos enxergam a oportunidade de expandir e fazer crescer os respectivos portfólios de marca própria. Eles conhecem a popularidade das tendências da mídia em saúde, segurança alimentar, sustentabilidade, ética e sabem como inspirar consumidores com novos produtos de marca própria. Eles também enxergam a necessidade de oferecer maior transparência e estar posicionado para reagir rapidamente aos sustos do mercado com o intuito de proteger seus consumidores e evitar penalidades legais e financeiras.  A empresa de Orla adotou a solução Oracle Retail Brand Compliance Cloud Service, ao passo que a empresa de Manuel usa uma combinação de outras soluções. Os dois executivos de marcas próprias seguem o mesmo processo para: planejar o desenvolvimento de novos produtos e a avaliação dos produtos existentes; agendar e rastrear a atividades essenciais; atuar em colaboração com os fornecedores para avaliar conformidade, capacidade e qualidade; seguir os padrões globais para avaliar a ética, sustentabilidade, segurança e declarações nos rótulos por trás de cada produto e da cadeia de suprimentos; trabalhar com os respectivos fornecedores para produzir especificações técnicas detalhadas de cada produto e variação de local de produção, que é usada para criar rótulos e preencher sites de compras on-line e sistemas operacionais. Os dois executivos são responsáveis por: garantir a qualidade e conformidade contínuas dos produtos e suas respectivas cadeias de suprimento; identificar o risco, avaliar o impacto e coordenar a ação corretiva; crescimento da marca, imagem da marca e cumprimento das promessas da marca. Conformidade de marca ajuda executivos de marca própria a: Compartilhar a verdade;  Acelerar a colocação no mercado;  Simplificar com cuidado; Ser o primeiro a reagir; Desenvolver uma marca transparente; Inspirar mudança e sustentabilidade; Cumprir a promessa da marca; Reagir às mudanças de mercado; Aumentar a receita.  Os exemplos neste guia ilustram que Orla é capaz de desenvolver e manter uma marca transparente e gerenciar um verdadeiro ciclo de vida do começo ao fim que é compartilhado de forma contínua e segura através de todas as conexões com seus fornecedores. Ao combinar PLM, aquisição, conformidade, qualidade e gerenciamento de incidentes em uma única plataforma, Orla capacita melhor sua equipe para conquistarem o sucesso.  Veja como Orla supera Manuel neste guia para o executivo de marca própria (idioma: inglês)

Quais alternativas considerar ao avaliar formas de aumentar, promover e proteger um portfólio de marca própria? Os executivos devem considerar um sistema de gerenciamento do ciclo de vida do produto...

Clientes e Casos de Sucesso

Grupo PEPCO utiliza KPIs de varejo para adotar as mudanças nas expectativas do consumidor

A pandemia mundial teve um efeito crucial no setor de varejo e na experiência do consumidor. O ano de 2020 foi diferente de qualquer outro, haja vista as inconstantes demandas e expectativas dos consumidores que influenciaram e inspiraram novos comportamentos, e também os varejistas que precisaram adotar novos modelos e estratégias de negócios. Os varejistas aprenderam a esperar o inesperado ao reinventar os modelos de serviço e alinhar as operações para garantir compras seguras e convenientes. Recentemente, o editor Ian Jindal da Internet Retailing apresentou um webcast com o CFO do Grupo PEPCO, Nick Wharton, e com a executiva de contas da Oracle, Emily Henderson. O Grupo PEPCO é a controladora dos conhecidos varejistas de descontos europeus PEPCO, Poundland e Dealz. O grupo explorou como os modelos de negócios da PEPCO, Poundland e Dealz resistiram à tempestade, juntamente com os hábitos de compra do consumidor global. Dois temas surgiram como as chaves para um futuro de sucesso – entender o que o consumidor deseja e reagir às mudanças nas expectativas. Compreender o que os consumidores desejam por meio de dados As expectativas do consumidor estão sempre evoluindo e é responsabilidade do varejista acompanhar essas tendências, demandas e comportamentos do consumidor. No entanto, os varejistas nunca entenderão totalmente o que seus clientes desejam se não estiverem usando dados e análises para fazer a avaliação. Nesta próxima fase do setor, os varejistas não conseguem prever ou atender às necessidades do cliente sem adotar novos KPIs como o Net Promoter Score. “Em todas as marcas, introduzimos uma medição de Net Promoter Score, de modo que recebemos feedback específico do cliente por loja, da experiência dos compradores na loja e tudo o que eles recomendam. Não se trata apenas de dados individuais de clientes. Estamos usando big data para entender o comportamento de compra do cliente comum”, afirmou Nick Wharton, Grupo PEPCO. Wharton disse que sua empresa não está apenas pedindo feedback, mas também atendendo às demandas. Por exemplo, a Poundland, por meio da aquisição da Fulton Foods, está lançando atualmente uma seleção completa de alimentos resfriados e congelados para 400 lojas, uma reação direta aos seus clientes que dizem: "Quero comprar alimentos congelados de você". Entender o que os clientes desejam é fundamental, mas colocar seus desejos em prática fará com que seus clientes voltem sempre. Além de ouvir o que os clientes desejam, os varejistas precisam utilizar os dados do consumidor para embasar as decisões de negócios, como aumento de estoque e vendas. "Não se trata mais de quantos itens estão na cesta; trata-se de qual combinação de itens está na cesta. Que itens nossos clientes compram juntos e, igualmente interessante, que itens eles nunca compram juntos?”, informou Wharton. Utilizar dados e análises para entender os consumidores e seus comportamentos e expectativas é inestimável para os varejistas. No entanto, os varejistas devem usar esses dados para embasar melhor a tomada de decisões, promover mudanças e, por fim, aumentar as vendas. Reagir às mudanças de expectativas Os clientes não querem apenas produtos de qualidade; eles querem uma experiência geral de qualidade. Entender o que os clientes desejam é a chave para aprimorar a experiência do cliente e, ao mesmo tempo, ser ágil e flexível para atender às suas necessidades será mais essencial ainda.  "Acho que se trata de ouvir realmente o que seus consumidores estão dizendo, como o comportamento deles está mudando e ser capaz de reagir a isso. Quanto mais ágil você for como empresa, incluindo seu pessoal e seus processos, melhor será seu desempenho", declarou Emily Henderson, da Oracle. Os varejistas podem aproveitar esta oportunidade para adotar sistemas, soluções e estratégias novos e atualizados para fornecer aos clientes experiência excelente. Hoje, os varejistas precisam continuar a explorar métodos alternativos de coleta e entrega, pois os clientes procuram os varejistas por serem mais inovadores com a experiência do cliente. A pesquisa da Oracle constatou que a entrega em domicílio ainda é a grande preferência de 66% dos consumidores em todo o mundo, e 71% dos consumidores dizem que a velocidade do serviço, a experiência durante o pagamento e as opções de entrega foram os quesitos mais importantes para permanecer fiel a um varejista. Você pode colocar a fidelidade dos clientes em risco? Itens fora de estoque, disponibilidade limitada de produtos e prazos de entrega maiores estão no topo da lista para perder clientes. O estudo do consumidor descobriu que 33% dos consumidores em todo o mundo relataram que o atraso das mercadorias equivale a uma experiência de compra horrível. Já que o consumidor perde a paciência durante esse período de atraso inédito, não é recomendável testar sua fidelidade e perdê-los para outra marca.  E agora, mais do que nunca, os consumidores desejam uma experiência de compra mais segura. De acordo com o mesmo estudo de pesquisa do consumidor da Oracle, os consumidores desejam precauções de segurança reforçadas para compras na loja: 82% dos entrevistados apontaram que práticas de limpeza visíveis eram importantes, 79% dos entrevistados responderam que era essencial ver funcionários e outros clientes usando máscaras. O que vem pela frente para o varejo Embora os eventos globais tenham gerado mudanças significativas nas expectativas e comportamentos dos consumidores, os varejistas ainda podem prosperar e fornecer aos consumidores uma experiência gratificante. O varejista líder do Reino Unido, Poundland Group, está implementando o Oracle Retail Merchandising Cloud Services e o Oracle Retail Merchandise Financial Planning para criar uma única infraestrutura básica consolidada em todas as suas marcas. Essa base produz eficiências operacionais e permite espaço para inovação na experiência do cliente.  Por fim, conforme a jornada do cliente evolui, os varejistas terão que remodelar e aprimorar toda a experiência de compra e adotar novas estratégias e soluções para manter os clientes satisfeitos. Praticidade, segurança e certeza continuarão sendo as prioridades para a tomada de decisão do consumidor. Saiba por que IDC MarketScape classificou a Oracle como líder em soluções de merchandising de varejo.

A pandemia mundial teve um efeito crucial no setor de varejo e na experiência do consumidor. O ano de 2020 foi diferente de qualquer outro, haja vista as inconstantes demandas e expectativas...

Melhores Práticas & Tendências

Desvendando o futuro do varejo por meio da transformação digital

A única constante no varejo é a mudança. Enquanto os líderes de varejo se esforçam para eliminar estratégias desatualizadas, o setor reage coletivamente com inovação e tecnologia para desvendar o Novo Normal. Em 2020, a pandemia global criou uma revolução digital e acelerou a necessidade de se aproximar do cliente. As necessidades dos clientes mudaram do dia para a noite e o papel da loja mudou para atender a essas demandas, enquanto as empresas lutavam para reagir ao impacto global na cadeia de suprimentos do varejo. Se há algo positivo nessa turbulência do ano passado, é que a revolução digital mostrou onde os modelos de negócios dos varejistas podem melhorar. Esse aprendizado transformou-se rapidamente em oportunidades e incentivos para explorar novos recursos – e traçar um caminho mais definido para o futuro. Conforme as marcas progridem na transformação digital neste novo ambiente, conseguimos observar como a tecnologia de ponta modifica a narrativa para os três players principais: a loja, o cliente e a própria empresa. A evolução da loja Parece que a tão comentada irrelevância da loja física era exagerada. De fato, a pandemia introduziu complicações na experiência de compra em lojas físicas, como os protocolos de higienização e segurança. A pandemia também acelerou a evolução da loja em seu futuro promissor. Essencialmente, a Covid-19 reformulou o valor da loja de uma maneira nova e estimulante. Ela não é mais uma mera representação física da experiência da marca, isolada do lado digital. Com a infusão do machine learning, as lojas conseguem se expandir e se tornam pontos de distribuição eficientes que melhoram o relacionamento com os clientes e atendem às comunidades locais. Na próxima fase das lojas físicas, marcas maiores otimizam seu espaço de loja à medida que isolam áreas para estratégias criativas de atendimento de pedidos, como coleta do lado de fora da loja, autoatendimento e compra online com retirada na loja (BOPIS). Esta nova onda estimulará mais parcerias com marcas complementares, permitindo que as lojas maximizem o tráfego levando em conta a utilidade de seu espaço geral. Embora as responsabilidades dos funcionários da loja evoluam, as pessoas ainda serão essenciais para cultivar conexões pessoais com os clientes e realizar jornadas que não podem ser reproduzidas on-line. Concentrar-se no cliente Para os varejistas, a próxima fase do varejo diz respeito a atender os clientes e manter sua fidelidade. Por meio de ofertas e serviços personalizados, os varejistas conseguem atrair comsunidores em potencial para se tornarem eternos defensores da marca. Muitas lojas implementaram estratégias internas de atendimento de pedidos de curto prazo que orientaram os varejistas durante a pandemia. Mas as marcas podem ir ainda mais longe para automatizar essas experiências rapidamente e em larga escala. Por exemplo, uma marca pode analisar os dados do cliente para entender melhor os dados demográficos e fornecer uma experiência que antecipe suas necessidades. O varejista pode reter esses dados para instruir o vendedor; desta forma, o cliente terá uma experiência de marca consistente em todos os canais. Mais adiante, talvez os clientes nem precisem sair de casa para serem atendidos de forma proativa. Empresas ágeis Em meio à pandemia, os varejistas que detinham uma visão única de seus estoques, clientes e pedidos tiveram um desempenho geral superior ao de seus pares. Esta vantagem operacional permitiu que certas marcas personalizassem melhor a experiência do cliente e conquistassem maior eficiência interna. Para as empresas, muitas dessas melhorias ocorrerão em áreas onde os clientes não as experimentam diretamente. Em meio a uma cadeia de suprimentos fragmentada, o machine learning permite previsões mais precisas, preços atraentes e compras eficientes por meio de análises preditivas. Os varejistas agilizam e automatizam os trabalhosos processos manuais de gestão de estoque, dando aos funcionários da loja mais tempo para se concentrar em tarefas estratégicas. As soluções de varejo de hoje ajudam a eliminar os pontos de atrito do processo de compras, acelerando os varejistas em direção a um mundo omnicanal e mostrando o caminho para maximizar os lucros – tudo ao mesmo tempo em que proporcionam uma experiência extraordinária ao cliente. Desvendando possibilidades infinitas Em termos simples, a transformação digital não deve ficar limitada a nenhuma específica área do negócio. A inovação realmente eficaz significa harmonizar e empregar a tecnologia em toda a empresa – do site da marca ao depósito físico – e colher os frutos. A experiência memorável vivida no futuro exigirá soluções inovadoras em todos os níveis, com os varejistas estimulando a criatividade e inventando novos modelos de negócios ao longo do caminho. Na longa história do varejo, poucos eventos climáticos deram início a uma revolução como a causada pela Covid-19. Agora, a única questão que permanece é: quais são os segredos para o futuro de um varejista? Dê o próximo passo, agende uma reunião e conheça como a Oracle Retail pode ajudar a desvendar a transformação digital em sua operação de varejo.

A única constante no varejo é a mudança. Enquanto os líderes de varejo se esforçam para eliminar estratégias desatualizadas, o setor reage coletivamente com inovação e tecnologia para desvendar o Novo...

Lojas e Customer Engagement

Programas de fidelidade: o que impulsiona os clientes?

Em uma pesquisa recente com consumidores, descobrimos que apenas 49% dos consumidores no mundo todo acham que os pontos de programas de fidelidade e o status são importantes. E os outros 51% dos consumidores, o que pensam? Você realmente compreende o que impulsiona o cliente?  Vista de fora, a construção e manutenção da fidelidade do cliente parece uma operação de loja meticulosa; contudo, no final das contas, há muito mais coisas envolvidas no engajamento com os clientes em grande escala. Em nosso ebook - Engajamento do cliente: a fidelidade sob uma nova perspectiva - analisamos os principais recursos e funções que suportam uma solução moderna de fidelidade de varejo, inclusive:  Perfis de cliente extensíveis: Não é nenhum segredo que o engajamento do cliente começa com atributos básicos do cliente, como nome e endereço de e-mail. Sem essas informações, não é fácil envolver um cliente. Porém, por que parar no básico? Em vez disso, quando os varejistas coletarem informações que os ajudarão a atender melhor seus clientes, eles poderão personalizar facilmente o modelo de dados de várias maneiras diferentes e combiná-los para atingir um público-alvo.  Pense no grupo de corredores, por exemplo. Há várias características se complementam para torná-los únicos, cada característica tem sua importância. Neste caso específico, um varejista que use Oracle Retail Customer Engagement consegue definir regras para identificar clientes deste grupo específico e que já compraram itens para corrida, e utilizam regras para atingir este público, enviando-lhes ofertas que se aplicam às suas necessidades específicas. Pequenos fragmentos de dados podem ser adicionados rapidamente para criar um perfil de cliente abrangente que ajudará o varejista no longo prazo.  Gestão de segmentos: Com base nesses perfis extensíveis de clientes, os varejistas conseguem segmentar melhor o público-alvo. Depois que um segmento for criado, o Oracle Retail Customer Engagement atualizará continuamente os hábitos de compra e as métricas do segmento sempre que for executado. Pense neste conceito como os anéis de uma árvore; a cada compra que um cliente faz em um segmento, outro 'anel' é adicionado à árvore de informações desse segmento. Um registro dessas compras é mantido, permitindo ao varejista avaliar as mudanças ao longo do tempo. Isso ajuda as empresas a entender se os segmentos-alvo estão diminuindo ou aumentando e como envolvê-los de uma forma significativa e que impacte os resultados financeiros. Além disso, essa prática agrega valor aos varejistas pois identifica novos segmentos à medida que surgem tendências nos hábitos dos clientes. Integração em toda a empresa: Duas cabeças pensam melhor do que uma, mas apenas quando estão trabalhando juntas. Em vez de manter dados e insights em sistemas separados de PDV e CRM, o Oracle Retail Customer Engagement foi projetado para se integrar perfeitamente ao Oracle Retail Xstore Point-of-Service. Essa integração oferece aos varejistas a oportunidade de reunir dados sobre seus clientes que podem ser úteis muito depois de uma venda individual ser realizada. É fundamental entender que, com o Xstore, o PDV não é apenas uma caixa registradora. Em vez disso, está profundamente interligado com o Customer Engagement para ajudar os varejistas a compreender os hábitos de compra de seus clientes e impulsionar a fidelidade. Com essas soluções, os varejistas conseguem examinar as rotinas anteriores dos clientes e otimizar as ofertas de fidelidade especificamente para eles, disponibilizando aos vendedores mais uma ferramenta para garantir que os clientes recebam o melhor serviço possível.  Inteligência incorporada: com inteligência avançada para ciência do varejo, o Oracle Retail Customer Engagement permite que os varejistas implementem iniciativas estratégicas que impulsionam as ações previstas do cliente. Isso permite que os varejistas analisem seus clientes de forma genérica e detalhada, resultando em mais oportunidades de examinar tendências e apresentá-las de maneira prática. A tecnologia da Oracle analisa o comportamento passado dos consumidores para prever suas atividades futuras e, em seguida, usa essa análise para apoiar os varejistas em suas iniciativas para engajar mais os consumidores.  Integração de dados com ferramentas de marketing interativo: Por natureza, os varejistas desejam vender e o marketing é uma parte essencial da forma como eles levam os clientes a fazer compras. Quando compreendem os desejos e as necessidades dos clientes, os varejistas conseguem comercializar para seus públicos-alvo com mais eficiência. Uma quantidade maior de dados torna os mecanismos de marketing mais inteligentes, resultando em programas de marketing mais eficazes que proporcionam um maior grau de personalização. Obviamente, se você fizer uma fotocópia da mesma página várias vezes, a imagem vai perdendo a qualidade. Da mesma forma, se recriar ou remontar segmentos, perfis de clientes ou pontos de dados brutos, atravancará o processo. Para resolver isso, o Oracle Retail Customer Engagement integra-se perfeitamente às plataformas de marketing para colocar seus dados para trabalhar de forma mais rápida e eficaz. E em sua operação de varejo, quais são os pontos que impulsionam os clientes? Acesso o ebook completo sobre fidelidade do cliente para mais insights.

Em uma pesquisa recente com consumidores, descobrimos que apenas 49% dos consumidores no mundo todo acham que os pontos de programas de fidelidade e o status são importantes. E os outros 51% dos...

PDV/POS hardware e software

4 etapas para melhorar o desempenho do vendedor na loja

Capacitar um vendedor de loja atualmente significa treinar, acompanhar e disponibilizar ferramentas que garantam que os funcionários estejam no caminho certo. Caso não esteja fazendo nada para acompanhar e monitorar se as coisas estão sendo feitas conforme o esperado, você corre o risco de que a experiência da marca não seja entregue. Algo que também contribui para um melhor ambiente para os vendedores é quando eles entendem a motivação do varejista e estão totalmente integrados aos processos. Isso também pode gerar discussões mais profundas e benéficas sobre o plano de carreira, aumentando ainda mais a satisfação no trabalho e resultando em um melhor desempenho. As recompensas são outro elemento essencial para gerar satisfação no trabalho. Elas podem ser dadas em forma de remuneração, cartões-presente para compras futuras ou descontos; contudo, não se trata apenas de dinheiro. Pode-se motivar o vendedor com outras coisas. Algo simples como monitorar o desempenho excepcional e reconhecer o vendedor com um cargo diferenciado. Ou talvez uma reunião com o chefe de compras para obter informações sobre os produtos da próxima temporada. Os varejistas podem aplicar o conceito de recompensas de fidelidade do cliente a seus funcionários, dando-lhes pontos por vendas excepcionais e excelência no atendimento ao cliente. Esse tipo de recompensa reconhece habilidades e comportamentos dentro do varejista e estimula um desempenho ainda melhor. A estrutura de interação O vendedor deve ser motivado e treinado para representar a marca com precisão. Contextualizando dentro de uma estrutura, os varejistas podem considerar quatro etapas:  Ofereça treinamento: Desenvolva o embaixador da marca em todas as funções, desde o atendimento ao cliente até o envio de mercadorias. Desenvolva as habilidades certas para que os varejistas preencham qualquer função rapidamente conforme as demandas operacionais e as necessidades dos clientes mudarem, permitindo que eles façam mais com menos. Forneça treinamento sob demanda e desenvolva a confiança por meio do conhecimento.  Gerencie: Use os recursos certos para todas as tarefas de dentro da loja, por exemplo, alinhar o cronograma da loja de acordo com previsões, habilidades, treinamento, diretivas de horário de trabalho e contratos dos funcionários. Use previsões capacitadas por inteligência artificial para atender às demandas sazonais e utilizar o estoque de habilidades de um vendedor com eficiência. Monitore: Crie visualizações de monitoramento do sistema direcionadas aos vendedores para conscientizá-los de que "a empresa está observando". Painéis para KPIs fornecerão aos gerentes informações sobre o desempenho com alertas e notificações configuráveis para prevenção de perdas, desempenho pessoal e fidelidade do cliente.  Recompense: Trate os vendedores como clientes. Reconheça os atributos dos funcionários para os elementos essenciais do perfil, não só data de contratação/tempo de casa, cargo, etc. Dê pontuação para todos os tipos de comportamentos desejados. E implemente um programa de recompensas para manter os funcionários motivados. Capacitando embaixadores da marca O varejista de artigos de luxo De Beers Jewelers está adotando o moderno Oracle Xstore para aprimorar a experiência de compra de seus clientes. A empresa orgulha-se de oferecer presentes requintados e diamantes incomparáveis para os principais momentos da vida. Suas 33 lojas, localizadas em 15 países, estão equipadas com a tecnologia exclusiva da De Beers Iris, a qual permite que clientes vejam as características singulares de seus diamantes através dos olhos de um especialista. Com o Oracle Point of Service (POS), a De Beers elevará ainda mais a experiência na loja, capacitando os vendedores a envolver os clientes durante a jornada de compra. O papel da tecnologia  As plataformas de tecnologia desempenham um papel no fornecimento de treinamento unificado e monitoramento de desempenho. As soluções Oracle Retail são projetadas para trabalhar em conjunto e fornecer ao vendedor as ferramentas de que ele precisa para ter sucesso.  O Oracle Retail Xstore Point-of-Service torna a equipe de varejo capaz de fornecer serviço de qualidade memorável e aumentar a fidelidade dos clientes. O Oracle Retail Xstore Point-of-Service fornece aos vendedores a visibilidade perfeita do estoque, emparelhando-o com fluxos de trabalho e fornecendo visibilidade para os usuários acessarem o estoque de toda a cadeia em todos os canais para atender às necessidades do cliente na entrega, coleta ou envio. É fácil de aprender e permite que os funcionários se tornem produtivos rapidamente, resultando em um menor custo operacional diário em cada loja. Independentemente de ser utilizada na área de vendas ou no escritório, a interface com o usuário do Oracle Retail Xstore Point-of-Service é intuitiva, compatível com dispositivos móveis e eficiente.  O Oracle Retail Customer Engagement Cloud Services gera receita e lucratividade adicionais para a empresa de varejo moderna. A suíte oferece uma visão integral de todas as interações do cliente com a marca, incluindo suas compras, preferências e comportamentos. É uma plataforma para conectar todos os sistemas voltados para cliente e vendedor em tempo real, criando uma base sólida para falar em uma só voz com os clientes e capacitar os vendedores para serem excelentes embaixadores da marca. O Oracle Retail Order Management System Cloud Service fornece gerenciamento robusto de pedidos para que os varejistas utilizem as informações do cliente de maneira mais eficaz durante a transação e como parte de seus esforços de marketing, merchandising e atendimento ao cliente. O Oracle Retail Order Management System Cloud Service oferece um conjunto abrangente de funcionalidades para monitorar pedidos e permitir que os vendedores respondam às perguntas dos clientes sobre o status de um pedido a qualquer momento.  O Oracle Retail Order Broker Cloud Service  é uma solução para gestão de pedidos que possibilita o envio direto onde e como o cliente desejar. O Oracle Retail Order Broker Cloud Service fornece em tempo real as informações de estoque necessárias para concluir transações sob demanda, apresentando para a empresa os números de estoque disponíveis para promessa. As regras de compra do pedido que identificam o local de atendimento são configuradas pela empresa e podem ser baseadas em critérios como níveis de estoque mais altos ou loja mais próxima.  Confira nosso guia, Adapting the Role of the Associate at the Retail POS, onde exploramos o papel essencial do vendedor na entrega da marca do varejista e apresentamos dicas de como os varejistas omnicanal podem progredir para atender às mudanças nas expectativas.

Capacitar um vendedor de loja atualmente significa treinar, acompanhar e disponibilizar ferramentas que garantam que os funcionários estejam no caminho certo. Caso não esteja fazendo nada para...

Clientes e Casos de Sucesso

Bed Bath & Beyond moderniza suas operações de tecnologia de varejo com Oracle Cloud

A Bed Bath & Beyond escolheu recentemente a Oracle para ajudar a melhorar a experiência de varejo omnichanal para seus clientes. Com as soluções de varejo e finanças da Oracle, a Bed Bath & Beyond está alimentando sua estratégia “digital-primeiro, omni-sempre”, melhorando sua capacidade de prever e atender à demanda de estoque, atender melhor seus clientes e promover o crescimento a longo prazo. Em 2020, Bed Bath & Beyond lançou com sucesso várias iniciativas para entregar uma experiência de compra omni-sempre, lançando Buy-Online-Pick-Up-In-Store (BOPIS), coleta sem contato na calçada e entrega no mesmo dia. Essa estratégia impulsionou o forte crescimento das vendas digitais nas principais categorias, usando as lojas como um ativo estratégico para oferecer aos clientes maior velocidade, conveniência e certeza na hora de fazer compras. Através do Oracle Cloud Infrastructure (OCI), a Bed Bath & Beyond usará o Oracle Retail Merchandising Cloud Service, o Oracle Retail Store Inventory Operations Cloud Service e a Oracle Retail Science Platform para garantir a precisão dos dados do item e verificar a disponibilidade de inventário em tempo real, independente de onde o produto esteja. Isso ajudará a empresa a apoiar o crescimento contínuo do omnicanal. O Oracle Fusion Cloud ERP e o Oracle Fusion Cloud Enterprise Performance Management também ajudarão o varejista a obter uma visão em tempo real das operações para apoiar as decisões de planejamento estratégico. Para saber mais sobre o investimento estratégico da Bed Bath & Beyond com a Oracle, veja aqui mais informações em inglês.

A Bed Bath & Beyond escolheu recentemente a Oracle para ajudar a melhorar a experiência de varejo omnichanal para seus clientes. Com as soluções de varejo e finanças da Oracle, a Bed Bath &...

Clientes e Casos de Sucesso

Varejista mexicano de calçados intensifica o compromisso com o cliente com Oracle Cloud

Grupo Nazan acelera as operações de varejo on-line para oferecer suporte aos clientes na pandemia Varejista mexicano Grupo Nazan está se transformando de uma loja física e operação baseada em catálogo em uma empresa digital omnicanal com Oracle Cloud. O Grupo Nazan comercializa as marcas de calçados Impuls, Destroyer e Playa Mayoreo no México por meio de 100 lojas físicas, canais online e call centers. Durante a pandemia, o Grupo Nazan aproveitou seu rico banco de dados de clientes de vendas por catálogo para se expandir digital e fisicamente. Com a Oracle Retail, o Grupo Nazan pode mostrar rapidamente o estoque aos representantes de atendimento ao cliente, otimizar custos de logística e implementar promoções para diferentes segmentos de clientes com base em seus interesses. "Nosso crescimento exigiu um conjunto moderno de soluções para aumentar a satisfação do cliente em escala", disse Juan Castro, diretor administrativo do Grupo Nazan. “Com operações omnicanal distribuídas, precisávamos criar uma experiência integrada para melhor atender nossos clientes. Lançamos o "Projeto Impacto" com o suporte da Oracle Retail e transformamos todos os aspectos de nosso negócio." O Projeto Impacto é a campanha interna do Grupo Nazan para inspirar as equipes a se tornarem uma verdadeira organização com foco em todos os canais. Antes do fechamento das lojas, as lojas físicas eram responsáveis ​​por 90% da receita e as vendas online giravam em torno de 9%. Em apenas dois meses, as vendas online aumentaram para 34%. Em resposta, Nazan transformou seu centro de distribuição em uma loja online em questão de horas. Com o Oracle Retail Order Broker, os agentes do call center conseguiram gerenciar os pedidos rapidamente, aumentando os níveis de atendimento em 4-5%. Isso garantiu que os pedidos fossem entregues na porta de cada cliente no prazo. “A Oracle Retail apresentou um conjunto de soluções e consultores altamente treinados para atender o mercado de varejo”, disse Moises Macías, diretor de TI e logística do Grupo Nazan. “Escolhemos Integradores de Soluções, Skillnet e Logic Information Systems para implementar nossa estratégia omnicanal. O ambiente tecnológico que configuramos nos fornece informações online em tempo real e nos ajuda a entender as mudanças necessárias para reagir mais rapidamente às necessidades de nossos clientes durante a pandemia.” O Grupo Nazan implementou o Oracle Retail Xstore Point-of-Service, Oracle Retail Customer Engagement Cloud Services, Oracle Retail Order Broker Cloud Service e Oracle CX Commerce para fornecer uma experiência de compra perfeita. "A pandemia está acelerando o ritmo das mudanças no varejo, levando uma nova abordagem ao digital para o topo da lista de prioridades", disse Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail. “Uma visão única dos clientes, estoque e pedidos oferece uma vantagem operacional neste momento incerto. Junto com a Oracle, o Grupo Nazan adaptou suas operações para responder ao mercado e às novas expectativas dos consumidores de forma segura ”. “Embora os clientes não possam passar tempo em lojas físicas, pudemos melhorar a experiência de compra online para oferecer um serviço melhor”, disse Ramón Rodríguez, diretor de marketing do Grupo Nazan. "Também fomos capazes de proteger as margens gerenciando remarcações e escolhendo as categorias mais atraentes para enfrentar os desafios da pandemia."   Que tal assistir ao webcast apresentado pelo Grupo Nazan em espanhol? Acesse a galeria de wecasts para varejo.

Grupo Nazan acelera as operações de varejo on-line para oferecer suporte aos clientes na pandemia Varejista mexicano Grupo Nazan está se transformando de uma loja física e operação baseada em catálogo...

Melhores Práticas & Tendências

Webinar anual sobre atualizações do portfólio de soluções de varejo - Janeiro 2021

No início de janeiro, os executivos da Oracle Retail, Mike Webster, Jeff Warren and Antony Wildey, apresentaram o webinar anual sobre as atualizações de portfólio para as soluções de varejo. Nesta ocasião, abordou-se o impacto da pandemia da Covid-19 no varejo, que tornou a agilidade ainda mais prioritária, à medida que os consumidores compram em diferentes canais e ventos geopolíticos atrapalham a cadeia de suprimentos. Mas o primeiro passo para ser verdadeiramente ágil consiste em entregar gerenciamento de estoque baseado em dados que dê a todos os interessados, sejam gerentes da cadeia de suprimentos, funcionários de lojas e consumidores, uma chance de ver onde os produtos estão o tempo todo. Inteligência artificial e aprendizado de máquina agora são requisitos para varejistas que desejam prever melhor a demanda, criar orientações sobre como responder às mudanças rápidas do cliente e fornecer aos funcionários da loja as ferramentas necessárias para criar compromissos mais autênticos. O webinar completo em inglês pode ser assistido sob demanda neste link, e abaixo trazemos os destaques: Estratégias Oracle Retail (20'50"): Desafios da pandemia: ajudar varejistas a transformar "lojas escuras" (dark stores) em pontos de conexão com o consumidor, através da agilidade no atendimento de pedidos Serviços em Nuvem: ajudar varejistas a gerar um plano de estoque em fases - onde posicionar o estoque de forma lucrativa Valor da ciência: utilizar cada vez mais a a ciência na estratégia.   Estoque exato e a mobilidade (30'53"): Através dos exemplos de “Ash”, uma funcionária da loja que usa um dispositivo móvel, bem como o de “John”, analista de estoque, ilustrou-se como melhorar a experiência no varejo. Através de um dispositivo móvel estes personagens podem visualizar e revisar os pedidos, obter recomendações do sistema sobre o “estoque exato”, e onde esse estoque está localizado nas lojas, finalizar o pedido e notificar o cliente. A Oracle pode processar desde o início do pedido do produto de qualquer ponto de contato digital, até mesmo por meio de um call center. Durante o webinar, Warren apontou o trabalho da Oracle com a Gap Inc. como um exemplo da necessidade da indústria de simplificar e escalar as operações de back-end para melhorar a experiência do cliente conforme um influxo de dados entra em cena. A Oracle inicialmente configurou o “plano de agilidade” do varejista especializado, movendo seus dados e processos de aplicativos em silos e locais para sua plataforma SaaS baseada em nuvem. Warren disse ainda que, a próxima etapa da plataforma é trazer outras formas de dados para melhorar a visibilidade do inventário, incluindo clima, dados sociais e dados relacionados à Covid. À medida que a Oracle continua seu movimento de “pivotar para o cliente”, a gigante da nuvem visa trazer informações mais relevantes do cliente para processos onde, historicamente, podem não ter sido integradas, tudo com o objetivo final de ajudar os varejistas a criar uma melhor variedade de produtos que atenda às necessidades do cliente. Por meio da plataforma Retail Cloud fluem 500 milhões de transações de consumo, com 10.000 usuários diários no ecossistema de nuvem. Assista ao webinar em inglês sob demanda clicando aqui.

No início de janeiro, os executivos da Oracle Retail, Mike Webster, Jeff Warren and Antony Wildey, apresentaram o webinar anual sobre as atualizações de portfólio para as soluções de varejo. Nesta...

Melhores Práticas & Tendências

Perspectiva global: comportamento do consumidor no setor de supermercados

Ao contrário de qualquer outro ano na história recente, o comportamento do consumidor e, por extensão, o mercado de varejo, foi bastante conturbado durante o último ano. As medidas globais de saúde pública em resposta à pandemia afetaram rápida e dramaticamente não apenas a capacidade dos consumidores de fazer compras em locais físicos, mas também seu desejo de fazer. Os supermercados, considerados “negócios essenciais” e não sujeitos a fechamento de longo prazo, no entanto, sentiram os efeitos significativos da mudança de comportamento, percepções e expectativas do consumidor. Na pesquisa “Anatomia da mudança: compreendendo o comportamento do consumidor ao comprar em supermercados”, examinamos os principais impactos do COVID-19 no comportamento do consumidor - incluindo mudanças permanentes nos hábitos de compra do consumidor, desafios contínuos para manter a experiência do mercado e exploração do consumidor de novas marcas. Ele também explora o que essas mudanças significam para o futuro do varejo de alimentos. Uma nova era nas compras de alimentos Apesar de poder fazer compras na loja, 61% dos consumidores relataram fazer compras online durante a pandemia. Destes, 41% dos consumidores relataram fazer compras online com mais frequência do que na loja antes da pandemia, e 20% compraram na loja com mais frequência do que online. Nos meses desde que as restrições do COVID-19 começaram a mudar de comportamento, os consumidores formaram novos hábitos. Na verdade, 92% dos consumidores pesquisados continuarão comprando alimentos online no futuro, com 7 em cada 10 consumidores prevendo que farão compras online com a mesma frequência ou frequência do que durante a pandemia. Mantendo a experiência em supermercados A experiência de compra continua a ser um fator significativo na preferência do consumidor. A rapidez no checkout continua a ser uma prioridade para 71% dos consumidores, assim como para colaboradores experientes e inteligentes (57%). Além disso, os consumidores que compravam nas lojas durante a pandemia tinham novas expectativas para a experiência de compra de todos os varejistas. Além da segurança, a pesquisa mostrou que 47% dos entrevistados em todo o mundo disseram que a mercadoria fora de estoque encabeçou a lista de uma experiência de compra ruim. Além disso, 63% disseram que não gostariam de esperar que um item voltasse ao estoque antes de tentar outra marca. Descoberta de marcas próprias durante a pandemia Os varejistas devem observar o papel crítico que o gerenciamento de estoque pode desempenhar na manutenção da fidelidade à marca. A alta demanda por alimentos básicos para despensas e outros itens essenciais muitas vezes tornava os produtos difíceis de encontrar, tanto online quanto nas lojas. Dos consumidores que exploraram as marcas próprias das loja, mais da metade (61%) planeja ficar com as novas marcas ou incluí-las em um mix de novas descobertas e antigas favoritas enquanto fizerem compras no futuro. E daqueles que compraram produtos em novos supermercados, 53% planejam continuar comprando nos novos locais além de suas lojas preferidas anteriores. Em todo o mundo, os hábitos dos consumidores de alimentos mudaram A maneira de comprar em supermercados, como sabemos, mudou para sempre pela pandemia. Agilidade e adaptabilidade são essenciais para a saúde das empresas de alimentos. Os consumidores têm novas expectativas dos varejistas que vão além da disponibilidade dos produtos e da qualidade usual das experiências na loja e online. Há uma pressão maior sobre os varejistas para garantir que os consumidores na loja estejam seguros e que seu tempo na loja seja breve e eficiente. Obtenha a pesquisa global completa em inglês aqui e em breve lançaremos o relatório da América Latina.

Ao contrário de qualquer outro ano na história recente, o comportamento do consumidor e, por extensão, o mercado de varejo, foi bastante conturbado durante o último ano. As medidas globais de saúde...

Melhores Práticas & Tendências

Coreografando a experiência do varejo omnicanal

Vinte anos atrás, coletar dados do cliente no varejo significava saber o nome do consumidor - se você tivesse sorte. A partir desse núcleo de informações, marketing e especialistas em experiência do cliente esperavam criar perfis de marketing direcionados, construir programas de fidelidade de varejo e promover relacionamentos de longo prazo. A indústria de varejo foi construída naturalmente mais em torno da qualidade da mercadoria do que do relacionamento com o cliente. Mas agora, a crescente proeminência dos recursos do varejo omnicanal e coleta de dados do usuário deu às marcas de varejo uma visão abrangente dos desejos mais profundos de seus clientes. A coreografia da experiência física e digital do varejo tem um ritmo contínuo e rico como as notas de uma música. O trabalho não está mais em buscar informações – que agora estão embutidas na operação -, mas em determinar como os componentes se unem para construir uma obra-prima da experiência de varejo. Na verdade, a tecnologia oferece aos varejistas a oportunidade de ganhar fidelidade, oferecendo experiências envolventes e contínuas em mais de 70 jornadas exclusivas de clientes. E, com as soluções e processos certos, os varejistas sentem um impacto positivo em todos os níveis da empresa, criando iniciativas perfeitas de ponto de serviço, comércio eletrônico, prevenção de perdas e sistemas de gerenciamento de pedidos. Nós conversamos com nosso especialista em soluções de varejo omnicanal Corey Gale após um briefing detalhado com a IDC para saber mais. De acordo com a IDC, a proficiência e força colaborativa da Oracle nessa área são reconhecidas em todo o setor de varejo. A IDC recentemente nomeou a empresa como ‘Líder’ em sua avaliação anual de Plataformas de Comércio de Varejo, dizendo “A Oracle apóia as equipes de varejo em todos os projetos e demonstra atenção especial no gerenciamento eficaz do relacionamento”. O Cliente Varejistas não podem apenas olhar para os resultados financeiros - sua prioridade deve ser o cliente. Um consumidor omnicanal é o cliente mais lucrativo que uma marca pode ter, portanto, determinar a melhor forma de atrair e fidelizar esses clientes é o que pode levar um varejista a um novo nível de competição. De acordo com uma recente pesquisa de consumidor conduzida pela Oracle, 55% dos consumidores globais disseram que um ótimo preço ainda era a melhor maneira de transformá-los de navegador em comprador. Mas, em última análise, o ponto de preço está longe de ser o único fator. Cerca de 49% disseram que as ofertas e descontos especiais os incentivaram a comprar, enquanto 25% disseram que a disponibilidade imediata e o envio rápido tiveram um impacto significativo. É aí que entra a tecnologia. Embora qualquer pessoa possa alterar um preço, fornecer uma experiência satisfatória e eficiente nessas outras áreas exige a implementação de novas táticas de varejo, como marketing direcionado e software de sistema flexível de gestão de pedidos . Infelizmente, remendar sistemas legados para atender a esses padrões do cliente é uma tarefa quase impossível que leva a experiências interrompidas e baixa retenção. Varejistas precisam realizar uma revisão tecnológica completa para atender plenamente às necessidades do cliente, mas alguns investimentos oferecem ROI rápido e podem pagar pela próxima iniciativa. O segredo é adotar uma plataforma que se contrate e cresça com o negócio e possibilite novos modelos de atendimento. Varejistas buscam ter uma compreensão abrangente de suas preferências e história do cliente para criar uma experiência de compra atraente - até mesmo virtual ou na calçada em meio à pandemia global. À medida que novas plataformas coletam esses dados, as marcas podem aproveitá-los para realmente revolucionar as compras para melhor, seja por meio de ofertas personalizadas, campanhas de recompensa, novas funcionalidades da loja ou qualquer outra melhoria. Para as marcas, assumir o controle do sucesso futuro se resume a colocar o cliente no centro de todas as decisões de negócios que tomam, forjando assim conexões reais com os embaixadores da marca de amanhã. As pessoas apreciam uma conexão genuína e uma demonstração de compromisso com o cliente por parte das marcas durante este período imprevisível. O Funcionário O funcionário da loja de varejo pode construir ou quebrar a experiência da marca. Na realidade, as marcas não seriam nada se não fosse pelos funcionários que trabalham duro fazendo vendas na loja e garantindo que o corredor sem fim se torne uma realidade. É importante observar que a tecnologia de ponta para a experiência do cliente pode ajudá-los a fazer seu trabalho melhor do que nunca. Cerca de 71% dos consumidores globais disseram que a velocidade do serviço, a experiência de finalização da compra e as opções de entrega foram cruciais para incentivá-los a permanecer leais ao varejista. A interação entre um funcionário e um cliente, online ou na loja, pode realmente fazer ou quebrar uma venda. É por isso que é fundamental equipar os funcionários com todas as ferramentas de que precisam para se destacarem em seu trabalho, especialmente devido à alta taxa de rotatividade do setor. Felizmente, uma plataforma de tecnologia de varejo pode simplificar significativamente todo esse processo. As informações pessoais dos clientes podem ser automaticamente coletadas e arquivadas, sejam registradas na loja por um funcionário ou enviadas online. Essas informações podem ser facilmente acessadas sempre que o cliente retornar - permitindo respostas personalizadas muito mais rapidamente do que os sistemas de arquivamento inconsistentes de dias anteriores. “Os consumidores não têm paciência para dar às marcas suas informações duas vezes. Uma vez que um varejista ou funcionário conhece os tamanhos ou marcas preferidos de um cliente, ele não aceitará ser solicitado a repetir essas informações, especialmente se as informações forem de natureza privada ou pessoal. Mas essa é a beleza de um sistema automatizado: ele não se esquece”, disse Corey Gale, Diretor de Soluções, Oracle Retail. Ao colocar dados mais confiáveis ​​e úteis de clientes nas mãos dos funcionários,  varejistas podem ajudar seus funcionários a acessar o poder da onisciência para oferecer aos clientes uma experiência de compra totalmente personalizada que os faz voltar para mais. O Varejista Em meio à incerteza econômica e regulatória global causada pela pandemia, os varejistas estão lutando para manter o controle de suas operações e continuar a oferecer experiências confiáveis ​​aos clientes. “A enorme mudança para o comércio eletrônico em um futuro previsível deixou as marcas tentando debater novas estratégias para transformar seus navegadores em compradores”, comentou Gale. “Soluções de experiência do cliente como as fornecidas pela Oracle - como um mapa de calor que rastreia o comportamento dos clientes - podem ajudar a alavancar a demanda”. Os benefícios comerciais da implementação dessas soluções são abrangentes: as marcas podem desfrutar de melhores experiências de clientes, clientes recorrentes e valores de cesta de compras mais elevados. E uma experiência de compra consistente em todas as plataformas naturalmente atrai mais compradores multicanal - os mais valiosos de todos os clientes. As soluções para o varejo omnicanal também podem fornecer uma vantagem econômica por meio de seu impacto positivo na eficiência interna. Um cliente da Oracle recentemente nos disse que estava preparado para atender 450.000 pedidos intermediários no próximo ano. Mas, devido à pandemia, eles acabaram recebendo mais de 4 milhões de pedidos em apenas três meses. Graças à agilidade e flexibilidade de seus sistemas de back-end, eles de alguma forma conseguiram cumprir cada um deles. À medida que o mundo do varejo fica mais complexo e opressor a cada dia, os varejistas ainda podem manter o controle de seus destinos com o COVID-19 e outros eventos perturbadores. Investir em tecnologia de varejo omnicanal e acompanhar sua implementação pode ser a chave para desbloquear um futuro de varejo sustentável que satisfaça a vitrine, o back office e a diretoria.   Para obter mais informações sobre as ofertas de varejo e experiência do cliente da Oracle, consulte o 2020 IDC Report aqui.

Vinte anos atrás, coletar dados do cliente no varejo significava saber o nome do consumidor - se você tivesse sorte. A partir desse núcleo de informações, marketing e especialistas em experiência...

Clientes e Casos de Sucesso

Bata, Varejista Omnicanal, Conquista Ângela

Os dados não ficam apenas em planilhas e painéis na varejista omnicanal global Bata. Eles ajudam todos a entender melhor e conquistar a Ângela, a persona que representa mais do que a cliente criada para ser o foco das ações de marketing. A varejista Bata coleta continuamente informações de todo o mundo, utilizando dados para refinar os gostos e necessidades de Ângela, informando tudo, desde design de calçados a planos de gestão de mercadorias e como a Bata alinha seus canais tradicionais e online entre as regiões. Pense em Ângela como uma cliente valiosa cujos desejos são essenciais para os planos da empresa. "Ela está procurando produtos da moda, por isso queremos surpreendê-la", diz o diretor de TI e CIO do Grupo Massimiliano Gerli. "Gostamos de vê-la feliz e confortável com sapatos dos quais ela pode se orgulhar." A persona Angela ajuda a Bata a atender mais de 180 milhões de consumidores a cada ano em seu website, bem como a mais de 5.500 lojas em 70 países na Ásia, Europa, África e América do Sul. Fundada em 1894, a empresa possui 35.000 funcionários e 22 fábricas que produzem metade de seus produtos. Sob a liderança de TI de Gerli, a empresa continua a aprimorar seus canais digitais, oferecendo um catálogo de produtos mais abrangente, entrega mais rápida e uma experiência perfeita para o cliente entre seu site e as lojas. Design com Foco Digital Durante a pandemia, as lojas da Bata foram abertas e fechadas de acordo com os regulamentos do governo local. A empresa compensou parcialmente as quedas de receita em suas lojas físicas com um crescimento mais rápido do que o esperado nas vendas online. As operações da Bata em um país da Europa Central foram capazes de compensar completamente as vendas perdidas nas lojas. As operações de comércio eletrônico baseadas na nuvem da Bata continuaram ininterruptas e a equipe de Gerli foi capaz de equipar a maioria dos funcionários para trabalho remoto rapidamente. "Estou falando além dos Estados Unidos e da Europa", diz Gerli. "Estou falando sobre África, Vietnã, Indonésia - lugares que não têm necessariamente a infraestrutura para suportar isso." Um Passo à Frente Bata adotou os aplicativos Oracle Retail, incluindo o Merchandise Financial Planning e o Assortment Planning na América Latina e o Xstore Point-of-Service na América Latina, Europa e, recentemente, na Ásia-Pacífico. Os aplicativos ajudam a Bata a fornecer uma experiência consistente aos clientes nessas regiões, visibilidade em tempo real do estoque e simplificar o treinamento dos vendedores nas lojas. Com esse investimento em tecnologia, a Bata está modernizando suas operações, reduzindo estoques e remarcações desnecessárias e melhorando as margens de lucro. A Bata agora tem uma visão muito mais clara de cada consumidor para atender por exemplo a mercados onde 70% das vendas são geradas por consumidores que fazem parte de seu programa de fidelidade. Além disso, empresa está experimentando um grande aumento nas transações online ano após ano. Bata estima que as oportunidades de vendas perdidas custaram à empresa 15% ou mais de sua receita no passado, simplesmente porque um tamanho ou cor não estava disponível. Agora, com nova visibilidade do estoque em todo o mundo, ela espera reduzir essa porcentagem significativamente. Boas-vindas ao Ano Novo com uma atualização do portfólio Oracle Retail Junte-se ao Oracle Retail em 7 de janeiro de 2021, às 8h PST. Jeff Warren, vice-presidente de estratégia e gerenciamento de soluções, compartilhará uma atualização de portfólio apresentando inovações atuais e planejadas, projetada para ajudar os varejistas a se aproximarem do cliente e se adaptarem às mudanças com velocidade e agilidade. Aprenda como as tecnologias de nuvem podem ajudar a liberar agilidade de negócios e desbloquear novas possibilidades. Registre-se hoje para discutir seus principais desafios e prioridades de negócio.

Os dados não ficam apenas em planilhas e painéis na varejista omnicanal global Bata. Eles ajudam todos a entender melhor e conquistar a Ângela, a persona que representa mais do que a cliente criada...

Melhores Práticas & Tendências

A Segunda Onda Significará Falta de Papel Higiênico Novamente?

Escrito a partir da entrevista da Mike Webster para a revista Supply and Demand Chain Executive (SDCE) – conteúdo original aqui. Com a segunda onda da pandemia está mais forte, o que acontecerá com a cadeia de suprimentos e o setor de bens de consumo? Em março de 2020 muitas partes do mundo viram consumidores estocarem produtos preparando-se para um futuro desconhecido durante a primeira onda da pandemia. A compra por pânico fez que indivíduos esvaziassem prateleiras das lojas, estocando itens em casa, e ocasionando escassez de itens essenciais, pois a cadeia de suprimentos estava sobrecarregada. Desde então, a pandemia avançou de distintas formas, e voltou com força total no inverno da Europa e Estados Unidos, trazendo a temida segunda onda que muitos especialistas temiam. Então, como a cadeia de suprimentos respondeu desta vez? Felizmente para o setor de varejo, o pânico de compra durante a segunda onda não é tão grave porque os consumidores vivem na pandemia há muito tempo. Já não é algo tão desconhecido que as pessoas corram para as lojas para estocar. No entanto, uma versão menor de estoque continua. De acordo com um recente estudo sobre supermercados, conduzido pela Oracle Retail, 28% dos entrevistados da pesquisa afirmaram que estão planejando estocar itens essenciais para a casa e alimentos básicos, com 69% dos entrevistados afirmando que estocarão papel higiênico e produtos de limpeza, enquanto 54% dos entrevistados afirmando que eles vão estocar frutas e vegetais enlatados. No início da pandemia, além de os consumidores terem poucas informações sobre como se preparar para o COVID-19, os varejistas também não tinham visibilidade. Agora, com pelo menos 8 meses de pandemia, os varejistas e as empresas da cadeia de suprimentos sabem que precisam se inclinar para o digital e estar prontos para tudo. Varejistas tiveram que utilizar os dados complexos deste ano e as tendências do consumidor para prever o que os compradores podem querer. Além disso, como os varejistas tiveram que aumentar sua presença digital para atender aos consumidores onde estão, tiveram que gerenciar estrategicamente o estoque na loja e online para garantir que os produtos de que os consumidores precisam estão disponíveis onde quer que façam compras. A pesquisa da Oracle Retail traz dados importantes sobre o comportamento dos consumidores para compras online: Um Futuro Desconhecido Atualmente, as interrupções generalizadas são baixas, mas alguns temem que o pior ainda está por vir. Com relação a cadeia de suprimento, na mesma entrevista para a revista SDCE, Mahendra Piraveenan, conferencista sênior em sistemas complexos da Universidade de Sydney, destaca que muitos países experimentam uma segunda onda de COVID-19, que é mais significativa do que a primeira onda em termos de número de casos e, em alguns países, também em termos de número de mortes. Ainda assim, em sua opinião o pior da escassez, especialmente para o usuário final ou cliente de varejo, ainda está por vir. Dado que as interrupções nas cadeias de abastecimento têm um efeito retardado que pode levar meses ou até anos para se propagar e ser sentido pelo usuário final. Ele ainda ressalta que não se sabe como será a cadeia de abastecimento nos próximos meses e ao longo de 2021, dado que isso depende de quanto tempo a pandemia vai durar e do curso que ela tomar. Mas mesmo supondo que os programas de vacinação terão sucesso e a pandemia será contida em geral nos próximos meses, o que deve ocasionar escassez, devido ao efeito retardado que abordado acima. Na opinião de Mahendra, é preciso considerar o fato de que a pandemia está relativamente atrasada em afetar muitos países fornecedores de matérias-primas. Pode muito bem ser que a pandemia atinja seu pico, por exemplo, na África, mesmo quando os EUA e os países ocidentais emergirem dela. Isso provavelmente terá um efeito nas cadeias de abastecimento. No mundo globalizado de hoje, as cadeias de abastecimento envolvem empresas de muitos países, e todas elas têm que emergir da pandemia antes da ruptura de todos os subsídios da cadeia de abastecimento. Infelizmente, não é provável que isso aconteça de maneira sincronizada. Portanto, pode ser que haja escassez, especialmente para a produção de bens que envolvem empresas de vários países diferentes. Aconteça o que acontecer, a cadeia de abastecimento tem se mostrado resiliente e continuará em meio às adversidades. Próximo Webinar - Registre-se Hoje Clientes no Centro de seu Negócio de Varejo Quinta-feira, 7 de janeiro de 2021 - 8:00 PST Junte-se a Jeff Warren, vice-presidente de soluções e estratégia do Oracle Retail, para o webinar sobre as mais recentes inovações de produtos para o setor de varejo. Registre-se aqui - em inglês     Este artigo foi escrito a partir da entrevista efetuada pela revista Supply and Demand Chain Executive (SDCE) com Mike Webster, da Oracle Retail. O conteúdo original pode ser acessado aqui.

Escrito a partir da entrevista da Mike Webster para a revista Supply and Demand Chain Executive (SDCE) – conteúdo original aqui. Com a segunda onda da pandemia está mais forte, o que acontecerá com a...

PDV/POS hardware e software

Adaptando o Papel do Funcionário no Ponto de Venda

Mais do que nunca, o funcionário da loja no varejo desempenha um papel vital, ou melhor,  muitos papéis em alguns casos. Seu desempenho pode determinar se um cliente se torna leal ao varejista ou se ele vira as costas para a loja para sempre. Esse ponto torna fundamental que os funcionários da loja sejam treinados, educados e capacitados para serem embaixadores da marca que proporcionam experiências excepcionais que os clientes desejam. Nosso novo guia "Adaptando o Papel do Funcionário no Ponto de Venda" (em inglês) analisa o papel crítico do funcionário da loja na entrega da promessa de marca do varejista e dicas de como os varejistas omnicanal podem evoluir para atender às mudanças das expectativas do consumidor. A Intenção da Jornada de Compras Uma das primeiras etapas para os varejistas se prepararem para o sucesso é entender a intenção da jornada - o que está levando cada cliente à loja e que experiência eles gostariam de ter ao chegar lá. Igualmente importante é o que os clientes desejam evitar, e é um erro pensar que todos os clientes têm a mesma experiência desejada. É importante para o funcionário da loja entender a jornada do cliente e a abordagem adequada. Os Muitos Chapéus do Novo Funcionário da Loja Não adicionamos ou criamos mais recursos com a fusão de todas essas experiências, mas entregamos mais chapéus aos funcionários da loja. Esses chapéus incluem funções como finalização da venda (checkout), gerenciamento de estoque, agendamento de coleta, gerenciamento de pedidos digitais e da loja, atendimento ao cliente, envolvimento do cliente (customer engagement), pedidos do cliente, gerenciamento de caixa, logística de devoluções, cuidados com segurança/higiene e prevenção de perdas. Capacitar Funcionários para Tornarem-se Jogadores de Alta Performance Então, como os varejistas podem capacitar seus funcionários para tornarem-se jogadores de alta performance e embaixadores de marca? A questão é colocar as ferramentas certas nas mãos dos funcionários. Não podemos esperar que os funcionários jogadores de alta performance sem fazer investimentos para garantir que sejam capazes de fazer todas essas coisas de forma eficiente, eficaz e alinhada com a experiência da marca. Base para o Desempenho Capacitar o novo funcionário da loja para se jogador de alta performance não significa contratar e esquecer. Deve haver processos em vigor, como KPIs, que garantam que os funcionários estejam no caminho certo. Se você não estiver fazendo nada para acompanhar e monitorar se as coisas estão sendo executadas conforme o esperado, você corre o risco da experiência da marca não ser entregue. Também contribui para um ambiente melhor para os funcionários quando eles entendem a motivação do varejista e estão totalmente integrados aos processos. Isso também pode levar a discussões mais criteriosas e benéficas sobre o plano de carreira, aumentando ainda mais a satisfação no trabalho e um melhor desempenho. O Elemento Humano Versus a Experiência de Comércio Eletrônico Até pouco tempo, varejistas investiam na experiência digital para direcionar tráfego para a loja. Agora existe a necessidade de entregar uma experiência diferenciada na loja e integrada com o online. Se o funcionário da loja oferece uma experiência de marca estelar, isso pode levar ao melhor resultado comercial possível. Quem melhor para dar uma recomendação do que um funcionário da loja que conhece as coisas? O elemento humano é muito mais poderoso do que um ícone na lateral da tela. O Papel da Tecnologia As plataformas de tecnologia desempenham um papel no fornecimento de treinamento unificado e monitoramento de desempenho. As soluções Oracle Retail são projetadas para trabalhar em conjunto e fornecer ao associado as ferramentas de que ele precisa para ter sucesso. O Oracle Retail Xstore Point-of-Service capacita a equipe de varejo a fornecer níveis de serviço memoráveis ​​e fortalecer a fidelidade do cliente. A solução fornece aos funcionários da loja uma visibilidade perfeita do estoque, combinando com fluxos de trabalho para fornecer visibilidade que permite aos usuários acessar o estoque de toda a cadeia em todos os canais para atender às necessidades do cliente na entrega, coleta ou remessa. É fácil de aprender e permite que os funcionários se tornem produtivos rapidamente, resultando em um menor custo operacional diário em cada loja. Quer seja utilizada na área de vendas ou no back office, a interface de usuário do Oracle Retail Xstore Point-of-Service é intuitiva, habilitada para dispositivos móveis e eficiente. Os serviços de nuvem do Oracle Retail Customer Engagement geram receita e lucratividade incrementais para as empresas de varejo de hoje. A suíte oferece uma visão de 360 ​​graus de todas as interações do cliente com a marca, incluindo suas compras, preferências e comportamentos. É uma plataforma para conectar todos os sistemas voltados para os clientes e funcionários em tempo real, criando uma base sólida para falar em uma só voz com os clientes e capacitar os funcionários para serem excelentes embaixadores da marca. Acesse o novo guia "Adaptando o Papel do Funcionário no Ponto de Venda" (em inglês) Conheça as soluções Oracle Retail ou solicite uma demonstração exclusiva aqui.

Mais do que nunca, o funcionário da loja no varejo desempenha um papel vital, ou melhor,  muitos papéis em alguns casos. Seu desempenho pode determinar se um cliente se torna leal ao varejista ou se...

Melhores Práticas & Tendências

[Webinar] Clientes no Centro de seu Negócio de Varejo

Em 2020, a pandemia afetou o comportamento social em todo o mundo. À medida que exploramos a anatomia da mudança de comportamento do consumidor, descobrimos que consumidores de todas as idades estão buscando novos modelos de serviço e adotando tecnologia rapidamente. Acima de tudo, os dados da pesquisa anual mostraram que o inventário é essencial e a comunicação é vital. Nada será como antes ou voltaremos ao "velho normal"? Vamos aprender juntos e ao longo do caminho. O fato é que os últimos meses trouxeram grandes mudanças no cenário do varejo, e cada vez mais as soluções tecnológicas avançam para ajudar varejistas a se voltar mais ao cliente e trazer mais agilidade ao negócio. A Oracle Retail convida você a descobrir os aprimoramentos mais recentes em soluções de software. Participe ao vivo e conheça como as tecnologias de nuvem podem ajudar a promover agilidade e desbloquear novas possibilidades. O webinar será apresentado por Jeff Warren, vice-presidente, gerenciamento de soluções e estratégia da Oracle Retail, que compartilhará uma atualização de portfólio apresentando inovações atuais e planejadas. Registre-se aqui: [Webinar] Clientes no Centro de seu Negócio de Varejo Quinta-feira, 7 de janeiro de 2021, às 8h PST Principais pontos a serem abordados: Explore inovações que podem ajudar a aproximar você de seu cliente em todos os canais Descubra como a ciência do varejo pode ajudar a gerar resultados comerciais diferenciados Compreenda o valor de uma plataforma de gestão de mercadorias de varejo centrada no cliente Considere como a precisão dos dados pode aumentar a velocidade para o mercado Após um ano atípico, seguido por uma temporada de vendas de final de ano que não será trivial, nossos melhores votos são que você encontre algum tempo para relaxar, se reconectar e recarregar as baterias. Boas festas e até o webinar ao vivo! Enquanto isso, você pode interessar-se por: Pesquisa: Anatoma da Mudança 2020 Webinar: Farmacias Arrocha (espanhol) Webcast: Omnichannel - Total Wine & More

Em 2020, a pandemia afetou o comportamento social em todo o mundo. À medida que exploramos a anatomia da mudança de comportamento do consumidor, descobrimos que consumidores de todas as idades...

Gestão de Mercadorias

5 Razões pelas quais a Reconciliação Automática de Notas Fiscais deve estar em sua Lista de Desejos de Final de ano

Adaptado para o mercado brasileiro por Thais Oliveira Mudar o status quo das operações financeiras pode ser bastante difícil para um varejista, especialmente quando esses sistemas e rotinas de gestão de mercadorias de varejo já existem e funcionam há anos, até décadas. No entanto, à medida que as organizações buscam áreas nas quais possam melhorar a eficiência, inovar as operações e reduzir custos nestes tempos incertos, alguns processos de longa data se tornam candidatos ideais para automação. A simplificação dos processos financeiros de varejo é mais crítica do que nunca, pois normalmente dependem fortemente da intervenção manual. Depois de planejar, comprar e receber mercadorias, os varejistas devem garantir que os vendedores e fornecedores recebam pagamentos precisos e pontuais pelos produtos recebidos. Os varejistas precisam lidar com grandes volumes de pedidos de compra, recibos e notas fiscais e, com uma equipe limitada, costuma ser um desafio manter o ritmo e ser preciso. Principalmente num mercado dinâmico e num país com distintas regras fiscais como o mercado brasileiro, o correto controle de impostos e custos tem impacto direto na margem. Portanto, para agilizar os processos, os varejistas precisarão de soluções para o mercado de varejo que sejam configuráveis, ágeis e automatizadas para processar notas fiscais com rapidez e precisão, como já adotados pelas Lojas Renner, Dubai Duty Free e 7-Eleven México. Aqui estão cinco razões pelas quais varejistas devem colocar a reconciliação automática de notas fiscais no topo de sua lista de desejos de final de ano: Cumprir a Legislação Fiscal Brasileira Uma solução que possibilite a conciliação de notas fiscais no mercado brasileiro, permite que varejistas recebam mercadorias de forma mais ágil já validando  os impostos e custos antes mesmo da mercadoria chegar no CD ou Loja. Como parte do portfólio de varejo, o Oracle Retail Fiscal Management contempla a movimentação de mercadorias e emissão de NFe de ponta a ponta para varejistas no Brasil. O sistema Oracle Retail localizado para o mercado brasileiro, automatiza e gerencia com eficiência a conciliação, reconciliação e pagamento de notas fiscais de fornecedores, de frete e se necessário o tratamento de nota fiscal complementar. Além disso, pode minimizar o tempo e esforço necessários para gerenciar, rastrear e reconhecer o valor dos acordos comerciais, reembolsos e devoluções de notas fiscais, já enviando ao Financeiro o valor correto a ser pago para o fornecedor considerando todas as movimentações (recebimento, devoluções, cancelamentos, complementos e valores a receber por acordos comerciais como bonificação, rebate, etc) Eliminar a Complexidade Um sistema que elimine a entrada manual de dados e os erros associados será crucial. O mecanismo de correspondência automatizado funciona com dados em tempo real e aplica as políticas corporativas do varejista ao efetuar a correspondência de notas fiscais, pedidos de compra e recibos. Com um sistema automatizado, os varejistas podem definir o nível em que ocorre a reconciliação, de um único pedido de compra a pedidos de compra correspondentes em vários locais ou no nível de estilo, eliminando facilmente complexidades significativas. O valor ganho com devoluções e reembolsos de notas fiscais é calculado automaticamente, mas o reconhecimento financeiro é automatizado, reduzindo a complexidade necessária para realizar os cálculos. Aumentar a Visibilidade Os varejistas precisam de relatórios baseados em dados em tempo real para ajudá-los a tomar decisões claras sem ter que verificar quais pedidos foram faturados e quais não. Essa maior visibilidade fornece aos varejistas uma imagem completa do fluxo de caixa interno e externo de suas empresas. Com um sistema automatizado, as notas fiscais são processadas rapidamente, aumentando a eficiência e eficácia e reduzindo o trabalho manual. Essa capacidade garante que o processo de faturamento seja preciso ao minuto, tendo os detalhes do pedido, incluindo descontos, recibos e notas fiscais fora da fatura. Resolução Automática Os varejistas precisam de um sistema automatizado que se alinhe com a orientação corporativa e configure perfeitamente os parâmetros de correspondência para cumprir as políticas da empresa e os contratos com fornecedores. Uma solução sob medida permite que os varejistas definam qual processo de reconciliação executar para um determinado fornecedor e em que ordem deve ser aplicado. Se houver uma discrepância, a reconciliação de notas fiscais executará automaticamente a única ação definida para resolver a discrepância de forma eficaz. Aumentar a Precisão do Pagamento Discrepâncias de faturamento e suas informações imprecisas podem afetar significativamente os custos de estoque, reduzir as margens e afetar negativamente os relacionamentos com os fornecedores. Com uma solução de software focada para o mercado varejista, é possível executar automaticamente as etapas e ações apropriadas para resolver a discrepâncias, o que será essencial durante a alta temporada de final de ano. Em última análise, a automação de notas fiscais economiza tempo e dinheiro dos varejistas,  especialmente durante a temporada de festas de final de ano. Os varejistas não têm tempo (ou recursos) para se concentrar na correspondência manual de notas fiscais e na resolução de discrepâncias quando podem encontrar o próximo item "obrigatório" para o final do ano ou melhorar a experiência digital de seus clientes. Com o Oracle Retail Fiscal Management, os varejistas podem aumentar a produtividade e a visibilidade, automatizar discrepâncias, simplificar operações e eliminar complexidades na hora certa para a temporada de festas de fim de ano e além. Para saber mais sobre o Oracle Retail Fiscal Management solicite uma reunião com o time de varejo da Oracle Retail Brasil.

Adaptado para o mercado brasileiro por Thais Oliveira Mudar o status quo das operações financeiras pode ser bastante difícil para um varejista, especialmente quando esses sistemas e rotinas de gestão...

Marcas Próprias

Consumidores Compram mais Marcas Próprias e Permanecem Fiel a Varejistas

Durante o COVID-19 o mercado varejista de alimentos viu-se diante de uma nova tendência, a de que os consumidores têm adquirido mais produtos de marcas próprias. Os dados da recente pesquisa da Oracle Retail sobre supermercados reforçam esta tendência e demonstram que este comportamento continuará depois da pandemia. A tecnologia de marcas próprias vem evoluindo mundialmente para trazer mais segurança as decisões dos consumidores. Em outubro deste ano, a Oracle ampliou o escopo de sua solução para gestão de marcas próprias, com a funcionalidade para identificação automática de perigos e avaliação de risco, fornecendo informações necessárias para a tomada de ações corretivas imediatas. O objetivo é prever e prevenir esses problemas antes que eles afetem os consumidores. A pesquisa com consumidores analisou as tendências recentes de comportamento de compra em relação à aquisição na loja, compras online, estocagem e muito mais. Em consequência da escassez de produtos nas prateleiras no início da pandemia, 82% dos consumidores entrevistados disseram que compraram e exploraram uma nova alternativa de marca de loja recentemente. O estudo acrescentou que 32% dos entrevistados “pretendem ficar com as marcas próprias”. Na América Latina este número é ainda mais expressivo, já que 92% dos consumidores pesquisados disseram que continuarão comprando alimentos online no futuro. Os consumidores anteriormente não estavam interessados em experimentar algo novo, foram forçados a diversificar devido à escassez e agora planejam continuar com suas novas descobertas. Isso permite aos varejistas uma oportunidade de aumentar a afinidade da marca com os clientes e, por sua vez, suas margens. O estudo da Oracle Retail sobre supermercados e marcas próprias entrevistou consumidores mundialmente e o relatório em inglês com dados globais pode ser acessado aqui. Em breve lançaremos o relatório da América Latina. Adicionalmente dados relacionados a outros aspectos do varejo no relatório “Anatomia da Mudança: Comportamento do Consumidor no Novo Normal 2020” podem ser acessados nas páginas dos países Brasil, Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, México, Peru, Porto Rico, Venezuela, Estados Unidos. Para saber mais sobre a solução de gestão de marcas próprias, solicite uma reunião com o time de varejo do Brasil.

Durante o COVID-19 o mercado varejista de alimentos viu-se diante de uma nova tendência, a de que os consumidores têm adquirido mais produtos de marcas próprias. Os dados da recente pesquisa da Oracle...

Marcas Próprias

Marcas Próprias: Oracle Retail e FoodChain ID se Unem para Segurança Alimentar

Uma nova plataforma baseada em nuvem foi lançada para ajudar varejistas a avaliar os riscos de segurança alimentar em seus produtos alimentícios de marca própria, mais detalhes neste webinar sob demanda em inglês. A integração com a FoodChain ID transformará a maneira como os varejistas de alimentos identificam e gerenciam os perigos potenciais em seus produtos de marca própria, utilizando dados do HorizonScan, o banco de dados mais abrangente e atualizado do mundo de incidentes emergentes de segurança e qualidade de alimentos. A solução avaliará automaticamente o impacto potencial de cada nova ameaça nos produtos da marca do varejista e fornecerá as informações necessárias para tomar ações corretivas imediatas. O objetivo é prever e prevenir esses problemas antes que eles afetem os consumidores. Os produtos alimentícios de marca privada estão crescendo em popularidade e os varejistas estão procurando uma abordagem eficiente e confiável para identificar potenciais ameaças à segurança alimentar. O banco de dados HorizonScan se conecta com informações de produtos e fornecedores em Oracle Retail Brand Compliance para fornecer uma solução integrada de gestão de marcas próprias para varejistas. Mais de 14.000 Incidentes de Impurezas e Contaminantes Um dos principais componentes das leis de segurança alimentar é que as empresas devem realizar uma avaliação de risco de seus ingredientes e fornecedores para identificar e prevenir possíveis perigos. No entanto, a globalização do fornecimento de ingredientes tornou mais desafiador do que nunca identificar com precisão os mais recentes riscos químicos, biológicos e físicos para cada ingrediente na cadeia de suprimentos da empresa. Novos problemas surgem diariamente: HorizonScan relatou mais de 14.000 incidentes de impurezas e contaminantes da cadeia de abastecimento em 2019, com mais de 3.000 levando a recalls de segurança alimentar. Avaliação de Risco Automatizada Muitos dos principais varejistas de alimentos do mundo gerenciam seus produtos de marca própria usando o Oracle Retail Brand Compliance, então FoodChain ID abordou a Oracle e mostrou a eles no que eles estavam trabalhando. A avaliação de risco automatizada oferece vantagens para as empresas de alimentos: Escopo: milhares de ameaças anuais à segurança dos alimentos são identificadas e analisadas à medida que surgem. Velocidade: varejistas e fabricantes de alimentos serão capazes de reagir a novas ameaças quase imediatamente. Eficiência: a automação reduzirá a necessidade de capital humano e esforços manuais da equipe de qualidade, permitindo que eles se concentrem no gerenciamento das questões mais críticas que ameaçam a segurança e a qualidade de seus produtos. E este é apenas o começo e, em última análise, outros dados podem ser incorporados ao sistema de automação, como mudanças regulatórias, requisitos de rotulagem, preços de commodities e muito mais. Assista ao webinar sob demanda em inglês ou solicite reunião com o time de varejo do Brasil.

Uma nova plataforma baseada em nuvem foi lançada para ajudar varejistas a avaliar os riscos de segurança alimentar em seus produtos alimentícios de marca própria, mais detalhes neste webinar sob...

Clientes e Casos de Sucesso

Enfoque Omnicanal para Aumentar a Fidelidade dos Clientes de Varejista de Vinhos Finos

A Total Wine & More, maior varejista independente de vinhos finos dos Estados Unidos, tem uma maneira única de atender seus clientes. Além de ser um mix entre supermercado e loja especializada, a empresa se destaca pela oferta de serviços de recomendação e organização de aulas de degustação de vinhos para clientes VIP em suas 225 lojas em 25 estados americanos, fazendo com que seus clientes se sintam parte da comunidade local. Quando o COVID-19 chegou, operação da Total Wine foi considerada essencial no mercado americano e a maioria de suas lojas permaneceu aberta, mas a varejista percebeu que a experiência do cliente precisava mudar rapidamente para se adaptar ao novo normal. Neste momento, os planos de diversificação de canais foram acelerados para possibilitar mais opções de entrega, como por exemplo “entrega da calçada” (curbside pickup), através da modernização da estrutura e do conhecimento dos clientes potencializado pela tecnologia. Matt Kirkpatrick, Diretor de Sistemas de Marketing da Total Wine & More, compartilhou detalhes sobre esta estratégia neste webinar em inglês. Relevância, Fidelidade e Agilidade Para a Total Wine o blend mais famoso para enfrentar estes momentos de incerteza é composto por relevância, fidelidade e agilidade. Os clientes da Total Wine realmente esperam interação em tempo real, uma experiência personalizada e rapidez nas distintas opções de entrega. Os funcionários de loja precisam saber quais ofertas estão disponíveis no momento e que são relevantes para aquele determinado cliente. Além disso, a empresa gerencia milhões de transações e mais de 50% delas estão associadas com clientes do programa de fidelidade. As dados provenientes do programa possibilitam a varejista mover-se rápido ao redor das expectativas dos consumidores com decisões baseadas em informação. Com o COVID, esta capacidade tornou-se ainda mais crucial, ajudando a replanejar o negócio e adequá-lo ao novo comportamento do consumidor. A tecnologia também proporciona mais agilidade nos momentos de vendas de pico, como as festas de final de ano. O planejamento é efetuado e rapidamente revisado em novembro e passa por pequenos ajustes em dezembro com o objetivo de proteger aos clientes e mantê-los seguros principalmente devido a pandemia. Combinando relevância, fidelidade e agilidade, a Total Wine agora consegue oferecer ao cliente o vinho da uva de sua preferência, por exemplo. Antes de implementar as soluções de omnicanalidade Oracle Retail Xstore e o Oracle Retail Customer Engagement, as campanhas promocionais eram baseadas em cupons de ofertas, principalmente em cupons de vinho com eventuais ofertas de cerveja. As estratégias de inovação da Total Wine não param por aí. Durante o webinar, foram mencionados os planos de continuar crescendo a base de clientes do programa de fidelidade focando na personalização, e os esforços para voltar a atrair o consumidor para a loja, que agora está mais segura e digitalizada. Para saber mais sobre como a Oracle Retail pode ajudar a potencializar a experiência de compra, solicite uma reunião com o time de varejo do Brasil.

A Total Wine & More, maior varejista independente de vinhos finos dos Estados Unidos, tem uma maneira única de atender seus clientes. Além de ser um mix entre supermercado e loja especializada, a...

PDV/POS hardware e software

Agilidade na Loja com PDV Flexível para Varejo

Com um ano tão atípico para o mercado varejista, os protocolos de segurança demonstrados pelos varejistas têm parecido demonstrar resultado junto aos consumidores, uma vez que 65% informaram ter efetuado a compra de um item não essencial na loja desde a reabertura e metade dos consumidores relatou que seus hábitos de compra permanecerão os mesmos. Essa tendência inclui 64% dos baby boomers (entre 60 e 80 anos), de acordo com nossa mais recente pesquisa. Se por um lado consumidores estão dispostos a ir as lojas, a experiência que esperam não é a mesma, uma vez que 71% dizem que a velocidade do serviço, a experiência de finalização da compra e as opções de entrega são importantes para manterem-se fiel a um varejista, o que vale também para compras online. Mais Agilidade para Diferenciação Varejistas têm buscado cada vez mais diferenciação na experiência que oferecem em seus pontos de contato com o cliente, e a agilidade na implementação das inovações importa cada vez mais para atrair consumidores extremamente preocupados com segurança e distanciamento social. Para alguns varejistas esta agilidade pode ser um modelo de loja totalmente móvel, para outros o talvez seja distribuir mais PDVs fixos dentro das lojas para agilizar o atendimento, ou simplesmente a combinação de ambos. Para isso, cada vez mais as soluções de tecnologia têm avançado e possibilitado a implementação dos mais distintos modelos de experiência de compra. Soluções integradas para o ponto de venda proporcionam menor tempo de implementação, consistência entre interfaces, recursos e funcionalidades, garantindo uma experiência perfeita tanto para o consumidor como para o vendedor da loja. A suíte omnicanal da Oracle Retail oferece aos varejistas inúmeros benefícios, como implementação mais rápida, custo total de propriedade (TCO) mais baixo e experiência consistente do usuário e proteção de investimento que aceite atualizações futuras. Por exemplo, usando um tablet móvel com Oracle Retail Xstore Point-of-Service, o vendedor de loja consegue direcionar o consumidor para o produto buscado, ou encontrar onde há estoque disponível e finaliza a transação no próprio departamento. Uma experiência perfeita e conveniente tanto para o consumidor como para o vendedor.  Farmácias Arrocha: Caso Prático de Melhoria de Experiência na Loja Conheça a experiência apresentada pelos executivos das Farmacias Arrocha (idioma: espanhol). Com mais de 80 anos de presença no mercado, a Farmacias Arrocha, líder em vendas de medicamentos, cosméticos e produtos especializados, identificou a necessidade de aproximar-se do cliente. Assim iniciou seu processo de transformação da experiência de compra através da implantação do PDV de varejo para simplificar as transações e dar mais agilidade ao atendimento nas lojas e do Customer Engagement para obter conhecimento mais amplo de seus clientes. Que tal conhecer mais sobre os produtos para loja da Oracle Retail? Solicite uma reunião exclusiva com o time de varejo.

Com um ano tão atípico para o mercado varejista, os protocolos de segurança demonstrados pelos varejistas têm parecido demonstrar resultado junto aos consumidores, uma vez que 65% informaram...

Lojas e Customer Engagement

Aquisição e Retenção de Clientes de Forma Lucrativa no Varejo

Com as mudanças de consumo devido a pandemia, os consumidores exigem uma experiência bastante relevante, personalizada e consistente em todos os canais. Os custos de aquisição de clientes atingem o nível mais alto de todos os tempos, e basta uma única experiência ruim para perder um cliente conquistado a duras penas. No entanto, os varejistas enfrentam o desafio de distinguir as experiências dos clientes no exato momento em que precisam, sem ter uma sólida compreensão de quem são seus clientes e o que eles desejam. Na situação atual, os clientes também estão recorrendo às marcas que conhecem e em que confiam para mantê-los protegidos e proporcionar uma sensação de normalidade conforme passamos para a próxima nova etapa. O caminho para experiências genuínas Trabalhando com varejistas de todo o mundo, nossos especialistas selecionaram cinco maneiras de desenvolver relacionamentos duradouros e como estimular a fidelidade do cliente, compreendendo completamente o cliente e capacitando o vendedor da loja: Compreensão completa do cliente: varejistas precisam saber tudo o que puderem sobre seus clientes. O que eles compraram, o que e por que devolveram, a próxima data do pedido de compra, o valor da vida útil, o que o varejista achar importante saber, as paixões dos clientes.  Experiências de loja com mais autonomia para clientes e vendedores da loja: informações precisam estar nas mãos de todos na empresa para que elas criem uma experiência de compra personalizada antes que os consumidores interajam com a marca. Fidelidade do cliente que conduz frequência e comportamentos: gerentes de marketing de varejo podem usar essas informações para criar programas avançados de fidelidade, gamificação e comunidades VIP.  Campanhas e ofertas personalizadas em tempo real: os principais varejistas personalizam suas campanhas e ofertas surpreendentes, relevantes e úteis para o cliente para fazê-lo se sentir especial.  Gestão de audiência: É uma boa prática priorizar o indivíduo, mas as plataformas omnicanal precisam ser dimensionadas para que os varejistas consolidem, limpem e organizem os dados do cliente, como informações de contato e histórico de compras em todos os canais.   Experiências reais Essas estratégias não são apenas conceitos abstratos, mas são estratégias que os varejistas vencedores já estão adotando. Clique para assistir ou ler mais sobre experiências reais: Impuls México Sirve Mejor al Cliente con Tecnología Omnicanal Farmacias Arrocha Mejora la Experiencia de Compra en la Tienda How Total Wine is Recharging Loyalty with an Omnichannel Focus eBook Customer Engagement: Fidelidade Sob Nova Perspectiva   Então, como executar? Hoje, os clientes têm mais opções e informações do que nunca, por outro lado a tecnologia tem avançado para ajudar varejistas não apenas a compreender e atender às demandas de seus clientes, mas também para envolvê-los a gerar fidelidade a longo prazo – e tudo isso começa com a compreensão do mercado alvo por meio de dados.  O Oracle Retail Customer Engagement ajuda a capturar, organizar e analisar as ações e informações dos clientes e a agilidade para atingir e alcançá-los em tempo real. O apresenta uma única visualização integral dos clientes em tempo real para todos os pontos de interação em toda a empresa, capacita os varejistas para que ofereçam experiências de compras superiores e fidelizem os clientes. Que tal conhecer mais sobre o Oracle Retail Customer Engagement? Solicite uma reunião exclusiva com os especialistas da Oracle Retail.

Com as mudanças de consumo devido a pandemia, os consumidores exigem uma experiência bastante relevante, personalizada e consistente em todos os canais. Os custos de aquisição de clientes atingem o...

Clientes e Casos de Sucesso

Webinar: Farmácias Arrocha Melhora a Experiência de Compra na Loja

A série de webcast Keeping it Retail tem o prazer de dar as boas-vindas às Farmacias Arrocha. Com mais de 80 anos de presença no mercado, a Farmacias Arrocha, líder em vendas de medicamentos, cosméticos e produtos especializados, identificou a necessidade de se aproximar do cliente. E assim se iniciou o processo de transformação da experiência de compra por meio da implantação do PDV varejo para simplificar as transações e dar mais agilidade ao atendimento nas lojas. Para complementar esta estratégia, o retalhista sabia que era necessário ter um conhecimento mais alargado dos seus clientes e também implementou o Engajamento com o Cliente. Convidamos você a conhecer a experiência de Farmácias Arrocha, implementadas por Retail Consult - idioma do webinar: espanhol. O que é o PDV de varejo? Um sistema POS de varejo apaga a linha entre os mundos digital e físico. Ao capacitar os funcionários com tecnologia e visibilidade em tempo real do estoque, histórico de compras, pesquisas online e abandono de carrinhos de compras, os funcionários podem não apenas garantir a venda por meio de recursos de corredor infinito, mas também eles podem aumentar o tamanho do carrinho de compras e equalizar as vendas na loja. Sobre o Customer Engagement O Customer Engagement é um conjunto de serviços projetado para gerar receita e lucratividade incrementais para os negócios de varejo de hoje por meio da fidelidade do cliente, aumentar o gasto médio e impulsionar compras repetidas. Este conjunto de recursos fornece as ferramentas e percepções estratégicas para concentrar os investimentos em marketing em segmentos de clientes de alto potencial e informar melhor a tomada de decisões em áreas críticas de marketing e operações. Para conhecer a experiência da Farmacias Arrocha com essas soluções, registre-se aqui para o webcast ao vivo ou solicite uma reunião exclusiva para saber mais sobre soluções para varejo.

A série de webcast Keeping it Retail tem o prazer de dar as boas-vindas às Farmacias Arrocha. Com mais de 80 anos de presença no mercado, a Farmacias Arrocha, líder em vendas de medicamentos,...

Melhores Práticas & Tendências

Utilizando Machine Learning para Atender a Demanda Desconhecida

A atual crise de saúde afetou 2020 e trouxe desafios com os quais muitos nem sequer sonhavam no início deste ano. No setor de supermercados, os desafios têm sido especialmente difíceis, pois os consumidores modificaram os padrões normais de compras semanais e passaram a estocar certos itens ou a utilizar as opções de entrega de mercadorias e compra on-line com retirada na loja (BOPIS*). Como os consumidores escolheram novos caminhos, os varejistas tiveram que mudar a tecnologia e práticas adotadas para acompanhar a mudança inédita de comportamento. Observou-se novos procedimentos operacionais em todos os aspectos – inclusive mão de obra, compra, previsão e merchandising – e o resultado final foi impactado; assim, as margens de varejo abalaram todo o setor e apagaram as melhores práticas que haviam sido construídas ao longo dos anos. Para os CFOs de varejo, a reflexão sobre os últimos seis meses provavelmente levou à compreensão de que deve-se fazer adaptações estratégicas para reagir rapidamente e compensar o aumento dos custos, continuando a fornecer o serviço que o consumidor espera. Varejistas Estão Acumulando Muito Estoque A típica jornada de compras semanal que a maioria dos consumidores fazia foi completamente aniquilada. Alguns deixaram de ir presencialmente às lojas e optaram pela entrega de produtos ou pelo BOPIS, outros continuaram a ir às compras, mas vão à loja com menos frequência e costumam comprar mais coisas quando o fazem. Mesmo após sete meses do início da crise de saúde, ainda vemos escassez e falta de estoque de itens básicos, como artigos de papel, produtos de limpeza e itens de higiene, levando os consumidores a estocar itens quando estão disponíveis.  Esses novos hábitos de consumo continuaram a pressionar bastante a cadeia de suprimentos. Os varejistas tiveram que comprar estoque adicional, forçando-os a carregar o custo nos balanços por mais tempo, para evitar escassez sempre que possível. Tradicionalmente, as margens dos supermercados baseiam-se na alta rotatividade do estoque; portanto, os supermercadistas costumam vender produtos a preços de varejo antes de pagar a conta ao fornecedor atacadista. Com a mudança para a pré-compra corroendo as margens tradicionais, os supermercadistas foram forçados a pagar pelo estoque bem antes de ele ser vendido ou mesmo entregue e carregar esse custo até que as mercadorias cheguem ao carrinho do cliente, provavelmente meses depois. Consequentemente, financiar a cadeia de suprimentos nunca foi tão desafiador. Falta de Estoque Resulta em Rotatividade de Clientes Muitos varejistas ainda estão tentando entender qual é a quantidade de estoque é necessária. Os problemas de falta de estoque muitas vezes resultam em consumidores insatisfeitos, provavelmente reduzindo ainda mais as margens e aumentando a rotatividade de clientes. Quando os compradores não encontram a marca preferida, escolhem uma opção diferente ou acessam a Internet para tentar encontrar exatamente o que querem. Se o comprador decide comprar a marca da loja, isso pode ter um impacto misto para o varejista, oferecendo uma margem mais alta e preservando a tendência da categoria. Essencialmente, além de representar uma oportunidade perdida para os varejistas, a demanda não atendida em decorrência da falta de estoque da categoria representa uma perda muito maior: os compradores que se deparam com corredores vazios podem procurar outro lugar não apenas para os itens fora de estoque, mas para encherem seus carrinhos. Isso elimina a possibilidade de receita e talvez esses clientes nunca mais retornem à loja, resultando em uma perda imensurável de receitas futuras. Pílula Mágica do Machine Learning Com a imensa quantidade de mudanças nos últimos seis meses, muitos CFOs ficaram se perguntando qual será o futuro do setor. Embora o planejamento de estoque geralmente incorpore aprendizados de anos anteriores, 2020 deixou muitas empresas sem um roteiro a ser seguido. Uma mudança que será uma vantagem benéfica nos próximos anos é a adoção mais ampla do machine learning (ML) para otimização de estoque. Muitos varejistas implementaram o ML que simula e prevê possíveis estratégias de estoque e, em seguida, usa os resultados para identificar situações e parâmetros de estoque ideais, eliminando a necessidade de tentativa manual e erro. Isso permite que os varejistas reajam em tempo real aos problemas e desafios que surgirem e adaptem sua estratégia para permitir a máxima eficiência da cadeia de suprimentos, melhor previsão e alocação. O ML também pode ajudar no aumento da popularidade de serviços como o BOPIS. Ajudando a identificar horários com maior número de coletas, falta de estoque de produtos, problemas com funcionários e muito mais, o ML ajuda os varejistas não apenas a fornecer um serviço BOPIS melhor, mas também a proporcionar uma experiência melhor para todos os compradores, liberando recursos. O uso de tecnologias como o reconhecimento de placas de veículos quando os carros chegam, a separação de vários pedidos e as atualizações de estoque em tempo real permitem uma experiência mais rápida, simples e aprimorada para os consumidores. Daqui a seis meses, será mais difícil do que nunca para os CFOs preverem como se comportará o setor de alimentos, e também como o mundo estará. Ao utilizar o ML, os CFOs ficarão mais bem preparados para gerenciar o fluxo de caixa, determinar o impacto do estoque no balanço patrimonial e, por fim, proteger as receitas. Embora não consigam prever o futuro, os CFOs podem estar melhor preparados para o amanhã, utilizando os aprendizados e os insights de hoje. Saiba como as soluções da Oracle Retail ajudam os varejistas a equilibrar a necessidade de análises avançadas de varejo e ciência do varejo sem incorrer na sobrecarga significativa de inteligência artificial e cientistas de dados.   * BOPIS – Buy Online, Pickup in Store - Comprar online, Retirar na loja

A atual crise de saúde afetou 2020 e trouxe desafios com os quais muitos nem sequer sonhavam no início deste ano. No setor de supermercados, os desafios têm sido especialmente difíceis, pois os...

Melhores Práticas & Tendências

Como Será o Final do Ano para Varejistas no Brasil? Consumidores Discutem Planos de Compras

Pesquisa da Oracle Retail com 510 compradores brasileiros mostra que quase 43% planejam gastar o mesmo ou mais em presentes este ano Embora a pandemia tenha causado um aumento nas compras online, uma nova pesquisa da Oracle Retail mostra que muitos clientes estão prontos para se aventurar de volta às lojas nesta temporada de férias. Quatorze por cento dos compradores pesquisados ​​planejam fazer a maior parte de suas compras na loja, com 47% planejando dividir as compras online e físicas. Ainda outros 9% planejam retirar suas compras via click-and-collect ou na calçada tipo drive-thru. Apesar do ano desafiador, 43% dos consumidores esperam gastar o mesmo ou mais nas compras de Natal do que no ano passado. Os clientes, no entanto, não querem lidar com o incômodo das devoluções. Enquanto no ano passado 87% dos consumidores da América Latina planejavam fazer pelo menos uma devolução, neste ano esse número caiu para apenas 45% para o Brasil. “O final do ano promete testar a capacidade do varejista de atender aos clientes como e onde desejam comprar”, disse Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail. “Com os clientes comprando on-line e na loja física, e aproveitando as novas opções de retirada de suas compras, varejistas terão que usar todas as suas armas para atender às expectativas do cliente em um ambiente já difícil.” A pesquisa entrevistou 510 consumidores no Brasil, junto com milhares de outros nos Estados Unidos, Austrália, China, México, Itália, França, Alemanha e Emirados Árabes Unidos em setembro de 2020 sobre seus hábitos e planos de compras durante a pandemia do COVID-19 para as festas de fim de ano. Você pode baixar uma cópia gratuita do relatório em inglès e com dados globais aqui, em breve o relatório em português será disponibilizado. Lista de presentes de Natal Com as viagens limitadas e o desejo de evitar devoluções, não foi surpresa ver os vale-presentes como um das três principais opções de Natal neste ano. Aqui está o que os consumidores disseram que planejam gastar mais neste ano: 57% - vestuário e necessidades; 42% - eletrônicos; 24% - cartões-presente; 14% - artigos esportivos / hobbies; 9% - artigos de luxo (bolsas, moda e joias). “Com mais consumidores evitando devoluções, o resgate de vale-presentes será a próxima grande oportunidade para os varejistas envolverem os clientes e estenderem as vendas após o feriado”, observou Webster. Sem estoque, sem sorte A falta de estoque e atrasos inesperados serão as principais maneiras dos varejistas entrarem na lista deste ano. 35% dos entrevistados disseram que mercadorias fora de estoque e 56% que funcionários despreparados estavam no topo da lista do que poderia causar uma experiência de compra ruim. 75% disseram que não gostariam de esperar que um item voltasse ao estoque antes de tentar outra marca. “Na pandemia, o estoque de muitos varejistas nas lojas foi totalmente esgotado”, acrescentou Webster. “Durante as férias, será fundamental que os varejistas abasteçam as prateleiras e utilizem suas lojas físicas tanto para atender aos clientes quanto como centros de distribuição para lidar com pedidos online e enviar as remessas rapidamente”. Shoppings vivem, mas as precauções de segurança e máscaras são cruciais Embora tenha havido muita discussão sobre como os shoppings se sairão na pandemia, os clientes não estavam preocupados com a local, desde que as devidas precauções de segurança estivessem em vigor. 12% dos consumidores se sentem mais seguros em um shopping interno; 27% em estabelecimentos comerciais ao ar livre; e 61% estavam satisfeitos com as precauções de segurança adequadas; 92% disseram que era importante ver funcionários e outros clientes usando máscaras; 94% disseram que era importante ver os esforços de limpeza visíveis; 74% dos compradores observaram que o checkout sem contato era importante; 86% apontaram os níveis de ocupação reduzidos nas lojas como chave; 35% dos compradores também disseram que a falta de distanciamento social faria com que tivessem uma experiência de compra ruim. Consumidores se socializam com novas marcas Como os consumidores passaram mais tempo comprando online durante o COVID-19, a pesquisa constatou que 34% descobriram novas marcas nas redes sociais. Este é um sinal claro para os varejistas de que o aumento da publicidade social neste período de festas pode impactar as vendas. 72% desses consumidores descobriram uma nova marca via Instagram; 69% via Facebook; 60% via YouTube; 13% via TikTok. O pesadelo da entrega antes do Natal Enquanto varejistas experimentam opções alternativas de recuperação, a entrega em domicílio ainda é a principal escolha entre os consumidores. Isso pode representar um pesadelo para a entrega, pois o tempo de envio será naturalmente estendido devido ao volume. Para aliviar a ansiedade, 91% dos consumidores disseram que atualizações em tempo real sobre a localização do item durante o processo de entrega são importantes. Veja como os compradores planejam recuperar suas compras online: 76% dos entrevistados preferem entrega em domicílio; 15% irão comprar online e retirar na loja; 9% irão comprar online e retirar por meio do clique e retire pelo sistema drive-thru. “Todos os pais que aguardam a chegada do presente de Natal de seus filhos vão atestar que a transparência dos varejistas é uma necessidade absoluta”, observou Webster. “As marcas precisam ter sistemas para se comunicar com os clientes em cada etapa do processo - do pedido à entrega”. Convertendo-se de buscador para comprador Ao fazer compras online ou na loja, os consumidores citaram estes motivos para converter-se de buscador para comprador: 71% um ótimo preço; 51% de ofertas ou descontos especiais (como compre um e ganhe outro grátis); 35% de disponibilidade imediata e entrega rápida. Baixe aqui o relatório completo com dados globais e em inglês. O relatório exclusivo em português será disponibilizado em breve.

Pesquisa da Oracle Retail com 510 compradores brasileiros mostra que quase 43% planejam gastar o mesmo ou mais em presentes este ano Embora a pandemia tenha causado um aumento nas compras online, uma...

Clientes e Casos de Sucesso

C&A México se Mantém na Tendência com a Oracle

Renomado varejista de moda moderniza as operações mexicanas para acompanhar as coleções de moda sazonais e encantar clientes A C&A México está transformando digitalmente as operações de suas 75 lojas e correlacionando centros de distribuição com Oracle Retail. Desde o planejamento até a cadeia de suprimentos, execução de vendas e relatórios, as soluções de previsão e gestão de mercadorias da Oracle estão ajudando a C&A a melhorar a precisão, eficiência, relatórios e apoiar seu objetivo corporativo de modernização. Com a Oracle, a C&A México pode movimentar grandes quantidades de estoque com mais rapidez, exibir novas coleções rapidamente e trazer ofertas de mercadorias em constante evolução aos clientes. “A C&A México precisava modernizar nossa operação de varejo na loja, no mercado e nos canais digitais para se manter competitiva e atender nossos clientes”, disse Alberto Ibarra, CIO da C&A México. “Conforme avaliamos nossa infraestrutura e metas corporativas, sabíamos que precisávamos de uma transparência mais granular para direcionar a precisão do inventário para o negócio. As soluções Oracle Retail podem fornecer os detalhes e a escala de que necessitamos e ajudar a garantir que estejamos constantemente oferecendo aos nossos clientes novos estoques e ofertas que os fazem voltar”. A C&A México deu início à transformação com Oracle Retail Merchandise Financial Planning para alinhar os planos financeiros com seus orçamentos sazonais de open-to-buy. A C&A adicionou o Oracle Retail Warehouse Management para suportar operações complexas de atendimento, melhorar o estoque e a precisão da remessa e obter visibilidade total do estoque - do centro de distribuição à prateleira da loja. O Oracle Retail Demand Forecasting também está sendo utilizado para oferecer suporte a um modelo push and pull de gestão da cadeia de suprimentos por meio de melhor antecipação da demanda do cliente. Na fase final, a C&A México implementou o Oracle Retail Merchandising System e o Oracle Retail Allocation para estabelecer uma base de crescimento e execução. “A indústria da moda é sazonal e a necessidade de disciplina no planejamento, gestão de mercadorias e otimização da cadeia de suprimentos para atender às expectativas do cliente é crítica”, disse Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail. “Ao implementar uma plataforma de varejo moderna, a C&A México está mais bem equipada para reagir ao mercado e mudar os hábitos de consumo, como os que vimos durante a pandemia.” O projeto teve uma abordagem de três fases e começou há quatro anos. Membro da Oracle PartnerNetwork (OPN), a Logic Information Systems, implementou todas as soluções. A Logic Information Systems é conhecida por sua comprovada experiência no mercado global de varejo e presença local na América Latina. Ao longo de cada fase, a C&A trabalhou em estreita colaboração com a Oracle e a Logic para estabelecer um método de rápida implementação, treinamento e adoção para acelerar o tempo de obtenção de valor e minimizar a interrupção dos negócios. “Quando começamos a implementação, a C&A México estava aproveitando um sistema legado de 12 anos, vários processos manuais e fontes de dados desconexas. Com cada fase da implementação, aplicamos os aprendizados à próxima para melhorar a adoção e o treinamento”, disse Amber Navqi, presidente, Logic Information Systems. “Estamos orgulhosos de fazer parceria com a C&A México nessa transformação digital.” Solicite uma demonstração sobre gestão de mercadorias envie um email ou através do link.  

Renomado varejista de moda moderniza as operações mexicanas para acompanhar as coleções de moda sazonais e encantar clientes A C&A México está transformando digitalmente as operações de suas 75 lojas e...

Clientes e Casos de Sucesso

Ciência de Dados Ajuda Varejista Especializado HomeChoice a Planejar e Atender Melhor aos Clientes

Varejista sul-africano remodela processos de planejamento de estoque com Oracle Retail Cloud para aumentar a eficiência e melhorar vendas A HomeChoice Holdings Limited, um dos maiores varejistas de artigos para casa casa e provedor de financiamento da África do Sul, implantou soluções de planejamento e otimização da Oracle Retail para gerar mais vendas e aprimorar a experiência do cliente. Com a ciência de dados integrada, as soluções de varejo fornecem à HomeChoice uma compreensão mais holística de como os consumidores interagem com a marca para tomar melhores decisões de compra e entregar ofertas mais relevantes aos clientes. “Adotamos uma abordagem top-down e ganhamos percepção e velocidade em todos os níveis do plano com a Oracle Retail. Nosso tempo de resposta é muito mais rápido agora devido aos dados transparentes e precisos”, disse Samantha Jefferies, chefe de planejamento da HomeChoice Holdings Limited. “A implementação mudou fundamentalmente a propriedade do plano para nossas equipes. Os planejadores agora são responsáveis desde o custo até a venda do estoque. Com o acesso multiusuário, reconciliamos o plano entre os grupos, ganhamos transparência, melhoramos a colaboração e eliminamos erros manuais.” Com a nova tecnologia, a HomeChoice pode agrupar ofertas para fornecer aos clientes uma experiência de compra mais completa. Por exemplo, um consumidor pode estar buscando jogo de cama. HomeChoice pode oferecer diferentes variações, incluindo um conjunto padrão ou incluir cortinas, travesseiros e mantas para completar a coleção. A experiência do consumidor é melhorada e o varejista pode planejar e alinhar a demanda nos bastidores levando em consideração os itens relacionados. “Com a crise global de saúde, a África do Sul enfrentou um lockdown rígido. A equipe da Cognira não perdeu o ritmo. Nossas equipes trabalharam bem juntas e adaptaram nossos cronogramas para levar em conta as mudanças no ambiente de trabalho, permanecendo dentro do orçamento”, disse Adriaan Smit, gerente de produto - logística, distribuição e gestão de mercadorias da HomeChoice Holdings Limited. Trabalhando com Cognira, membro do Oracle PartnerNetwork (OPN), a equipe da HomeChoice implementou as soluções de planejamento e otimização de estoque da Oracle em sete meses. As equipes rapidamente mudaram para um ambiente remoto para manter a continuidade com a equipe Cognira. A HomeChoice manteve o foco no gerenciamento de mudanças e no treinamento durante a implementação do Oracle Retail Merchandise Financial Planning Cloud Service e do Oracle Retail Assortment and Item Planning Cloud Service. O envolvimento contínuo dos usuários no processo continuará a fornecer uma transição suave à medida que a HomeChoice implanta Oracle Retail Price Optimization e do Oracle Retail Science Platform Cloud Service. A Cognira também fez parceria com Orvis, Groupe Dynamite e IDKids para implementar as soluções. “Estamos honrados em colaborar com a HomeChoice e esperamos seu sucesso contínuo enquanto a equipe desenvolve ciência e serviços adicionais. Sua capacidade de se mobilizar rapidamente com nosso serviço em nuvem reflete a urgência que os varejistas globais sentem em entregar valor”, disse Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail. Equipes de compras e de planejamento de varejo aproveitam as soluções de planejamento e otimização do Oracle Retail para maximizar vendas, margem e estoque em jornadas omnichannel. Solicite uma reunião exclusiva aqui para saber mais sobre planejamento e otimização para varejo. Envie um email ou solicite via link.

Varejista sul-africano remodela processos de planejamento de estoque com Oracle Retail Cloud para aumentar a eficiência e melhorar vendas A HomeChoice Holdings Limited, um dos maiores varejistas...

PDV/POS hardware e software

3 Oportunidades de PDV de Varejo Móvel e Como Maximizar seu Potencial

Em quase todos os setores, a tecnologia proporciona uma experiência mais integrada - talvez mais ainda no varejo. À medida que novas e necessárias jornadas de consumo emergem, culturas e processos estão mudando para garantir que funcionários e consumidores se sintam seguros. O Novo Normal apresenta desafios para entrega e interação. Acreditamos que a adoção estratégica da tecnologia móvel ajuda a atender o consumidor no ponto de intenção e interação. Para garantir os melhores resultados, os varejistas devem desenvolver uma estratégia robusta que englobe tecnologia, operações de loja, treinamento de equipe e muito mais. Para os varejistas que estão considerando mudar para um ponto de venda (PDV) móvel ou híbrido para oferecer suporte a estratégias novas ou em mudança, saber por onde começar pode ser o maior desafio. Além do mais, quando os varejistas mudam para a tecnologia móvel, a transição nem sempre é perfeita. Em nosso guia – em inglês - examinamos imprevistos sob a perspectiva corporativa, cultura, equipe e operações de loja. Considere estes contratempos da vida real: Oportunidade #1: Equipe Habilitada para Tecnologia Móvel Um varejista que deseja usar a tecnologia móvel para se conectar com os clientes pode colocar um tablet nas mãos de cada funcionário. Os varejistas devem considerar as realidades táticas de suas lojas e ajustar a equipe de acordo. Se eles orçaram apenas dois funcionários na loja por vez, isso significa que enquanto um atende os clientes, o outro fica sentado no caixa e mantém os olhos na saída para garantir que nenhum item não comprado saia pela porta. Substituir os registros tradicionais e atribuir a todos as tarefas de vendas pode significar que os funcionários precisam ser treinados novamente para mudar um pouco seu comportamento, prestar mais atenção a um possível roubo ao atender com clientes ou até mesmo designar um funcionário específico para estar ciente de ameaças potenciais. O que considerar: antes de fazer uma mudança significativa, é essencial considerar o impacto potencial em tudo, desde a equipe até o serviço, incluindo possíveis efeitos em cascata. Ter uma visão mais ampla das implicações de uma mudança para o PDV móvel, ou outras mudanças, ajudará os varejistas a tomarem decisões estratégicas. Oportunidade #2: Dispositivos Móveis para Apoiar a Jornada Em negócios de varejo como joalheria, os funcionários da loja podem ficar com um único cliente até o pagamento e finalização da compra. Embora um dispositivo móvel possa capacitar os funcionários, também pode se tornar um obstáculo dependendo da jornada do consumidor. Quando o funcionário vai até o fundo da loja para finalizar uma compra ou precisa de ajuda, ele pode deixar o dispositivo de lado, geralmente onde antes ficava uma caixa registradora tradicional, fechando a jornada. O que considerar: no início da jornada para dispositivos móveis, os varejistas devem considerar como os funcionários interagem com os clientes. Os funcionários são treinados para fornecer aos clientes a experiência mais tranquila possível, mesmo que isso signifique não usar os recursos móveis ao máximo se o dispositivo ficar entre o funcionário e o cliente. Há um tempo e um lugar para vendas de dispositivos fixos e móveis. Encontre o equilíbrio em sua experiência de marca. Oportunidade #3: Eliminando Filas Conforme os consumidores adotam o modelo BORIS (comprar online, devolver na loja) ou BORC (comprar online, devolver na calçada) e se dirigem à loja para devolver compras online, os varejistas devem equilibrar o tráfego de devoluções e novas compras. Em uma fila de seis clientes, cinco podem estar fazendo devoluções, enquanto um espera no fundo com um item em um cabide, pronto para fazer uma compra. Na agitação do tratamento de devoluções, os funcionários da loja podem perder de vista um dos casos de uso mais proeminentes dos dispositivos móveis – eliminar filas no caixa. O que considerar: os varejistas devem considerar a possibilidade de cenários desafiadores e requisitos de distanciamento social em suas lojas. As empresas precisam planejar a flexibilidade, para que os funcionários tenham as ferramentas de que precisam para resolver os desafios rapidamente - como manter as devoluções em um local fixo enquanto localiza e atende, usando o dispositivo móvel, os que estão esperando para fazer uma compra. Felizmente, nem toda jornada de PDV de varejo móvel será como essas histórias. Com muito planejamento e consideração, a estratégia certa e a tecnologia certa para o trabalho em questão, as soluções de ponto de venda móvel podem melhorar a experiência na loja, capacitar os funcionários e criar conexões mais significativas ao longo do caminho. Assim como cada varejista é diferente, as demandas operacionais e necessidades tecnológicas de cada marca também o são. Embora não haja uma solução única para todos que defina a experiência do funcionário e do cliente (marca) em cada varejista, nosso guia o ajudará a concretizar sua visão em relação a uma estratégia de PDV móvel. Clique aqui e acesse – em inglês.

Em quase todos os setores, a tecnologia proporciona uma experiência mais integrada - talvez mais ainda no varejo. À medida que novas e necessárias jornadas de consumo emergem, culturas e processos...

Cadeia de Abastecimento

Investindo em Inovação para Gestão de Marcas Próprias

Em meio ao crescimento dos pedidos online e entregas em casa, a cadeia de suprimentos de alimentos e varejistas de alimentos enfrentaram o desafio. Enquanto a demanda em toda a linha cresceu, as marcas próprias aumentaram as vendas de forma desproporcional – no Brasil cresceram 32,6%, no México os alimentos embalados cresceram 33% acima dos perecíveis, cujo aumento foi de 11%, e nos Estados Unidos aumentaram em 29%, de acordo com os dados mais recentes da Nielsen. Marcas próprias também conquistaram muitos novos clientes nas últimas semanas devido às seleções limitadas nas gôndolas e aos consumidores que se preocuparam mais com o preço ao comprar. Depois de experimentar uma marca própria pela primeira vez, 60% dos consumidores americanos disseram que continuariam a comprar a opção de marca própria, de acordo com a consultoria de pesquisa Magid. Para que os varejistas de marcas própria estejam prontos para o Novo Normal, eles devem concentrar-se em crescimento, agilidade, transparência, precisão e proteção da marca própria. Crescimento e Agilidade do Negócio O sortimento atual de marca própria nas gôndolas foi desenvolvido para um momento distinto. Hoje o comportamento dos consumidores mudou, assim como suas necessidades de alimentos. É necessária uma resposta rápida e flexível. Os varejistas devem agir rapidamente para adaptar suas ofertas às mudanças nas necessidades dos clientes e estar preparados para experimentar e evoluir. Essa velocidade significa desenvolver e lançar novos produtos em semanas em vez de meses, exigindo uma colaboração mais estreita do que nunca com os fornecedores de produtos. “Este será um momento empolgante nos próximos dois a três anos para as marcas próprias capitalizarem na crescente penetração”, disse John Evans, Diretor de Marcas Próprias da Weis Markets - neste webcast em inglês. Transparência do Consumidor e Precisão do Rótulo Os consumidores que experimentam marcas próprias pela primeira vez e aqueles que aumentam a gama de marcas próprias que compram buscarão a garantia de que estão obtendo produtos de qualidade. Os consumidores que não conseguem encontrar as informações de que precisam simplesmente devolvem o produto à prateleira. Os varejistas precisam fornecer informações completas sobre ingredientes e fontes por meio de vários canais. Os varejistas que disponibilizarem apenas o mínimo de informações estarão em desvantagem competitiva. Tão importante quanto é o foco na precisão do rótulo daqui para frente. Erros de rotulagem representam cerca de 50% dos recalls de produtos e, no caso de alérgenos não declarados, aqueles que não são detectados a tempo podem ter consequências irreversíveis. Gestão de Crises e Proteção da Marca Própria Mesmo nos melhores momentos, quando ocorre um incidente de contaminação de alimentos, localizar os produtos afetados e notificar os fornecedores pode levar dias e, às vezes, semanas, especialmente quando se trata de centenas de fabricantes e milhares de produtos. Durante uma crise, pode ser devastador. Os riscos de não estar preparado são altos. No passado, os incidentes de contaminação de alimentos afetaram a confiança do cliente, a fidelidade à marca e os resultados financeiros das empresas envolvidas. Uma pesquisa da Allianz descobriu que os custos de recall podem chegar a USD10 milhões para eventos significativos. Para os varejistas, isso significa ter informações completas e precisas sobre os ingredientes do produto e trabalhar com fornecedores confiáveis ​​que possuem os certificados necessários e estão sujeitos a auditorias regulares de fábrica e testes de produtos. Sua Planilha Não é uma Vantagem Competitiva À medida que o impulso da marca própria no varejo de alimentos aumentou na última década, a realidade crua é que a maioria dos varejistas não investiu adequadamente nos processos ou sistemas necessários para dar suporte a seus programas. Apesar da complexidade dos produtos alimentícios, dos muitos regulamentos aos quais eles devem se conformar e das terríveis consequências quando as coisas dão errado, a colaboração com fabricantes de marcas próprias é muitas vezes gerenciada usando apenas planilhas e e-mail. Por outro lado, os principais supermercados já adotaram soluções de colaboração baseadas em nuvem para gestão de marcas próprias, o que permite que varejistas e fornecedores trabalhem juntos diretamente. Por causa da eficiência, eles são capazes de desenvolver e gerenciar um número maior de gamas de marcas contendo mais SKUs, permitindo que os varejistas líderes fiquem ainda mais à frente de seus colegas que ainda têm que investir em melhores formas de trabalhar. Saiba mais sobre inovação de marca próprias. Assista ao webinar sobre como as marcas estão desenvolvendo produtos com informações transparentes, novas receitas para o sucesso e orientação sobre como digitalizar sistemas de marca própria (em inglês).

Em meio ao crescimento dos pedidos online e entregas em casa, a cadeia de suprimentos de alimentos e varejistas de alimentos enfrentaram o desafio. Enquanto a demanda em toda a linha cresceu, as...

Melhores Práticas & Tendências

Ataque às Margens: Cinco Novas Regras para Diretores Financeiros de Varejo

Todos nós sabemos que o mundo mudou. Em apenas alguns meses, vimos mudanças que normalmente levariam anos para se desenrolar e corremos para nos adaptar e acompanhar, encontrando novas maneiras de trabalhar e competir rapidamente. Isso é especialmente notável no varejo de alimentos, um dos primeiros espaços a ser afetado por uma mudança repentina e maciça no comportamento do consumidor em março, quando os consumidores trocaram as jornadas semanais ou mais frequentes de compras por visitas a loja para comprar e estocar produtos. As mudanças tecnológicas que estão em andamento há anos foram intensificadas pela recente crise de saúde e mudanças comportamentais resultantes, com os clientes adotando rapidamente os pedidos online de coleta e entrega na calçada a taxas espantosas. Para acompanhar essa mudança sem precedentes de comportamento, os varejistas estão adaptando novos procedimentos operacionais que abrangem mão de obra para compra, previsão e comercialização de mercadorias, mas isso não para na loja, e o impacto é sentido no nível corporativo e nos resultados dos varejistas. Vemos isso refletido em demonstrativos de lucros dos grandes varejistas e, sem dúvida, em balanços patrimoniais de forma geral: cinquenta anos de melhores práticas de gestão da cadeia de suprimentos e conhecimentos acumulados sobre o comportamento do consumidor tornaram-se discutíveis e as margens do varejo enfrentaram um ataque total. À medida que os varejistas refletem sobre o primeiro semestre de 2020, os CFOs de varejo estão trabalhando fortemente para se adaptarem rapidamente a essas novas regras ou enfrentarão mais ataques às margens: 1. Olhar Cuidadosamente para os Novos Hábitos do Consumidor Os consumidores estão indo menos vezes à loja e acumulando mercadorias. Claro, eles não estão apenas comprando duas ou três vezes o valor de suas listas de compras normais, mas estão estocando produtos de papel e itens básicos. Isso impõe pressão desigual sobre essas categorias, resultando em falta de estoque e levando a uma enorme demanda não atendida por produtos de papel, desinfetante para as mãos e sabonete na primavera. 2. Repensar Margens Cada ação tem uma reação, e esses novos hábitos de compra repercutem em toda a cadeia de suprimentos. Para evitar rupturas de estoque, os varejistas precisam comprar mais estoque com antecedência e carregar o custo em seus balanços por mais tempo. As margens dos supermercados são tradicionalmente construídas em rodadas rápidas, geralmente vendendo produtos antes de efetuar o pagamento ao fornecedor atacadista. Esta mudança para a “pré-compra” está corroendo as margens tradicionais, forçando supermercados a pagar pelo estoque bem antes de ser vendido ou mesmo entregue, e carregar esse custo até que as mercadorias cheguem ao carrinho do cliente potencialmente meses depois. Essas tendências estão definitivamente quebrando a visão tradicional de financiamento da cadeia de suprimentos. 3. Antecipar a Transferência de Demanda A ruptura também tem implicações sobre a demanda, às vezes resultando em consumidores insatisfeitos e potencialmente prejudicando as margens e causando rotatividade de clientes. A falta de seu item preferido na prateleira pode levar os compradores a comprar marcas diferentes ou, mais provavelmente, fará com que continuem a comprar online para encontrar exatamente o que procuram. O esgotamento de um determinado produto pode levar a um aumento para uma marca concorrente, mas ainda coloca uma pressão geral naquela categoria. Se o comprador opta por comprar a marca própria da loja, isso pode ter um impacto misto para o varejista, oferecendo uma margem mais alta e preservando a tendência da categoria. Além disso, a demanda não atendida de falta de estoque total da categoria representa não apenas uma oportunidade perdida para os varejistas, mas uma perda muito maior: os compradores que encontram corredores vazios podem procurar em outro lugar não apenas para itens em falta, mas para seus carrinhos cheios, esgotando um mais amplo faixa de receita potencial. Pior ainda, uma vez mal atendidos, esses clientes podem nunca mais retornar, resultando em perdas futuras incalculáveis. 4. Compreenda o Verdadeiro Custo do Click and Collect O aumento da compra online, retirada na loja (click and collect), compras na calçada e entrega em domicílio significou mais do que investir em tecnologia e acompanhamento de marketing de consumo para varejistas - na verdade, também exigiu mudanças na forma como os varejistas empregam funcionários. Sem os clientes entrando na loja para andar pelos corredores e colocar os itens em seus carrinhos, os varejistas tiveram que trazer mais funcionários para a loja para coletar itens para pedidos online. Dado o formato de armazém aberto típico da mercearia, com suprimentos limitados nos fundos e coleta de autoatendimento, atribuir aos trabalhadores a tarefa de retirar os itens das prateleiras significa trabalho adicional e, portanto, custos adicionais para os varejistas. Embora as taxas de entrega e conveniência para pedidos online possam ajudar a compensar isso, o verdadeiro custo de uma força de trabalho expandida é difícil de calcular. 5. Trabalhe com Disrupção Promocional Mesmo antes da ruptura em massa de 2020, a indústria começou a ver mudanças nas margens nas mãos dos recém-chegados ao mercado. Os grandes varejistas que estão expandindo para o mercado de alimentos reescreveram as regras do jogo com promoções de categorias cruzadas. Esses varejistas estão oferecendo promoções para um determinado valor gasto (a cada R$100,00 ganhe R$10,00, por exemplo), misturando a sacola de compras com produtos de margem mais alta, itens como roupas colocados em partes mais centrais da loja. Este é um novo paradigma para um supermercado que está acostumado a limitar descontos para determinados SKUs como uma estratégia de promoção. Enquanto a cesta de compras A pode conter R$100,00 em produtos de papel, a cesta B pode conter R$100,00 em itens de várias categorias, e as margens ganhas nessas cestas podem ser drasticamente diferentes, o que significa que o impacto desse desconto de R$10,00 em cada uma das cestas de compra pode ser muito diferente na margem bruta do varejista. Essa mudança do gerenciamento de promoções puramente "bottom-up" para o impacto "top-down" da promoção precisa ser entendida, e uma nova orquestração departamento de vendas e finanças é agora necessária entre o para proteger a lucratividade. Essa tendência vai exigir absolutamente que a margem dos supermercados e as previsões de vendas sejam anexadas em algum nível ao planejamento geral da promoção no mercado daqui para frente. Esta é uma mudança sutil, mas grande, com implicações de sistemas de longo alcance para os dados básicos do supermercado e seu uso pelas equipes de finanças, comercial e cadeia de suprimentos. O varejo continuará a mudar durante a atual crise de saúde e depois dela, e os CFOs devem encontrar maneiras de lidar com essa interrupção de maneira antecipada. Para proteger seus balanços, eles devem compreender as forças macroeconômicas e as mudanças comportamentais em jogo, fazer parceria com os lojistas para encontrar maneiras de atrair os clientes e de equilibrar trabalho adicional e custos de estoque com a demanda. A promessa da marca de um varejista depende da entrega de produtos ao cliente em um determinado nível de serviço, e essa responsabilidade agora recai sobre os CFOs mais do que nunca. Embora a tarefa possa parecer assustadora, a resposta pode estar no próprio inventário e em encontrar maneiras de fazê-lo funcionar. Com a visibilidade e análise de estoque certas e tendo essas novas regras em mente, os CFOs podem otimizar seu estoque e gerar vendas iguais com menos estoque. Como qualquer financeiro lhe dirá, um centavo economizado pode ser tão bom quanto um centavo ganho - e em escala de varejo, essa economia pode aumentar. Mais informações? Visite a página de soluções para varejo ou solicite uma reunião.

Todos nós sabemos que o mundo mudou. Em apenas alguns meses, vimos mudanças que normalmente levariam anos para se desenrolar e corremos para nos adaptar e acompanhar, encontrando novas maneiras de...

Clientes e Casos de Sucesso

Varejista Britânico se Reinventa Durante a Crise para Atender Clientes Vulneráveis com a Oracle

Oracle Retail Consulting Colabora Com Varejista Líder no Reino Unido A varejista britânico, McColl's é uma das principais varejistas de bairro do Reino Unido, atendendo aos setores de conveniência e banca de jornal com 1.400 lojas. Para as comunidades, a escala e a acessibilidade da McColl’s tornaram-se uma tábua de salvação durante a pandemia COVID-19. “Apoiar nossa comunidade está no centro de nossos negócios”, disse Karen Bird, Diretora de Operações da McColl’s. “Nunca esta paixão foi tão testada quanto durante a atual crise de saúde. Com a Oracle, fomos capazes nos transformamos rapidamente para oferecer suporte a novos programas e proteger nossos clientes mais vulneráveis.” Em junho, o governo do Reino Unido introduziu um esquema de vale-refeição escolar gratuita que permitia aos pais e cuidadores qualificados receberem um cartão e-Gift semanal que poderia ser resgatado em alguns varejistas de alimentos especificados. Para muitas crianças vulneráveis, as refeições escolares gratuitas são vitais para sua saúde e bem-estar. O truque para os varejistas era ser capaz de aceitar esses vouchers de maneira eficaz. Felizmente, a McColl's foi capaz de enfrentar o desafio usando o Oracle Retail Xstore Point-of-Service (POS). Em apenas 11 dias, a Oracle Retail Consulting (ORC) permitiu que a McColl's aceitasse esses cartões e-Gifts em todas as suas lojas para se tornar um dos dez varejistas do Reino Unido a oferecer esse serviço. O cuidador receberá um cartão e-Gift em seu telefone celular. Na loja, um código de barras QR foi lido e validado no PDV e o saldo do cartão e-Gift foi atualizado para futuras compras. A McColl’s ajudou seus clientes a resgatar mais de 30.000 cartões e-Gift desde o início do processo. Ao mesmo tempo, a McColl’s também foi capaz de reagir com grande velocidade para ajudar os mais vulneráveis e aos que se isolaram durante a crise de saúde inicial e esses novos serviços continuam até hoje. McColl’s lançou o Delivery Partner Shopping, mais recentemente por meio da Deliveroo. Os pedidos dos clientes da Deliveroo e McColl’s atenderam ao pedido da loja mais próxima. Um ajuste simples, mas vital, no PDV tornou possível para a McColl's reconciliar o estoque e a posição financeira na loja para cada entrega. “Trabalhando próxima e rapidamente com a McColl's, nossa equipe de consultoria foi capaz de ajudá-los a enfrentar o desafio quando a comunidade mais precisava deles”, disse James Kelly, Diretor Regional da Oracle Retail. “Aproveitando o conhecimento da comunidade e com o suporte do Oracle Retail, a rede teve agilidade para navegar por novas demandas e águas desconhecidas para cuidar de seus clientes quando eles mais precisassem.” Leia mais sobre como criar um layout de loja flexível.

Oracle Retail Consulting Colabora Com Varejista Líder no Reino Unido A varejista britânico, McColl's é uma das principais varejistas de bairro do Reino Unido, atendendo aos setores de conveniência...

Gestão de Mercadorias

Três Estratégias para Reduzir o Excesso de Estoque Sazonal

À medida que nos aproximamos da troca da estação, produtos de inverno dão lugar aos de verão e vice-versa, dependendo em que parte do mundo sua operação está localizada. Contudo, como os consumidores em todos os lugares têm ficado em casa, os estoques de alguns varejistas talvez estão abarrotados de produtos sazonais. Independentemente de terem desacelerado suas compras para manter os balanços sob controle ou de estarem simplesmente atingindo o fim do suprimento de itens sazonais, os varejistas estão enfrentando desafios de estoque sem precedentes e nunca foi tão importante como agora desovar esses últimos itens da maneira mais eficiente e lucrativa possível. Além disso, como o cenário atual força o fechamento improvisado de lojas individuais e shoppings para impedir a exposição das pessoas a casos confirmados, conseguir escoar os últimos itens preciosos pode ser mais difícil do que nunca. Entre motivar compradores em potencial e recompensar clientes que retornam, eis três estratégias essenciais para ajudar as marcas a eliminar os itens acumulados: 1. Transforme Perspectiva em Produtividade O que os varejistas devem fazer com o estoque de suas lojas fechadas? Os dados de vendas digitais podem ser incorporados à gestão de estoque em um nível físico? Como as marcas devem se preparar para as mudanças sazonais de estoque? A única maneira de gerenciar com sucesso todos esses desafios sem precedentes é ter pleno conhecimento sobre tudo. Para evitar mais problemas e acompanhar a demanda, os varejistas precisam de visibilidade em tempo real para saber precisamente onde seus produtos estão localizados nas lojas e depósitos e quais são as quantidades. Agilidade operacional e conhecimento são fundamentais. Os varejistas precisam ser capazes de mudar a qualquer momento, aproveitando as oportunidades para melhorar suas operações de estoque. Para muitos, a opção mais sensata é investir em tecnologia que ajude a automatizar os processos de gestão de estoque e pedidos, permitindo que os trabalhadores se concentrem em vendas criativas e outras estratégias que exigem um toque humano. 2. Encontrar um Equilíbrio Os varejistas precisam incorporar "eventos” de vendas para liberar o estoque obsoleto – como mega liquidação anual ou eventos privados para os principais clientes. As lojas estão utilizando promoções massivas e vendas por eventos de marca para atrair clientes e estimular as compras, mas a liquidação e os descontos também são essenciais no ciclo de estoque e na geração de receita. É vital que os varejistas entendam totalmente a diferença entre promoção e liquidação, onde se enquadra seu estoque nessas categorias, e qual é o orçamento de marketing e as repercussões nos resultados financeiros de cada uma. Os varejistas devem escolher vendas por eventos para ajudar a se livrar do estoque obsoletoem um ritmo rápido, sem que os clientes se acostumem com descontos constantes. Por outro lado, descontos podem ser fundamentais na movimentação de estoque improdutivo nessas circunstâncias desafiadoras. Assim que as vendas estiverem ocorrendo, coletar dados precisos em tempo real pode ser primordial para desvendar um segmento de vendas mais inteligente. Para preservar as margens, os varejistas precisam da inteligência do cliente para ajudá-los a decidir quando, onde e a quem devem oferecer descontos. 3. Fidelidade Os varejistas não podem se esquecer do epicentro de qualquer estratégia de negócios: o cliente fiel. À medida que os consumidores se adaptam ao cenário inconstante e mudam seus hábitos de compra, é fundamental que os varejistas ouçam, entendam e ajam de acordo com as novas exigências dos compradores de hoje. Cada vez mais, os consumidores experimentam novas marcas; assim, torna-se mais difícil do que nunca manter clientes fiéis a longo prazo. Os compradores recorrentes são um grupo demográfico importante para o estoque obsoleto, e os varejistas podem aproveitar melhor as informações sobre as preferências desses clientes para proporcionar a eles experiências de compra personalizadas e exclusivas na loja ou on-line. Independentemente de se tratar de itens com estoque limitado, eventos de compras privados, descontos especiais ou recompensas generosas, selecionar a abordagem certa e direcionada para reter clientes pode fazer a diferença entre um almoxarifado organizado e um depósito cheio de produtos antigos. Venda Inteligente Com a ajuda da tecnologia correta e uma estratégia cuidadosa, os varejistas conseguem implantar inúmeras táticas para trabalhar com o excesso de estoque de verão. Com uma gestão de estoque inovadora , vendas de destaque e engajamento do cliente, os varejistas conseguem se desfazer de itens acumulados e olhar para a próxima temporada. Assista ao webinar sob demanda de 20 minutos sobre estoque (em inglês)

À medida que nos aproximamos da troca da estação, produtos de inverno dão lugar aos de verão e vice-versa, dependendo em que parte do mundo sua operação está localizada. Contudo, como os consumidores...

PDV/POS hardware e software

PDV de Varejo: Webinars sobre Loja Flexível, Jornadas de Clientes e Tecnologia Móvel

Um PDV moderno na loja apaga a linha entre o físico e o digital. Os PDVs modernos colocam a informação nas mãos dos associados, dando-lhes visibilidade de inventário em tempo real, mobilidade para atender o cliente de maneira ágil e eficiente, diminuindo as filas durante o checkout. No varejo omnicanal, o PDV moderno é um elemento fundamental para a melhoria da experiência do cliente. É o Momento de Trocar o PDV? Durante o momento em que as lojas estiveram fechadas, muito varejistas revisaram suas estratégias e a infraestrutura tecnológica para preparar os próximos passos de sua operação. Baseados em conversas com varejistas do mundo todo, construímos um checklist para PDV móvel de varejo. Que tal avaliar seu ambiente? Clique aqui para acessar o checklist. Conheça Soluções e Experiências ao Vivo Durante o mês de setembro, preparamos uma série exclusiva com três webinars em português para ampliar as discussões sobre modernização de PDV de varejo. Criando um Layout de Loja Flexível Sob demanda - Clique aqui para assistir Com a reabertura do varejo, a operação da loja requer um novo nível de agilidade que combine com as demandas de hoje e as diretrizes fluidas do novo normal. Adaptando as Jornadas do Cliente no Varejo Sob demanda - Clique aqui para assistir Varejistas estão buscando sobreviver e a execução é tudo quando se trata de jornadas do consumidor e experiências de compra: BOPIS*, BORIS* e BODH*. Melhorando a Experiência do Cliente com Tecnologia Móvel na Loja - 29 de setembro de 2020 | 09:00 AM Brasil Sob demanda - Clique aqui para assistir Tecnologia para suportar cenários nas lojas, com resiliência do sistema, baixa latência, velocidade e segurança de dados.     * BOPIS: buy online pick up in store / compra online retira na loja * BORIS: buy online and return in store / compra online e devolve na loja * BODH: buy online delivery home / compra online entrega em casa

Um PDV moderno na loja apaga a linha entre o físico e o digital. Os PDVs modernos colocam a informação nas mãos dos associados, dando-lhes visibilidade de inventário em tempo real, mobilidade para...

Clientes e Casos de Sucesso

Varejista de Artigos Esportivos SCHEELS Avança no Placar com Oracle Cloud

BTM Global Conclui a Primeira Implementação do Oracle Retail Xstore Office Cloud em Apenas Cinco Meses Empresa de propriedade de funcionários, a SCHEELS orgulha-se de oferecer uma experiência de compra memorável e envolvente. Além de uma grande variedade de artigos esportivos, as lojas SCHEELS 28 oferecem atividades de entretenimento, incluindo aquários, cafés, rodas-gigantes e outras atrações de grande escala. Ao mudar para o sistema Oracle Cloud POS, os associados agora estão livres para se deslocar pela loja para ajudar os clientes onde quer que esteja sua paixão. O membro da Oracle PartnerNetwork BTM Global concluiu a primeira implementação do Oracle Retail Xstore e do Oracle Retail Xstore Office Cloud Service em apenas cinco meses. “Como um cliente de longa data da Oracle e BTM Global, ficamos felizes em trabalhar em um projeto de nuvem tão único”, disse Byron Snider, líder de serviços de informação da SCHEELS. “A equipe de liderança da SCHEELS acredita que a tecnologia moderna é crítica para aprimorar a experiência de nossos associados, clientes e parceiros de negócios. A BTM nos levou a pensar criticamente sobre as soluções, impulsionando a implementação e fornecendo orientação estratégica sobre o que é melhor para nossas necessidades de negócios à medida que avançamos em direção a um modelo de checkout que captura a demanda no ponto de interesse.” Ao adotar a versão mais recente do Oracle Xstore, os associados da SCHEELS não estão mais presos a um registro central. Os associados podem mover-se entre os departamentos para orientar o cliente a ofertas mais relevantes e mercadorias atraentes. E ao migrar para a nuvem, a SCHEELS obtém acesso à inovação contínua, reduz os custos de TI a longo prazo e moderniza a infraestrutura para acompanhar o cenário de varejo em constante mudança. “Junto com a BTM Global, a Oracle oferece aos clientes, como a SCHEELS, uma abordagem de implementação inteligente e rápida”, disse Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail. “Nosso objetivo é permitir que varejistas concentrem seus recursos principais em despertar a paixão de seus clientes, apoiando as jornadas de novos consumidores e capacitando suas operações, enquanto nos concentramos em fornecer inovação contínua.” “A chave para esta implementação de nuvem foi o relacionamento estreito entre Scheels, BTM e Oracle Retail”, disse Tom Schoen, CEO da BTM Global. “Um plano claro e uma boa comunicação entre todas as partes foram essenciais para o cumprimento dos objetivos estratégicos. Ficamos entusiasmados com a parceria com a Scheels em outro projeto que moldará seu sucesso futuro.” SCHEELS é um cliente de longa data do Oracle Retail. A SCHEELS iniciou a implementação do Oracle Retail Xstore e do Oracle Retail Xstore Office Cloud Service em setembro de 2019.

BTM Global Conclui a Primeira Implementação do Oracle Retail Xstore Office Cloud em Apenas Cinco Meses Empresa de propriedade de funcionários, a SCHEELS orgulha-se de oferecer uma experiência de compra...

Lojas e Customer Engagement

PDV de Varejo: Criando um Layout de Loja Flexível

Escrito em colaboração com Michael Colpitts. Com a reabertura do varejo, os varejistas tiveram que avaliar o layout de suas lojas para atender aos novos requisitos de segurança, bem como às expectativas dos consumidores. Esses esforços iniciais nem sempre estão alinhados com a forma como uma marca normalmente retrata sua imagem. A operação da loja requer um novo nível de agilidade que combine com as demandas de hoje e as diretrizes fluidas do novo normal. As experiências do cliente e do associado tornaram-se uma interação cuidadosamente coreografada onde a função dos canais é completamente confusa e onde o PDV móvel deve se encaixar em uma estratégia de tecnologia mais ampla. Em 2018, observamos varejistas que estavam se diferenciando por meio da experiência de compra omnicanal personalizada e associados mais bem equipados para oferecer suporte aos clientes. Os líderes investiram em iniciativas móveis e digitais com aplicativos que capacitam os processos de front e back-office. Em 2020, o mesmo movimento tornou-se uma necessidade competitiva. Os varejistas exigem agilidade em todos os níveis para proteger, preservar e inovar para oferecer a nova experiência do cliente. Comece com o Final em Mente Como observa o educador e autor Stephen Covey, pessoas de sucesso começam com o fim em mente. A tecnologia moderna está permitindo que os varejistas repensem seu jogo final quando, de repente, as paredes tradicionais da loja se desintegram para abranger o estacionamento ao redor, estações junto ao meio-fio e muito mais. Conforme as novas jornadas do cliente evoluem, um PDV moderno e móvel pode melhorar a experiência do cliente por meio do envolvimento e criar flexibilidade no ambiente da sua loja. Uma interface de usuário e configuração consistentes permitem que você estabeleça facilmente um local pop-up e mantenha capacidade extra durante o pico de vendas. O checkout móvel totalmente funcional também desempenhará um papel fundamental no processo de devolução nesta temporada de final de anos porque cada interação com o cliente conta. Consultando nosso Checklist para PDV Móvel de Varejo, varejistas podem determinar suas necessidades, desafios e as oportunidades de melhorar com um layout de loja mais flexível. Defina Operações de Loja Hoje, novos procedimentos e requisitos de capacidade precisam ser escritos. Como você ajusta suas operações para acomodar e atender a demanda? Nada parece previsível em termos de pessoal e padrões de tráfego correlacionados agora, muito menos olhando para a próxima temporada de final de ano. Agilidade é a resposta. Varejistas devem treinar seus funcionários para criar resiliência e flexibilidade para eliminar filas, desenvolver relacionamento (clienteling) e novas formas de atender à demanda. É recomendável que os funcionários contatem clientes utilizando seus próprios celulares, via WhatsApp, por exemplo? Se você tem um modelo de agendamento individual, o celular permite que o compromisso aconteça remotamente? Quantas transações e tipos de pagamento você precisa gerenciar em um único dispositivo? Avalie e Revalide Processos Em nossa pesquisa anual com o consumidor, descobrimos que 75% dos consumidores que vão à loja provavelmente farão uma compra adicional e 49% dos consumidores fazem compras não intencionais enquanto pegam seus itens na loja. A loja é importante. O varejo físico não está morto, mas precisa de um renascimento. Qual processo o dispositivo móvel pode suportar? Considere os processos de front e back-office. Além da transação, o PDV precisa abrir o dia e fechar o dia. Os associados também precisam ter autonomia para salvar a venda com visibilidade de estoque e processamento de pedidos. Para atrair seus melhores e mais brilhantes associados de volta à loja, você precisa repensar a tecnologia necessária para capacitar e inspirar um nativo digital a envolver os clientes em uma experiência que transcende as quatro paredes do varejo. Especificações e Considerações de Tecnologia O ciclo de investimento tradicional para uma plataforma de POS durou cerca de sete anos. A inovação e a expectativa exigem um ciclo de investimento reduzido. Uma plataforma omnicanal sofisticada se integrará a todos os elementos da experiência do cliente e retornará por meio das operações para realmente voltar-se para o cliente. Baixe o Checklist para PDV Móvel de Varejo para avaliar seus requisitos de negócios juntamente com suas considerações técnicas e de segurança. Obtenha sua cópia gratuita da Checklist para PDV Móvel de Varejo e comece a planejar sua mudança para dispositivos móveis. Ou solicite uma reunião exclusiva aqui.

Escrito em colaboração com Michael Colpitts. Com a reabertura do varejo, os varejistas tiveram que avaliar o layout de suas lojas para atender aos novos requisitos de segurança, bem como às...

Clientes e Casos de Sucesso

Marshall Retail Group Implementa Oracle Retail em 100 Dias com BTM Global

Novo sistema de ponto de venda na nuvem oferece agilidade para atender a novos requisitos de compras e distanciamento social Um dos principais varejistas de viagens da América no mercado de aeroportos, cassinos e resorts, o Marshall Retail Group (MRG) oferece uma experiência diferenciada ao cliente em mais de 300 lojas que oferecem diversas marcas, incluindo Harley-Davidson, In Motion, LEGO e TUMI. Com mais de 50% das lojas localizadas em aeroportos dos Estados Unidos, a experiência do cliente precisa ser agradável e incrivelmente eficiente. Para atender a essa necessidade, o Marshall Retail Group atualizou a tecnologia da loja para Oracle Retail no ano passado. Trabalhando com a BTM Global, todas as lojas foram transferidas para o moderno Oracle Retail Xstore Point-of-Service (POS) em apenas 100 dias. “Seja em um aeroporto, cassino ou resort, estamos entusiasmados em receber nossos clientes em um ambiente de compras novo e seguro que oferece mais personalização e eficiência do que nunca”, disse Michael C. Wilkins, CEO do Marshall Retail Group. “A BTM Global traz experiência para a implementação do Oracle Retail Xstore Point-of-Service na nuvem. Essa experiência nos levou a uma implementação bem-sucedida, em tempo recorde, para oferecer a melhor experiência ao cliente conforme a economia reabre.” À medida que o varejo passa para o ‘novo próximo’ após as paralisações do COVID-19, os regulamentos de saúde e segurança continuam a evoluir para ajudar a proteger os clientes. Com a flexibilidade do PDV Xstore, o Marshall Retail Group será capaz de atender melhor aos requisitos de distância social, permitindo que os associados usem dispositivos móveis para ajudar os hóspedes, bem como fornecer funcionalidade de auto-checkout. “Agilidade é uma conversa constante no board quando se trata de recuperação, à medida que varejistas aproveitam novas oportunidades para atender aos clientes em um ambiente que muda rapidamente. Trabalhando em estreita colaboração com a Oracle, o Marshall Retail Group e a BTM Global foram capazes de implementar rapidamente novas tecnologias para modernizar a experiência do cliente”, disse Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail. “Esta inovação contínua na nuvem fornecerá ao MRG a capacidade de responder com eficácia a novos requisitos, preservando ao mesmo tempo uma experiência positiva para seus clientes.” BTM Global é um membro de longa data da Oracle PartnerNetwork (OPN). Usando sua metodologia de implementação comprovada e um cronograma agressivo, a BTM Global ajudou a MRG a colocar o Oracle Retail Xstore POS pronto para funcionar em 300 lojas em apenas 100 dias. “O MRG ganhou um conjunto flexível de recursos que os ajuda a personalizar uma experiência de compra para atender a cada segmento de cliente, e essa previsão reforçará sua liderança na indústria”, disse Tom Schoen, CEO da BTM Global. “Estamos orgulhosos de continuar trabalhando com eles após o go-live para trazer mais melhorias e integrações online que fornecem aos seus clientes opções e eficiência de check-out do início ao fim.”

Novo sistema de ponto de venda na nuvem oferece agilidade para atender a novos requisitos de compras e distanciamento social Um dos principais varejistas de viagens da América no mercado de aeroportos,...

Cadeia de Abastecimento

Navegando por Demandas Desconhecidas com Oracle Inventory Optimization

O serviço de nuvem utiliza machine learning para ajudar varejistas a otimizar o estoque para se adaptar às mudanças nos comportamentos de compra dos clientes A crise de saúde global criou uma emergência de estoque para muitos varejistas. Os hábitos de compra imprevisíveis e voláteis dos clientes atuais estão limitando a eficácia do uso de dados históricos para prever o comportamento de compra e planejar o estoque de produtos. Impulsionado por machine learning, o novo Oracle Retail Inventory Optimization Cloud Service, em conjunto com sistemas de previsão e cadeia de suprimentos, ajuda a decidir quais ações tomar para otimizar o inventário. Esse componente ajuda varejistas a obter respostas sobre o posicionamento e o volume do estoque com mais rapidez, para que possam atender melhor os clientes enquanto mantêm uma posição de caixa saudável. “Os varejistas estão empenhando-se para ajustar décadas de estoques bem definidos e processos tradicionais de gerenciamento da cadeia de suprimentos que foram alterados pela COVID-19”, disse Jeff Warren, vice-presidente de estratégia e gerenciamento de soluções da Oracle Retail. “Com a capacidade de ser implantado em apenas algumas semanas, o Oracle Retail Inventory Optimization Cloud Service faz o trabalho pesado e a modelagem para reequilibrar e otimizar o estoque para que os varejistas possam investir nos produtos certos e se adaptar automaticamente aos novos padrões de consumo conforme eles ocorrem.” No momento atual, a capacidade de responder às mudanças nas demandas dos clientes o mais rápido possível é crítica. O Oracle Retail Inventory Optimization Cloud Service vem com modelos de aprendizado de máquina préconstruídos que preveem com mais precisão os níveis gerais de estoque; recomendações para redistribuição de estoque; equilíbrio da oferta e demanda para liberar capital parado em estoque excedente; e mais. O serviço de nuvem se integra facilmente com as soluções existentes de previsão e cadeia de suprimentos e pode ser implantado rapidamente para reduzir a carga sobre as equipes de TI e desenvolvimento de um varejista. Produtividade do Estoque Os hábitos do consumidor nos últimos meses têm sido tudo menos típico, já que a escassez estimulou a necessidade de as pessoas experimentarem novas marcas ou lojas, com menor número de saídas para compras, mas muitas vezes a compras maiores, principalmente de alimentos. Como resultado, o estoque sai das lojas mais rápido, criando uma pressão sobre a cadeia de suprimentos e seu modelo financeiro, levando a um problema de margem bruta. Por exemplo, um varejista de supermercado médio, com 30.000 SKUs e pelo menos 1.000 lojas, terá milhões de combinações de SKU-loja. Determinar o plano de reabastecimento ideal quando as coisas estão mudando tão rapidamente é quase impossível sem a ajuda de modelos de machine learning feitos sob medida. Com o Oracle Retail Inventory Optimization Cloud Service, os varejistas podem simular e prever posições e parâmetros de estoque ideais para eliminar tentativas e erros. Como resultado, os executivos da cadeia de suprimentos e os diretores financeiros podem se reunir para navegar em terrenos complicados, gerenciar o fluxo de caixa e determinar o impacto do estoque no balanço patrimonial. A solução autônoma aprende e ajusta-se automaticamente para otimizar o capital de giro e entregar valor rápido através da: Otimização contínua dos parâmetros de reabastecimento; Estratégias de reposição com trade-offs de serviço para estoque; Tradução dos objetivos em políticas de reabastecimento orientadas a machine learning até o local do item; Redistribuição de estoque para atender aos clientes e evitar descontos; Enriquecimento dos processos de movimentação de estoque com projeções de estoque em fases; Aumento da produtividade dos funcionários para maximizar uma força de trabalho restrita; e Interação com o Oracle Retail Offer Optimization para gerar melhores resultados por meio da manipulação simultânea de oferta e demanda. Este serviço em nuvem já está disponível. Saiba mais ou solicite uma demonstração do Oracle Retail Inventory Optimization Cloud Service.

O serviço de nuvem utiliza machine learning para ajudar varejistas a otimizar o estoque para se adaptar às mudanças nos comportamentos de compra dos clientes A crise de saúde global criou uma...

Lojas e Customer Engagement

Execução Importa: Transparência da Ordem

A maioria dos varejistas de sucesso de hoje oferece experiências de compra atraentes. Mas a entrega é uma parte essencial da jornada do cliente. Embora nossas expectativas tenham sido ajustadas um pouco às novas realidades do COVID-19 de uma cadeia de suprimentos mais complicada e mais lenta, apenas um problema ainda pode significar a perda de um cliente para o resto da vida. À medida que avançamos em direção aos eventos de final de ano e mais compras, o envio e a execução das entregas se tornam ainda mais complexos, enquanto a paciência dos consumidores com os erros e pacotes atrasados ​​diminui. Onde Está o Trenó do Papai Noel? Eu sei o que você está pensando. Papai Noel, verdade? Ainda estamos em agosto! Mas assim como as crianças ficam ansiosas e rastreiam a chegada do Papai Noel na véspera de Natal, o mesmo acontece com o pai ansioso (e muitas vezes irritado) que verifica o sistema de rastreamento de pacotes desatualizado para ver onde o último presente do Papai Noel pode estar. Por muito tempo, os varejistas se concentraram exclusivamente em tudo o que vem antes da compra, levando a muitas inovações no front-end. Mas o cliente moderno quer mais do que um site atraente e um sistema de recompensa generoso - ele espera uma comunicação proativa e de ponta a ponta sobre o status do pedido. Não saber onde está o pacote de um cliente pode ser profundamente embaraçoso para um varejista - é como ser chamado em sala de aula sem ter feito a leitura. Na verdade, 72% dos clientes esperam atualizações em tempo real sobre a localização de um item ao longo do processo de entrega (Topografia do Varejo). A tecnologia pode tornar essa situação desconfortável uma coisa do passado, permitindo que os varejistas agilizem o rastreamento de pedidos e pacotes em todas as suas lojas e sistemas de entrega. Emparelhar essa tecnologia com um sistema de comunicação pós-pedido permite que os varejistas transmitam informações detalhadas - de quando um pacote é enviado até o local em que está atualmente - diretamente aos clientes com a frequência ou a frequência que eles gostariam. O Papel da Tecnologia A tecnologia certa é a chave para se manter à frente, e as escolhas erradas podem rapidamente resultar em desvantagens, como atrasos nos tempos de resposta e maior incerteza no processo de entrega. Empregar a tecnologia certa para oferecer suporte à experiência do cliente do topo do funil até a entrega final e além garante que cada etapa da jornada do cliente seja estável e minimiza o potencial de erros ao longo do caminho. Em meio a esse clima, faz mais sentido do que nunca buscar ferramentas, tecnologias e programas que proporcionem agilidade em todos os lugares. É por isso que um número crescente de varejistas está reforçando sua operação com a gestão de pedidos (OMS), integrando com customer engagement e recursos expandidos de comunicação pós-pedido. Os varejistas podem colher as recompensas das comunicações personalizáveis ​​com o cliente para um melhor serviço, ao mesmo tempo que mantêm sua visibilidade das remessas e do status dos pedidos. Lealdade por Meio do Atendimento ao Cliente No “Novo Próximo”, os dados se tornam ainda mais valiosos para os varejistas. Um aplicativo moderno de gerenciamento de pedidos irá digerir o histórico de pedidos e combiná-lo com soluções de customer engagement para fornecer uma visão de 360 ​​graus das preferências e prioridades de cada cliente, que se encaixa perfeitamente com comunicações proativas para o consumidor no back-end. Além disso, quando as plataformas online de um varejista podem automatizar tarefas, como atualizações de status do cliente, isso libera os varejistas para redirecionar seus funcionários para outras tarefas. Em vez de coletar manualmente os dados do cliente em um call center, os funcionários podem investir tempo revisando outras exceções, como pedidos não atendidos, e entrar em contato com o cliente para discutir outras opções para obter o item desejado para o cliente. Ou eles podem monitorar o status geral dos pedidos no sistema para ver se outras áreas podem precisar de recursos adicionais para lidar com uma demanda inesperada. O emprego de uma solução moderna de gerenciamento de pedidos permite que os varejistas façam essas atribuições de recursos por conta própria, e não ditadas pela necessidade. Uma Nova Parceria com Narvar Se os varejistas desejam maximizar seu potencial para melhorar a reputação da marca, aumentar a satisfação do cliente e inspirar novas compras, eles precisam ser criativos. A implementação de ferramentas robustas de rastreamento e comunicação pós-pedido garante que os clientes nunca notarão um ruído de roda - e que eles voltarão para mais compras. A gestão de pedidos (OMS) emparelhado com comunicações proativas pós-pedido como o Narvar pode fornecer dados em tempo real para ajudar os varejistas a estarem à frente da curva, mantendo o consumidor informado sobre o processo de entrega e informando-o de maneira proativa se houver um atraso inesperado. Isso mostra que, mesmo que esteja fora do controle imediato do varejista, ele ainda se preocupa com a experiência do comprador e deseja fazer o melhor que puder por ele. Narvar se integra a centenas de operadoras para fornecer uma experiência de rastreamento de última milha perfeita, atendendo a mais de 125 milhões de consumidores em todo o mundo (e contando) em 7 bilhões de interações, 38 países e 55 idiomas. O poder da parceria da plataforma moderna da Oracle para varejo com Narvar oferece uma experiência pós-compra envolvente que gera receita adicional, reduz a ambiguidade e inspira a fidelidade do cliente. Finalizando Pedidos Em meio a essa dura realidade, os varejistas devem se levantar para enfrentar o desafio de expectativas tão pesadas. Ninguém pode ter todas as respostas com segurança em um mundo imprevisível. Mas, ao se concentrar ainda mais na experiência de pós-pedido, os varejistas podem se aproximar mais desta expectativa. Mais sobre gestão de pedidos (OMS)? Neste guia – em inglês, aprenda como os sistemas modernos de gerenciamento de pedidos de varejo permitem um nível mais alto de serviço no suporte de jornadas exclusivas do cliente em todos os canais. Ou solicite uma reunião exclusiva clicando aqui.

A maioria dos varejistas de sucesso de hoje oferece experiências de compra atraentes. Mas a entrega é uma parte essencial da jornada do cliente. Embora nossas expectativas tenham sido ajustadas...

Lojas e Customer Engagement

06 Perguntas Sobre Gestão do Estoque da Loja

Gerenciar o inventário inativo e determinar onde e a que preço o vender é crucial para o varejo, inclusive para a recuperação da crise, uma vez que o fechamento das lojas ocasionou falta de dados. Como executivos de planejamento e comercial podem otimizar a operação com a ausência desses dados? As modernas soluções de otimização e planejamento de varejo podem ajudar a gerenciar o portfólio e fornecer uma saída para o estoque acumulado, fornecendo informações relevantes sobre quais ofertas devem ser executadas, a quais preços definir no estoque e quais locais fornecerão a oportunidade mais significativa de recuperação vendas e margem. Neste webcast sob demanda em português tratamos dos principais aspectos da solução de varejo para a gestão de estoque da loja: Otimizar as operações de estoque da loja Obter a precisão de estoque em tempo real Oferecer visibilidade para toda a empresa da posição do estoque da loja  Executar atendimento de pedidos dos clientes omnicanal Auxiliar na mobilidade do vendedor na loja Facilitar implantações globais Por isso separamos aqui as principais perguntas que recebemos sobre gestão de estoque das lojas. 1: Quanto tempo leva para implementar esta solução de estoque?  R: A implementação costuma levar de 4 a 6 meses, dependendo da complexidade do varejista. Os projetos piloto começam a operar em 3 a 4 meses. A complexidade do varejista, especialmente em termos de integração com sistemas externos, pode aumentar um pouco esse prazo.  2: Qual é o nome da solução e em quais dispositivos essa solução funciona? Preciso de um sistema de terceiros? R: A solução é o Store Inventory Operations e funciona de forma independente de dispositivo, e ainda e funcionará na maioria dos dispositivos iOS e Android. 3: Meu ponto de venda possui recursos de estoque. Por que não utilizar esses recursos em vez de adicionar outra solução? R: Embora muitas soluções de ponto de venda tenham um componente de estoque, o Store Inventory Operations é uma solução projetada com 100% de foco em todos os aspectos de gestão do estoque da loja e atendimento de pedidos do cliente. Ela foi desenvolvida com transações de estoque como a função principal. Como solução de software como serviço (SaaS), você se beneficiará dos investimentos contínuos e não ficará preso a uma versão mais antiga do ponto de venda nem precisará fazer uma atualização cara. É bastante aberta e voltada para serviços, tornando a integração muito simples. 4: Com que outras soluções de nuvem da Oracle Retail ele se integra? R: O Store Inventory Operations é um ponto de integração essencial no portfólio da Oracle Retail e possui integração imediata com: Gestão de Mercadorias (incluindo Price Management) PDV Xstore Point-of-Service Gestão de Pedidos: Order Broker e Order Management Gestão de Centro de Distribuição (WMS) Também foi projetado para integrar-se a soluções de RFID de terceiros. O Oracle Retail está trabalhando com diversos parceiros de RFID e as APIs são configuradas para serem muito abertas para receber o fluxo de qualquer fornecedor de RFID e obter as quantidades e os locais exatos desses itens e suas etiquetas. 5: Posso manter minha solução personalizada na loja para front end e apenas usar sua solução para processamento? R: Sim, esse é um dos casos de uso adicionais que atendemos quando mudamos a funcionalidade e a capacidade do estoque de nossa loja para a nuvem ou SaaS. O Store Inventory Operations é composto por dois serviços exclusivos:  O mecanismo de serviço ou o back-end da solução  A experiência do usuário ou o front-end da solução  Embora a grande maioria dos clientes da Oracle Retail adote a solução completa, os varejistas podem usar apenas o mecanismo de serviço de back-end (o serviço em nuvem de estoque corporativo) e, em seguida, ter esse plug-in em sua própria interface com o usuário. 6: Essa solução funciona para supermercadistas que lidam com inúmeros itens de peso variável e que se transformam, que atualmente não possuem etiquetas RFID? R: A solução não requer etiquetas RFID. Um dos grandes benefícios do Store Inventory Operations é que ele consegue processar itens que têm etiquetas e itens que não têm. Ele processa itens que precisam ser pesados; portanto, consegue receber em quilogramas ou libras, por exemplo.  Os itens que se transformam são interessantes em termos de como esse varejista processará itens que precisam ser montados para serem vendidos e itens que precisam ser divididos para serem vendidos, mas há várias maneiras de fazer isso. A Oracle Retail e sua equipe de consultoria estão fazendo parceria com um acelerador de gerenciamento de ingredientes que se integrará ao Store Inventory Operations para gerenciar o estoque real de ingredientes na loja durante a produção da loja.  Gostaria de obter mais informações sobre gestão de estoque de lojas? Assista ao webcast sobre demanda ou Solicite hoje uma reunião exclusiva hoje

Gerenciar o inventário inativo e determinar onde e a que preço o vender é crucial para o varejo, inclusive para a recuperação da crise, uma vez que o fechamento das lojas ocasionou falta de dados. Como...

Gestão de Mercadorias

Eficiência na Gestão do Estoque na Reabertura das Lojas

À medida que as lojas reabrem, a preocupação natural dos executivos de varejo é com a segurança, principalmente a adoção de medidas de distanciamento social para reduzir a exposição. Contudo, eles também buscam maneiras melhores de aumentar a automação e simplificar as operações da loja. Devido ao crescimento substancial de operações omnicanal dentro da loja, não é surpresa que isso seja uma prioridade. Mesmo dentro da comunidade de clientes da Oracle Retail, onde muitos varejistas  oferecem distintos modelos de retirada do lado de fora da loja, a coleta na calçada ou o envio da loja para os clientes, através da utilização da solução de gestão de estoque de lojas. Somente em abril, houve um aumento anual de 208% nos pedidos on-line nos Estados Unidos e esse comportamento provavelmente continuará. Em meados de maio, 56% dos clientes entrevistados pretendiam continuar usando o BOPIS* até mesmo depois que crise da saúde passar. A McKinsey publicou um artigo fascinante ressaltando que a crise do COVID-19 “identificou que a mudança das lojas de varejo tornou-se uma situação literalmente insustentável. Insistimos aos varejistas para que se preparem para a nova próxima etapa, tomando medidas decisivas agora. Os varejistas visionários redefinirão o papel de suas lojas, simplificarão suas operações e reavaliarão suas redes de lojas”. Os varejistas procuram redefinir suas lojas abordando amplamente o contexto da jornada de seus clientes. A única coisa que você precisa ter para entregar nas jornadas dos clientes é o estoque preciso. Que estoque você possui? Onde ele está? Ele é fácil de vender? Caso não tenha precisão e visibilidade do estoque em tempo real e em um nível detalhado – especialmente para alguns setores, comos Telecomunicações, que exigem serialização de produtos – não é possível reservar e manter estoque dentro dos estabelecimentos. Se você não possui um processo eficiente de retirada de pedidos e processo de envio da loja, simplesmente não pode atender as jornadas dos clientes com eficiência e corre o risco de perder clientes fiéis. Principais Benefícios de uma Solução Eficaz de Gestão De Estoque de Lojas Aumenta a receita, garantindo visibilidade precisa e em tempo real do estoque disponível para promessas e atendimento de pedidos, além de alocação e reposição Proporciona satisfação do cliente com processos consistentes e sem falhas de atendimento de pedidos Reduz os custos ao negar a necessidade de ter altos níveis de estoque de segurança Reduz custos, permitindo demarcações mais inteligentes e otimizadas ou evitando demarcações, pois o estoque estava no lugar certo, no momento certo Aumenta a precisão do estoque e proporciona aos varejistas maior confiança na avaliação de estoque Permite atender todos os pedidos dos clientes (retirada do lado de fora da loja, retirada na loja, envio da loja para entrega em domicílio, etc.) Redistribui o estoque para manter o sortimento ideal nas lojas em todo o estado da loja  Oferece suporte ao distanciamento social e garante segurança associada ao uso de dispositivos móveis e visibilidade proativa para tarefas que exigem muito trabalho Contudo, um estoque preciso não diz respeito apenas a contagem ou ajustes. Ele é realizado através de processos controlados e eficientes, adaptados aos requisitos de sua empresa para recebimento, envio, transferências e todos os tipos de contagens de estoque, sejam contagem específica, contagens de ciclo ou contagem de unidades e valores. É possível fazer a devolução a um fornecedor e depois escolher um pedido do cliente para coleta na loja. Finalmente, é prático ter um painel que ressalte a falta de estoque ou a capacidade de fazer uma pesquisa rápida no contêiner, para que você conheça imediatamente o conteúdo desse contêiner. RFID Otimiza o Processo de Estoque É possível ter um estoque preciso sem RFID. No entanto, com RFID, quase todo o processo de estoque é aprimorado. As contagens de estoque variam de horas a minutos, mas, independentemente de todos os artigos estarem com etiqueta ou apenas um subconjunto de sua coleção tiver etiqueta, você precisará de um local para ter o estoque preciso de todos os itens. RFID tem sido uma parte fundamental de nossa estratégia para a gestão de estoque da loja. É essencial termos e fornecermos suporte aos nossos varejistas que podem decidir não colocar etiqueta em todos os itens e, sim, fazer um subconjunto ou um piloto de RFID. Portanto, a solução de gestão de estoque precisa receber informações da solução RFID, digitalizar as próprias etiquetas RFID e também contabilizar o estoque de itens sem etiqueta. Ela também precisa agir com precisão se os itens com e sem etiquetas estiverem na mesma transação.  Descobrimos que um número cada vez maior de varejistas se esforçaram para utilizar RFID, principalmente com o custo das etiquetas diminuindo. Ganhos Significativos em Precisão do Estoque Precisão de estoque de até 98% Usando RFID, houve uma redução de 75% no tempo necessário para fazer as contagens de estoque Redução de 85% no tempo necessário para receber mercadorias em estoque Redução de 50% em mão-de-obra para demarcação na loja Aumento de vendas de 15% Destaque do Sucesso do Cliente: KOJ Um cliente de longa data da Oracle Retail no Oriente Médio, KOJ ou Kamal Osman Jamjoon, possui várias marcas de moda e beleza e administra franquias para varejistas como The Body Shop e Early Learning Center no Oriente Médio. Eles alcançaram uma precisão de estoque de 98,5% na loja após levar apenas seis meses para atualizar a Solução Oracle Retail Store Inventory Management, sua solução Oracle Retail Merchandising Operations e a solução Oracle Retail Warehouse Management. Outras áreas onde houve melhoria: Atendeu às expectativas de nível de serviço e bens otimizados provenientes de três centros de distribuição Melhorou operações de loja e elevou a satisfação do cliente proporcionando confiança e precisão na disponibilidade das mercadorias Obteve uma versão única dos dados dos clientes e uma visão mais unificada dos dados operacionais Simplificou a experiência do usuário para as soluções de Merchandising, Store e Warehouse Management Integrado a sistemas externos, incluindo Marketing Cloud e Data Analytics Ganhou eficiência e observou uma redução significativa nos custos de mão-de-obra "Ao utilizar a plataforma da Oracle Retail, obtivemos eficiência e confiança alimentadas por uma visão corporativa da demanda e nossa capacidade de atender aos requisitos de estoque em locais e pontos de interação", afirmou Ian Halliwell, vice-presidente executivo da KOJ.   * BOPIS: Buy On-line, Pick up In-Store - Comprar Online e Retirar na Loja

À medida que as lojas reabrem, a preocupação natural dos executivos de varejo é com a segurança, principalmente a adoção de medidas de distanciamento social para reduzir a exposição. Contudo,...

Planejamento e Otimização

Dicas Sobre Como Solucionar a Deficiência de Dados no Varejo

De acordo com a Harvard Business Review, varejistas como você enfrentam dificuldades resultante da insuficiência de dados de varejo e mudanças no comportamento do consumidor à medida que as operações nas lojas são retomadas. Embora a reabertura das lojas seja diferente em cada estado, há esperança e recursos para ajudar na transição.  Conforme as lojas são reabertas, um dos desafios enfrentados é como lidar com as semanas de paralisação no que se refere às operações de dados de varejo. Portanto, é essencial prosseguir tendo uma imagem clara e um parâmetro de dados para trabalhar em suas lojas e outros canais de varejo. Este artigo oferece orientação nas áreas de correção de dados e otimização do histórico de dados de varejo para uso futuro, e apresenta os serviços disponíveis para obter ajuda adicional.  Desafio comercial – Solucionar Irregularidades de Dados em Toda a Cadeia de Suprimentos  As irregularidades nos dados de varejo ocorreram por inúmeras razões, entre elas: lojas fechadas, falta de estoque pois os consumidores estocaram itens específicos e outras quebras na cadeia de suprimentos.  Perguntas a Serem Respondidas Como o seu negócio foi afetado? Os varejistas de artigos moda terão necessidades de dados diferentes dos supermercadistas. Por exemplo, semanas onde não houve venda nenhuma nas lojas fechadas exigirão análises e ações diferentes dos padrões de vendas inflados e falta de estoque vivenciados em muitos supermercados.  Qual processo de negócios é impactado pela irregularidade dos dados? É preciso considerar como você corrige os dados por uso de aplicativo, grupo de usuários e processo de negócios.  Qual foi o impacto no seu canal de e-commerce? Como isso difere de seus outros canais? Há aprendizado a ser aplicado?  4 Pontos a Serem Analisados Se ainda não o fez, registre as datas de fechamento/abertura por estabelecimento (e categoria de mercadoria, se aplicável).  Identifique as semanas em que a atividade estava diminuindo ou aumentando, ou seja, que não estava se comportando como de costume.  Analise as vendas de e-commerce e descubra as mudanças na demanda.  Avalie o ano passado ou as temporadas anteriores para obter um parâmetro de precisão.  Um Olhar para Cada Necessidade de Dados Como você sabe, os dados são usados em todos os aspectos da atividade de varejo, e as anomalias afetam todos os processos de negócios, mas a gravidade e a solução podem variar de acordo com o processo.  Os processos de alocação e reabastecimento usam o histórico recente para determinar as necessidades de estoque de cada loja, bem como previsões de longo prazo para manter a cadeia de suprimentos ativa.  Leve em consideração como ajustar alocações e pedidos de reabastecimento para justificar as anomalias de dados. Os planejadores usam o histórico de dados como base para novos planos (ou seja, propagando um plano financeiro de mercadorias – Merchandise Financial Plan – do ano passado). Concentre-se em criar um novo plano, primeiro decidindo usar o histórico de dois anos atrás, uma opção de calendário diferente ou algo completamente diferente. Os analistas de preços usam o histórico de dados para determinar estratégias de demarcação. Os itens que vendem menos são direcionados para demarcação e liquidação.  Como você pode ajustar estratégias para gerenciar o orçamento de demarcação e obter uma margem razoável sempre que possível?  Os analistas de previsão e ciência usam o histórico de dados para suas análises. Analise como lidar com as anomalias de dados para previsão no próximo mês x na próxima temporada x no próximo ano.  Serviços Otimizados de Histórico e Correção de Dados A Oracle Retail oferece serviços de correção de dados e histórico otimizado baseados na ciência que proporcionam diversos benefícios de análise. Podemos ajudar na análise de seus dados para identificar os pontos de dados atípicos, fornecer pré-processamento e suavização dos dados para uso em processos de negócios, além de um exame e análise detalhados para obter recomendações adicionais. A Oracle Retail Consulting trabalhará com você para determinar o nível de assistência necessária com base em seus objetivos, preocupações e desafios exclusivos durante essa época sem precedentes.  Esses serviços serão adaptados às suas necessidades e objetivos específicos, incluindo correção, insights, valor e oportunidade. A solução inclui opções de ajuda básicas, intermediárias e avançadas. Se você tiver alguma dúvida sobre este serviço ou a plataforma Retail Science, envie um e-mail para retail-central-consulting_ww@oracle.com, e um de nossos especialistas entrará em contato com você. Consulte as orientações práticas e opções de serviço adicionais neste documento (em inglês).

De acordo com a Harvard Business Review, varejistas como você enfrentam dificuldades resultante da insuficiência de dados de varejo e mudanças no comportamento do consumidor à medida que as operações...

Melhores Práticas & Tendências

Preparando-se para a Próxima Nova Etapa: Desenvolvendo Confiança e Resiliência

A recente crise desvendou processos de negócios e normas sociais semelhantes, deixando o varejo em um estado de incerteza. Nós nos referimos ao futuro próximo como a Nova Próxima Etapa, porque não há nada normal nisso. Ainda não há um roteiro claro sobre o que vem pela frente, mas a tecnologia possibilita que varejistas operem com agilidade comercial e ampliem recursos visando introduzir novas jornadas de clientes à medida que as compras evoluem.  A partir do COVID-19, uma coisa ficou óbvia; o varejo luta para sobreviver sem o poder da loja física por trás da experiência digital. Os hábitos de compra dos consumidores mudaram, mas ninguém sabe ainda se essas mudanças são temporárias ou permanentes. Com a reabertura, o papel da loja e os associados precisam se transformar para atender a uma nova experiência de compra. À medida que surgem as novas jornadas dos clientes e as experiências de compras, a execução é tudo.  Surgimento de Novas Jornadas  Uma pesquisa da McKinsey constatou recentemente que as marcas capazes de melhorar a jornada do cliente podem ter um aumento de receita de 10 a 15%, e reduzir o custo de atendimento de 15 a 20%. Embora uma jornada digital tradicional (pedido feito on-line, envio para casa a partir de um centro de distribuição) seja a jornada mais barata, observamos que o digital sozinho não é a resposta durante a crise.  O segredo do sucesso para os varejistas é uma operação omnicanal flexível e sofisticada. Até mesmo os principais varejistas – como a Tesco – tiveram que reconsiderar as compras on-line e entregas para consumidores vulneráveis para garantir que eles recebessem um serviço adequado. Tradicionalmente, o BOPIS (compra on-line, retirada na loja) é a opção mais lucrativa para o varejista, mas não necessariamente a mais barata. Se o consumidor vier à loja, o valor médio do pedido aumentará cerca de 35%. Setenta e cinco por cento dos consumidores que chegam à loja provavelmente fazem uma compra adicional, e 49% dos compradores fazem compras indesejadas quando pegam seu item na loja. Precisam surgir novas jornadas que respeitem o distanciamento social, levem em conta experiências sem contato e ainda proporcionem descoberta durante a experiência de compra. O risco de uma experiência medíocre para o cliente aumenta à medida que as experiência de compra se transformam, mas o mesmo ocorre com as inovações em andamento e tecnologias que ajudam a facilitar e aprimorar a jornada.  Varejistas precisam de uma experiência integrada e coordenada que proporcione transparência e flexibilidade para atender pedidos de vários locais e atender às necessidades do cliente. Em uma época de incertezas, os consumidores desejam ter uma experiência de compra previsível, sem atrasos.  Cinco maneiras pelas quais varejistas e marcas podem desenvolver confiança e criar resiliência   Conquiste confiança. A segurança é primordial para os consumidores. Os varejistas precisam reagir adequadamente e garantir que todas as precauções necessárias tenham sido tomadas antes de o consumidor entrar na loja. Os varejistas que operam em vários países precisarão cumprir as exigências distintas de acordo com a região, mantendo a mesma experiência de marca. Estude seu cliente. Nas duas primeiras semanas da reabertura, os varejistas observaram compras transacionais. Havia uma demanda reprimida de compras ou itens que precisavam ser reabastecidos de uma base de clientes existente. Duas semanas após a abertura, os clientes desejavam ter novamente a experiência social do varejo com segurança. É muito cedo para dizer como a tendência continuará. Contudo, é mais do que provável observarmos os clientes retornando a um modelo híbrido – o que é uma coisa boa. A pesquisa da McKinsey confirma que os clientes que compram em vários canais são duas vezes mais rentáveis. Ao segmentar dados do cliente e entregar ofertas relevantes, os varejistas conseguem articular o retorno da demanda do consumidor com um modelo de atendimento mais flexível.  Empregue Agile em tudo. Funcionários, lojas, estoque, pedidos e suprimentos precisam ser ágeis e responsivos. A tecnologia automatiza e dimensiona processos de negócios, oferecendo flexibilidade para ajustar e adaptar as jornadas dos clientes. Com transparência operacional, os varejistas obtêm uma visão única do pedido, estoque e cliente para reagir com mais eficiência na Próxima Nova Etapa e proteger as margens. Capacite com informações. Sim, os dados estão mudando. O consumidor de hoje tem acesso ilimitado a informações, às vezes a mais informações do que muitos funcionários da loja. Nivele o jogo para sua equipe e capacite a equipe de loja com as ferramentas e os dados necessários para proporcionar uma experiência superior. Aproveite a inteligência artificial e o machine learning para prever as necessidades do consumidor e aprimorar a experiência para seu cliente e sua equipe, proporcionando maior satisfação para ambos. Estabelecer canais de comunicação. Os varejistas precisam implementar comunicações localizadas. Se tivermos uma segunda onda de paralisações, acreditamos que os fechamentos serão mais controlados. Comunique-se com os clientes em nível local para redirecionar a demanda para estabelecimentos e canais alternativos. Como exemplo, se o contágio surgir novamente em Londres, provavelmente as lojas ficarão abertas no Sudeste. Com a tecnologia implementada, os varejistas conseguem se comunicar de maneira mais específica, introduzir novas oportunidades para atender à demanda e conter o impacto em seus negócios.   Reconhecemos que os varejistas precisam de ofertas rápidas e abrangentes que lhes permitam enxergar o valor comercial em questão de semanas, não meses. Como resposta, estabelecemos um Centro de recursos do COVID-19. Reunimos uma série de conteúdos informativos, webcasts e checklists para ajudar os varejistas a reabrir lojas, avaliar estratégias de estoque, analisar checklists para reabertura de lojas e ajustar previsões. O centro de recursos permite que os varejistas leiam o conteúdo, conectem-se com a comunidade e conectem-se com especialistas de varejo no seu próprio ritmo. Continuaremos a fornecer conteúdo para ajudar os varejistas a liderar neste momento de crise.

A recente crise desvendou processos de negócios e normas sociais semelhantes, deixando o varejo em um estado de incerteza. Nós nos referimos ao futuro próximo como a Nova Próxima Etapa, porque não há...

Melhores Práticas & Tendências

3 Estratégias para Liderar a Próxima Nova Etapa no Varejo

A situação atual da saúde desorganizou os processos de negócios e as normas sociais, deixando o varejo – um setor essencialmente social baseado na troca de bens físicos – em um estado de inconstância. Batizamos essa situação de a "Próxima Nova Etapa", porque sejamos honestos; não há nada normal nesse evento incompreensível e nenhum caminho claro a ser adotado. Os clientes mudam constantemente a forma como compram, desafiando os varejistas a criar novos KPIs que precisam ser monitorados e novas práticas de negócios que ainda precisam ser definidas. Ao enfrentar novos cenários, os varejistas precisam se mover rapidamente para aproveitar as oportunidades à medida que elas surgem. Independentemente do tamanho da receita ou segmento, o modelo de negócios principal mudou e a velocidade é tratada no nível da diretoria. Embora o caminho a seguir ainda seja desconhecido, a próxima era do varejo será definida pela contínua reinvenção do cenário e pelo compromisso das marcas em se adaptar e evoluir. Essas estratégias ajudarão os varejistas a traçar um curso estável e encontrar o próprio caminho por territórios desconhecidos. Da mesma forma que uma bússola ajuda a nos orientarmos em ambientes desconhecidos, a tecnologia ajuda os varejistas a entender a situação e fazer escolhas mais embasadas diante da incerteza. Então, como os varejistas conseguirão navegar na Próxima Nova Etapa? Nosso objetivo foi responder a essa pergunta detalhadamente através do nosso centro de recursos (em inglês). Contudo, de forma geral, vemos os varejistas reotimizando o estoque, reabrindo com segurança as lojas e expandindo a jornada do cliente para empregar seus investimentos de maneira diferente visando atender à demanda. Além das táticas, os varejistas precisam agora adotar três estratégias principais para liderar em um momento de mudança. Concentrar-se no Cliente O cliente é mais importante do que nunca e sua jornada continua sendo redesenhada. Os varejistas devem resistir ao desejo de mudar o foco para dentro e continuar investindo com objetivo. Eles têm a oportunidade de reinventar os processos de negócios para se beneficiar do poder e do valor dos ambientes físico e digital juntos. O segredo do sucesso é encontrar um equilíbrio para obter uma visão única de estoque, clientes e pedidos. Com ofertas ampliadas e novas expectativas de entrega, como compra on-line, retirada do lado de fora da loja ou entrega local em um dia, o papel da loja física aumentou significativamente e é fundamental para se alcançar a última etapa do varejo. Portanto, como varejistas colocam o cliente no centro de tudo o que fazem, desde o design e o desenvolvimento dos produtos mais inovadores para atrair e reter seus clientes? É preciso equilibrar constantemente arte e ciência de dados para oferecer a combinação certa de merchandising visando atrair e reter clientes. Estratégias inteligentes de precificação e otimização utilizam análises, ciência de dados e tecnologia de previsão de demanda para atrair clientes. Ao personalizar a experiência com ofertas relevantes e manter um foco externo, o varejista será recompensado com compradores fiéis e receita contínua.  Empregar Metodologia Agile em Tudo Os varejistas precisam adotar uma metodologia Agile na empresa de varejo como um todo. Eles precisam gerenciar a demanda desconhecida com recursos e capacidade finitos. Ao adotar processos de negócios e modelos operacionais Agile, as empresas protegem as margens sem sacrificar o atendimento ao cliente, mapeando estratégias de estoque e a cadeia de suprimentos para atender à demanda. Os hábitos, necessidades e expectativas de compra do consumidor mudaram. As jornadas dos consumidores não são mais previsíveis e o varejista precisa se preparar para reagir de acordo. A função dos vendedores se ampliou e eles precisam ser tão flexíveis quanto os processos que os varejistas implementam para dar suporte à Próxima Nova Etapa. Embora as lojas físicas estejam reabrindo aos poucos, varejistas redefinirão maneiras exclusivas de utilizá-las para atender a demanda dos clientes. Eventualmente as lojas físicas se tornarão centros de atendimento de pedidos e os funcionários desempenharão novos papéis no processo para atender à demanda. Com uma única visão e transparência do estoque em tempo real, varejistas conseguem enxergar em que local está cada produto. Essa informação pode ser usada para determinar os meios mais eficientes e econômicos de levar o produto ao cliente rapidamente. Confiança e Transparência A confiança é um contrato que precisa ser continuamente examinado, nutrido e renovado. Confiança significa algo novo e mais profundo hoje do que antes da crise. Anteriormente, os consumidores esperavam que as marcas atendessem a aspectos vitais, como padrões de rotulagem e comércio existentes em todo o mundo. Transparência significava visibilidade de forma sustentável e conformidade com a abordagem ética. Agora, a evolução da experiência da marca vai além da segurança e transparência dos dados, exigindo garantias de segurança pessoal e distanciamento social durante as compras. Varejistas precisam adotar protocolos e procedimentos para garantir que as pessoas que dão suporte ao varejo em todo o mundo estejam protegidas. Eles precisam considerar como gerenciar com segurança a quantidade de clientes que entram em um estabelecimento físico, promovendo a experiência da marca. E eles precisam garantir que aqueles que trabalham no armazém e nas lojas também estejam protegidos. Como observamos na crise, os varejistas que lutaram com o último enfrentaram reação adversa. Independentemente do canal, as expectativas precisam ser acordadas, e os consumidores precisam acreditar que o prometido será cumprido.   Conforme saímos da crise e as lojas reabrem totalmente, inteligência e agilidade serão fundamentais. Além de precisarem entender melhor seus clientes e mudar com eles à medida que sua jornada evolui, os varejistas também precisam ser capazes de manter a excelência em cada ponto de interação – desde a primeira interação até a entrega do produto. Acesse aqui para obter mais dicas (em inglês).

A situação atual da saúde desorganizou os processos de negócios e as normas sociais, deixando o varejo – um setor essencialmente social baseado na troca de bens físicos – em um estado de inconstância....

Ciência para Varejo

Três Decisões de Varejo Melhor Tomadas com Insights do Consumidor

O varejo mudou de inúmeras maneiras nos últimos anos – e nos últimos três meses - e continuará a evoluir na próxima década, mas um fator no varejo permanece constante: o cliente. Agora e no futuro, o segredo para conquistar sucesso no varejo e satisfação do cliente está intrínseco à compreensão profunda das pessoas – os clientes da sua marca e a grande parcela de consumidores que podem se tornar clientes – para ajudar a moldar a experiência de varejo da marca e a tomada de decisões de varejo.  Inspirada por inovação, a Oracle trouxe ao mercado uma solução pioneira e inovadora que ajudará marcas e empresas a entenderem melhor os clientes que já possuem e os possíveis clientes. O Oracle Retail Consumer Insights representa uma colaboração estratégica com o Oracle Data Cloud e fornece um nível inédito de informações para as equipes de marketing de varejo que buscam entender melhor os clientes existentes e otimizar campanhas de aquisição de novos clientes de varejo. (Foto acima: Análise de atributos demográficos e comportamentais de clientes em comparação a consumidores com um conjunto combinado intuitivo de ferramentas analíticas.) Mas isso é apenas o começo. Além de ajudar os varejistas a adquirir novos clientes, o Consumer Insights fornece inteligência contextual para ajudar as marcas a tomarem decisões mais inteligentes nas operações de varejo – como marketing, planejamento e merchandising. 3 Decisões de Varejo Fundamentais para Concentrar-se no Cliente Organizamos uma lista bem resumida com três decisões fundamentais de varejo que serão tomadas melhor se você se concentrar no cliente com inteligência contextual fornecida pelo Oracle Retail Consumer Insights em 2020 e no futuro: 1. Decisões sobre preços de varejo: promoções e ofertas individuais Embora alguns consumidores queiram ter a sensação de que estão fazendo o melhor negócio, outros podem ser motivados pela velocidade, conveniência e cada vez mais pela segurança. Com informações limitadas até mesmo sobre seus clientes mais fiéis, fica difícil determinar o que motivará alguém a comprar. Todavia, é seguro dizer que os preços sempre fazem parte da equação. Em nossa pesquisa, os consumidores se comportam de maneiras distintas e atingem o ponto crucial nas decisões de compra dependendo do artigo que estão comprando. Em alguns casos, podem estar procurando o melhor negócio, mas em outros cenários, eles podem estar atrás do caminho mais conveniente e rápido. Além disso, acontecimentos sem precedentes, como o que estamos vivendo, afetam o comportamento do consumidor e a tomada de decisões, criando uma meta móvel para os varejistas que tentam executar uma estratégia de oferta personalizada. Utilizar o Consumer Insights para conciliar seus dados primários com as extensas informações de terceiros do Oracle Data Cloud de mais de 1.500 varejistas pode ajudá-lo a criar uma visão integral de seus clientes, além das interações deles com sua marca, e aprimorar sua estratégia promocional para obter melhores resultados.  2. Decisões estratégicas para lojas de varejo: localização, encerramentos, formato  As vendas on-line estão mais impulsionadas e lojas e muitas lojas ainda estão fechadas. Quais lojas reabrir? Quais lojas fechar definitivamente? Muitos varejistas são pressionados a tomar a difícil decisão de encerrar as atividades de uma loja. Essas decisões são cruciais e têm um amplo impacto na marca, nos funcionários e na comunidade em geral. É prudente considerar não apenas as vendas da mesma loja (same-store sales) e a lucratividade, deve-se considerar também como o fechamento de uma loja afetará as vendas on-line nas redondezas. Avaliar o impacto potencial de uma mudança no formato da loja – digamos, do formato tradicional para showroom, ou como núcleo para compra on-line com retirada na loja (BOPIS) ou compra on-line com devolução na loja (BORIS), é algo que os varejistas podem conseguir através da inteligência contextual. Uma compreensão mais abrangente dos comportamentos e atributos – não apenas dos clientes existentes, mas também de uma parcela mais ampla de consumidores que provavelmente se encaixarão na marca caso seja adotada uma nova abordagem de loja – proporcionará aos varejistas uma visão mais estratégica do impacto futuro de sua estratégia de loja.   3. Decisões relacionadas ao programa de fidelidade no varejo: design e eficácia  Para que as marcas continuem tendo relevância, elas precisam criar programas de fidelidade que reconheçam os consumidores como indivíduos com um nível de serviço que vai além da experiência tradicional da marca. Em nossa pesquisa de varejo, identificamos duas características essenciais dos programas de fidelidade: eles precisam estar conectados ao indivíduo e eles precisam oferecer gratificação instantânea. Como o mercado está extremamente saturado de aplicativos de fidelidade, pontos e promoções veladas, as marcas gastam muito dinheiro em programas de fidelidade. Contudo, será que eles são eficazes? Como você avalia quantitativamente a eficácia dos programas atuais e como calcula o impacto potencial de futuros esquemas de fidelidade? O Consumer Insights fornece aos varejistas inteligência contextual sobre os clientes que já possuem e os possíveis clientes, com base em mais de 375 atributos de clientes e em mais de 5 trilhões de transações. Com acesso a informações dessa magnitude, as marcas conseguem ter uma compreensão mais clara do que seus clientes desejam e precisam e oferecem ofertas e programas de fidelidade mais relevantes e eficazes que geram retorno sobre o investimento, especialmente nesses tempos de crise que vivemos. Saiba mais sobre a inteligência artificial no varejo por intermédio de soluções como Oracle Retail Consumer Insights e outras soluções de Retail Science and Insights aqui.  Assista ao vídeo sobre o produto, leia a ficha técnica e solicite uma reunião exclusiva aqui. Material em inglês, reunião em seu idioma local.

O varejo mudou de inúmeras maneiras nos últimos anos – e nos últimos três meses - e continuará a evoluir na próxima década, mas um fator no varejo permanece constante: o cliente. Agora e no futuro, o...

Cadeia de Abastecimento

Descritivo, Prescritivo e Preditivo: A Tríade Que Fortalece a Cadeia de Suprimentos de Supermercados

Nos últimos anos, e em particular nos últimos meses, observamos o varejo iniciar uma transformação sem precedentes, modificando-se à medida que os hábitos do consumidor foram migrando para o digital. Em 2019, entrevistamos 15.800 consumidores pelo mundo e descobrimos que apenas 45% dos consumidores no mundo todo estavam interessados em entrega de supermercado ou farmácia. Os consumidores norte-americanos ficaram entre os com índice mais baixos, com apenas 34% preferindo a entrega das compras de supermercado. A Europa também estava atrasada na adoção de entregas, com apenas 36%. No mundo todo, indivíduos acima dos 55 anos tinham pouco interesse na ideia (27%). Passando rapidamente pela crise da saúde, observamos uma mudança maciça nos comportamentos de compra. Em março houve um aumento nas vendas por e-commerce nos EUA em várias categorias – as vendas de supermercados feitas por e-commerce dobraram entre 13 e 15 de março em comparação com 1 a 11 de março e as vendas gerais por e-commerce subiram 25% na mesma comparação1. Muitos varejistas acreditavam que seus equivalentes on-line não substituiriam hábitos como compras feitas pessoalmente. Essa suposição virou de cabeça para baixo com tamanha rapidez com a crise de saúde que os varejistas precisaram reagir a esse evento imprevisível. As vendas on-line de supermercados cresceram, as cadeias de suprimentos foram testadas e a identidade das compras de supermercado talvez tenha mudado para sempre. Esse impulso excepcional no supermercado on-line continuará? Só o tempo dirá. É interessante observar os movimentos dos grandes players que dominam o ambiente on-line. Como eles se desenvolvem e se adaptam a esse crescente ambiente de varejo? Quais métodos estão usando? Acreditamos que uma poderosa tríade de análises descritivas, prescritivas e preditivas possa representar uma vantagem competitiva em toda a sua empresa de varejo. A estratégia dominante para os principais players de e-commerce é apostar alto nos dados, usando as informações extraídas para agir rapidamente e proporcionar uma experiência inigualável ao cliente, com boa relação custo-benefício. Usando essa inteligência de dados como combustível, os líderes evoluem e mudam continuamente para atender à demanda de seus clientes de uma maneira que permita superar a concorrência. O Desafio para os Varejistas Então, como seria essa sobrecarga no atendimento ao cliente e na eficiência? Bem, ela inclui entrega em domicílio no dia seguinte e taxas competitivas. Fornece "corredores infinitos" de produtos e – se você é como a Amazon – um sortimento infinito, parcialmente alimentado por 2,8 milhões de vendedores externos, o que representa mais de 40% das unidades vendidas pela gigante digital. Exige o cultivo de níveis extremos de fidelidade do cliente (quase 50% da população dos EUA pagam pela associação Prime). Embora intimidador, um sucesso como esse não é nada mágico. A atenção séria e exclusiva aos padrões de dados resume-se em observar as imperceptíveis e as mínimas propagações variacionais. Varejistas estão extraindo o máximo de inteligência de dados provenientes dos hábitos de compra e usando-a para resolver problemas da cadeia de suprimentos no back-end, e isso abre caminho para análises preditivas elaboradas que impulsionam a verdadeira satisfação do cliente. Complexidade das Previsões Vamos olhar uma cadeia de supermercados de tamanho médio, que oferece uma experiência omnicanal padrão. Digamos que haja 200 fornecedores, três centros de distribuição, 200 locais físicos, 10.000 SKUs, de 15 a 20 milhões de pedidos e cerca de um milhão de clientes por ano. Vamos supor também que 5 a 10% de todos os pedidos sejam feitos on-line, para entrega em domicílio ou retirada do lado de fora da loja, e que haja entregas diárias regulares em cada loja. Mesmo um varejista típico como esse, interessado em entender a demanda no nível do consumidor, teria nada menos que 2,73 trilhões de cruzamentos de dados influenciando o cálculo da demanda. Essa realidade faz da gestão do estoque um dos maiores desafios do varejo moderno, e esse número nem considera o aumento interminável das ofertas de sortimentos e uma tendência incansável para produtos com ciclos de vida mais curtos. Essa profunda fragmentação da demanda exige que os varejistas repensem os métodos empregados em suas previsões, para conseguirem adotar uma abordagem individualizada além do que é possível com uma série temporal antiquada. Os varejistas precisam mudar para algo que permita o fornecimento contínuo de itens novos e personalizados com um ciclo de vida mais curto. Adote a Tríade de Análise É possível oferecer aos clientes uma gama dinâmica e sempre ajustável e uma variedade de produtos sem ser um gigante da internet, mas isso torna a  previsão da demanda mais desafiadora. Felizmente, ferramentas como machine learning agora fornecem previsões precisas, mesmo com uma seleção de produtos bastante variável e fragmentada, e lidam com a complexa cadeia de suprimentos relacionada a ela. Dado o crescimento exponencial dos cruzamentos de dados e a fragmentação da demanda no varejo moderno, não seria realista esperar obter informações práticas, aplicando-se métodos tradicionais no nível do item com o histórico de vendas regular. Do mesmo modo, a ideia de analisar a demanda de forma agregada – como uma categoria ou um departamento – embora seja tentadora, muitas vezes mascara detalhes sobre o desempenho de itens específicos em um grupo de itens mais amplo. No entanto, com o uso de inteligência artificial e machine learning, varejistas contam com uma abordagem mais confiável, com base em diversos "atributos" de produtos e de consumidores. Os atributos representam um conjunto de dados menos variável e irregular que permite que itens e clientes sejam agrupados de várias maneiras diferentes, com base em relacionamentos e semelhanças. Ao aplicar análises descritivas, prescritivas e preditivas, você mapeia e analisa essas características determinadas por perícia, fornecendo previsões precisas. Por fim, consegue detalhar a complexidade da cadeia de suprimentos omnicanal tornando-a algo mais estável e previsível. O Varejo está Voltado para o Cliente Essa estratégia coloca as preferências do cliente no centro da tomada de decisões da cadeia de suprimentos e permite que o machine learning avalie e se adapte aos dados do consumidor continuamente. Os sistemas inteligentes, usando análises de quarta dimensão, vasculham cruzamentos de produtos e dados do consumidor. Essas análises fornecem informações prescritivas que resultam em uma compreensão moderna do consumidor, transformando o antigo paradigma “produto certo, no lugar certo e na hora certa” em um novo paradigma que funciona melhor no varejo moderno “o que é certo para meu cliente?”. Uma cadeia de suprimentos genuinamente moderna precisa ter a capacidade de prever, não apenas quando um item pode ser vendido, mas também quando é mais provável que um consumidor faça uma compra específica. Usar sistemas específicos de varejo, com machine learning, permite compreender atributos para itens e consumidores, resultando na utilização mais eficaz do estoque e em altíssima satisfação do consumidor, proporcionando aos varejistas uma vantagem competitiva, independentemente do tamanho. Ter esse tipo de agilidade permite que os fornecedores lidem com as crescentes expectativas dos consumidores, a volatilidade do varejo e a flutuação da demanda em um ambiente em que a inovação é altamente necessária e desafiadora. Anteriormente, esse tipo de capacidade de resposta era o único domínio das superpotências digitais. Todavia, agora mais do que nunca, é necessário a tríade de análises para sustentar e preparar os varejistas para choques na cadeia de suprimentos.   Veja uma demonstração uma de nossas soluções para cadeia de suprimentos – Retail Demand Forecasting 1 De acordo com Mike O'Brien, da Multichannel Merchant e empregando o Adobe Analytics  

Nos últimos anos, e em particular nos últimos meses, observamos o varejo iniciar uma transformação sem precedentes, modificando-se à medida que os hábitos do consumidor foram migrando para o digital. Em...

PDV/POS hardware e software

PDVs Flexíveis para Planejar a Experiência na Reabertura das Lojas

Num momento sensível para o varejo e para os consumidores, a agilidade n momento da compra nunca foi tão valorizada. Para os consumidores, a praticidade ainda é primordial – mais do que nunca eles querem entrar e sair com as mercadorias que estavam procurando, o que só pode acontecer quando o estoque é acessível e inteligente. Para permitir que as marcas cumpram essa promessa, a Oracle Retail desenvolveu continuamente o Xstore Point-of-Service (POS/PDV) e os sistemas de hardware da Oracle.   Os modelos Workstation 655 e 625 apresentam um design elegante e contemporâneo, construído com uma aparência robusta, porém minimalista. Os modelos da linha Workstation 6 já vêm instalados com o sistema operacional 'Oracle Linux for MICROS' ou com o Windows 10 IoT Enterprise. Isso permite que varejistas se concentrem em sua missão principal de oferecer ao cliente uma experiência mais alinhada à sua marca, sem sacrificar a escala ou o crescimento a longo prazo. A plataforma da Oracle para o varejo moderno permite que os varejistas selecionem o formato que melhor se ajusta à imagem exclusiva de sua marca e às expectativas dos clientes. Talvez seja uma loja totalmente móvel, unidades fixas discretas ou uma combinação de ambas, algo cada vez mais comum. O formato é tão importante quanto ter soluções integradas de ponto de venda (PDV) de hardware e software que proporcionem consistência entre interfaces, recursos e funcionalidades. Essa consistência garante uma experiência perfeita tanto para o consumidor como para o vendedor, reduzindo erros, aumentando a agilidade e aprimorando a interação por intermédio de inclusão de dados avançados do cliente.   Por exemplo, usando os dados do cliente contidos no Xstore em seu tablet móvel, o funcionário consegue direcionar o consumidor para o produto desejado rapidamente, verificando se ele está em estoque e finalizando a transação no próprio setor em que o produto se encontra. Uma experiência perfeita e conveniente, tanto para o consumidor quanto para o vendedor, combinando segurança e agilidade.  À medida que varejistas exploram novas experiências para a loja no momento de reabertura, a Oracle oferece um dispositivo de hardware projetado desde o início, inclusive periféricos, sistema operacional, servidores de aplicativos e banco de dados considerados os melhores do setor – todos projetados para executar e aprimorar a experiência do Oracle Retail Xstore Point-of-Service assim que são instalados. "Nosso hardware mais recente tem uma aparência moderna e aspecto mais simples, resiliente e amigável, que suporta aplicativos de lojas dotados de recursos completos", declarou Jeff Warren, vice-presidente de estratégia da Oracle Retail. "Juntando isso à nossa solução de serviços de hardware, o resultado é uma abordagem ágil que permite que varejistas de todos os tamanhos escolham o PDV mais adequado à própria imagem, sem sacrificar os recursos e a funcionalidade do software". O portfólio de hardware da Oracle Retail é totalmente integrado ao Oracle Retail Xstore Point-of-Service e à suite omnicanal. A solução coesa oferece aos varejistas inúmeros benefícios, como implementação mais rápida, custo total de propriedade (TCO) mais baixo, experiência consistente do usuário e proteção de investimento que aceite atualizações futuras.

Num momento sensível para o varejo e para os consumidores, a agilidade n momento da compra nunca foi tão valorizada. Para os consumidores, a praticidade ainda é primordial – mais do que nunca eles...

PDV/POS hardware e software

Benefícios e Desafios do PDV Móvel do Varejo

Em quase todos os setores, a tecnologia está propiciando uma experiência mais integrada – mas talvez nenhum segmento supere o varejo. No entanto, a mudança estimulada pela tecnologia também exige uma mudança de mentalidade e práticas de trabalho. Sem essa mudança cultural, talvez as empresas não tenham um retorno total do investimento. Para garantir os melhores resultados, sabemos que é essencial ter uma estratégia robusta com a equipe preparada e pronta para não apenas usar os dispositivos, mas também aproveitá-los de acordo com a estratégia que você estabeleceu. Se você estiver pensando em mudar para um ponto de vendas (PDV) móvel ou híbrido, provavelmente o maior desafio será saber por onde começar. Para iniciar o processo, leve em conta como as operações da loja, o hardware de varejo  escolhido e as políticas implementadas impactarão e afetarão a transição para a tecnologia móvel. Protegendo a Mobilidade Independentemente de a empresa optar por ser totalmente móvel ou híbrida, existem desafios e oportunidades operacionais inevitáveis associados ao varejo móvel. Durabilidade e segurança são provavelmente os dois pontos principais, pois pode haver perda ou dano de equipamento, ou pode-se ficar exposto a novas vulnerabilidades de segurança decorrentes dos dados em dispositivos que simplesmente "saem pela porta". A boa notícia é que as empresas que usam PDV móvel de varejo e outros dispositivos móveis conseguem fazer uma inspeção mais minuciosa, possibilitando que funcionários, gerentes e executivos entendam como os dispositivos são usados (por exemplo, quando foi usado pela última vez, por quem, e onde). Se implementado em um iPhone, com leitor de impressão digital ou identificador facial (Face ID), seu PDV móvel pode até mesmo identificar vendedores e funcionários apropriados usando dados biométricos – ou seja, os sistemas ficam bloqueados em caso de perda ou roubo. Isso também significa que a atividade da rede permanece estável e previsível; portanto, no improvável evento de hackeamento ou violação, é possível identificar e isolar rapidamente o ponto de entrada. Em hipótese alguma, adotar a tecnologia móvel exige que o varejista comprometa suas práticas de segurança e privacidade; pelo contrário, isso pode ajudá-los a duplicar as proteções existentes.  Não Esqueça a Função e o Formato Em um ambiente de varejo no qual os funcionários devem alternar rapidamente de uma tarefa para outra, terminar de ajudar um cliente a já ajudar o próximo e mudar de marcha repentinamente, os dispositivos móveis que os respaldam devem ser capazes de fazer o mesmo. Se sua equipe utiliza dispositivos 'pessoais' ou transita entre telefones e tablets atribuídos a diferentes tarefas ou áreas da loja, será rápido e fácil fazer a inicialização e operação. As interfaces dos aplicativos que permanecem consistentes de um dispositivo para o outro, seja em um caixa tradicional, de iOS para Android, permitem a adoção sem problemas e a adaptação dos funcionários é indolor. Até mesmo um novo dispositivo pode herdar toda a 'personalidade' de um dispositivo mais antigo mediante leitura de um código QR, adaptando-o facilmente às preferências de um determinado funcionário ou aos requisitos de uma tarefa específica.  Obviamente, o que os funcionários estão fazendo e os clientes exigem também afetará suas decisões sobre PDV móvel. Ao usar um dispositivo móvel é possível receber dinheiro simplesmente digitalizando um código de barras em uma gaveta de dinheiro, criar pedidos enviados ou entregues em uma loja, dar respaldo a pop-ups e eventos promocionais em um sistema coeso ou imprimir recibos sem a sobrecarga de impressoras móveis – isso é muito mais do que uma mera caixa registradora móvel. Trata-se de uma maneira flexível de administrar qualquer loja.  Tamanho Flexível Quando aplicativos que exigem baixa latência, acesso em tempo real aos dados, alto desempenho consistente e recursos offline entram em jogo – como ponto de vendas – um modelo em nuvem convencional nem sempre é a escolha mais apropriada, nem a única opção disponível. Atualmente, o crescimento na Internet está focado em melhorias na rede, como largura de banda, segurança, eficiência energética e capacidade de gerenciamento. Infelizmente, as técnicas usadas para resolver esses problemas prejudicam a latência. Os impactos da latência, particularmente para os sistemas de  PDV, são significativos. Se um PDV migrar totalmente para um modelo em nuvem, todas as pesquisas de itens ou validação de preços devem ser executadas centralmente, e isso pode prolongar o tempo da transação, resultando em uma experiência ruim para o cliente. Você precisa ter o melhor dos dois mundos.  Muitos varejistas desejam tirar proveito da tecnologia em nuvem e estão pesquisando métodos de implantação alternativos para oferecer muitos dos benefícios, mas mantendo o controle operacional de soluções anteriores. O novo uso da tecnologia de ponta na nuvem evoluiu. Esse modelo é chamado de arquitetura em nuvem de três camadas (Three-Tier Cloud Architecture) e apresenta opções de implantação flexíveis fornecidas na borda da nuvem. Esse modelo promove o uso da nuvem no data center, oferece escalabilidade, consolidação e centralização, mas também considera a necessidade de edge computing (computação de borda) na forma de cloudlets. Mudança de Cultura Exige Prudência Embora a mudança para a tecnologia móvel seja claramente uma perspectiva atraente, os varejistas ainda precisam pensar em como ela se encaixa em sua estratégia e formato ou modelos de loja exclusivos. Como os funcionários serão afetados? Em que ponto mudará a prestação de serviço? Quando poderiam surgir problemas dentro da loja? Quais são as outras mudanças na dinâmica da loja que resultariam em efeitos posteriores? Na vida privada, viramos especialistas em aprender e absorver tecnologias móveis em nosso cotidiano. Já na empresa, a transformação orientada pela tecnologia exige planejamento. Depois que uma direção clara for adotada – tanto para a mudança de mentalidade quanto para a mudança operacional –, não haverá como voltar atrás para o varejo móvel e a variedade de abordagens diferentes que ele permitirá.  Você está levando em consideração um PDV de varejo móvel ou híbrido? Clique aqui e consulte nosso checklist de PDV de varejo móvel para ajudar a definir suas necessidades, desafios e as oportunidades de melhorar com a tecnologia móvel - em português.

Em quase todos os setores, a tecnologia está propiciando uma experiência mais integrada – mas talvez nenhum segmento supere o varejo. No entanto, a mudança estimulada pela tecnologia também exige uma...

Melhores Práticas & Tendências

Série de Webinars: Keeping It Retail em Português e Inglês

Enquanto todos no mundo todo continuam navegando na incerteza do COVID-19, a Oracle Retail está comprometida em apoiar seus negócios, permanecer conectada e fornecer continuidade de serviço durante esse período desafiador. Para apoiar o varejo neste momento, estamos lançando uma série de webinars com as mais recentes inovações, histórias de clientes e recomendações para ajudá-lo a navegar pelo “Novo Próximo”. Keeping it Retail: são sessões curtas, agradáveis ​​e interativas de 30 minutos, seguidas por uma sessão de perguntas e respostas. Registre-se hoje para ingressar na comunidade de varejo e permanecer conectado enquanto navegamos juntos por esses tempos sem precedentes. Webinars Ao Vivo: Em breve mais episódios ao vivo aqui Webinars Sob Demanda: Clique nos tópicos para assistir: Cliente: CENCOSUD - Planificación Financiera de Mercaderías - espanhol Adaptação do Papel da Loja - inglês Aquisição e Retenção de Clientes Rentáveis - inglês Eficiência na Gestão do Estoque na Loja - português Fazendo Seu Inventário Funcionar para Você - inglês Forrester: O Estado do Varejo - inglês Gestão de Inventário em Tempos Incertos - português Gestão de Marcas Próprias - português Otimização de Estoque - inglês Por Dentro do Novo Futuro: Talento, Tática e Tecnologia - inglês PDV de Varejo: Criando um Layout de Loja Flexível - português PDV de Varejo: Adaptando as Jornadas do Cliente no Varejo - português PDV de Varejo: Tecnologia Móvel na Loja - português Artigos relacionados: Preparando-se para a Próxima Nova Etapa: Desenvolvendo Confiança e Resiliência 3 Estratégias para Liderar a Próxima Nova Etapa no Varejo O Novo Próximo para o Varejo Checklist para Reabertura das Lojas de Varejo Vocabulário de Varejo: BOPIS: buy online pick up in store / compra online retira na loja BORIS: buy online and return in store / compra online e devolve na loja BODH: buy online delivery home / compra online entrega em casa  

Enquanto todos no mundo todo continuam navegando na incerteza do COVID-19, a Oracle Retail está comprometida em apoiar seus negócios, permanecer conectada e fornecer continuidade de serviço durante...

Planejamento e Otimização

Como Otimizar Demarcações de Estoque à Medida que Consumidores Retornam às Lojas

Com base na orientação mundial de ficar em casa, a maioria das lojas ficará com uma enorme quantidade de estoque sazonal parado. Como as estações mudaram durante a paralisação das lojas, esses itens podem ter ficados ultrapassados pois deveriam ter sido vendidos conforme ritmo usual de vendas. Muitos varejistas estão enfrentando o desafio de gerenciar estoques problemáticos. Esses problemas podem ser solucionados com os processos de negócios encontrados na Oracle Retail Science Platform e na solução Markdown Optimization.   O Desafio Varejistas estão se perguntando: “A demanda pela mercadoria foi realmente alterada? Ou ela está reprimida e ainda é viável? Pode parecer que aplicar demarcações generalizadas (60% de desconto em todos os artigos de da estação anterior, por exemplo) seria a maneira mais fácil de lidar com esse estoque. No entanto, em tempos de dificuldades financeiras, talvez faça mais sentido adotar uma estratégia de demarcações por produto e por localização da loja.   Perguntas Frequentes  Meu objetivo geral de negócios é gerar vendas ou preservar a margem?  Seria mais lucrativo guardar a mercadoria para o próximo ano?   Será que a mercadoria deve ser transferida para lojas com demanda favorável?   Se as demarcações conseguirem eliminar o estoque com sucesso, há mercadorias novas disponíveis para reabastecer a loja?  Todas as lojas pertencem a uma faixa de preços ou a um agrupamento que está abrindo ao mesmo tempo?  Minhas demarcações devem ser específicas para uma loja ou um grupo de lojas, por exemplo, faixa de preços ou agrupamento? Onde Encontrar Ajuda A Oracle Retail oferece demarcações com base em ciência que serão responsáveis pelos fatores mencionados acima – com sua orientação – para fornecer demarcações estratégicas para os desafios contínuos da recuperação das operações. Equilibrando a ciência de dados com a arte e a intuição de sua equipe.  Agilidade no Serviço de Otimização de Demarcações Usando seus dados, o Oracle Retail Consulting (ORC) analisa e fornece um conjunto de recomendações de demarcações usando a Oracle Retail Science Platform. Essas demarcações são baseadas nos seus objetivos comerciais relacionados ao estoque e às regras de negócios. A equipe da ORC continuará fornecendo demarcações baseadas no ritmo necessário, conforme determinado no trabalho.    Adoção de Abordagem Baseada em Ciência de Dados de Varejo A segmentação de demarcações em áreas com excesso de estoque resulta em demarcações maiores de alguns itens, permitindo que itens com demanda maior continuem com um preço mais alto para preservar a margem.   A segmentação de lojas à medida que forem reabertas provavelmente não seguirá as estruturas de preços existentes (faixas de preços ou agrupamentos), e talvez você precise enviar preços diferentes para lojas específicas dentro de uma faixa. Para começar, a ORC realizará várias sessões (remotamente) com suas equipes para abordar as exigências técnicas, de dados e funcionais da empresa. Leia mais sobre o serviço de otimização de demarcações e como marcar uma reunião. Material em inglês, reunião em seu idioma local da América Latina – português ou espanhol.

Com base na orientação mundial de ficar em casa, a maioria das lojas ficará com uma enorme quantidade de estoque sazonal parado. Como as estações mudaram durante a paralisação das lojas, esses itens...

Planejamento e Otimização

Reabertura do Varejo Norteada pelo Planejamento Loja a Loja

No momento, diretores comerciais, diretores financeiros e presidentes deparam-se com muitas perguntas: “Quando devo reabrir as lojas?”, “Quais devo abrir primeiro?” e “Que variedade de produtos devo colocar em cada loja?” Para obter respostas, varejistas precisam evoluir e fazer um planejamento mais detalhado loja a loja, que inclua mix de produtos e planos de vendas semanais. Com as lojas fechadas e estoque acumulado em abundância, este plano detalhado pode fornecer aos executivos de varejo inteligência e agilidade para reagirem de acordo com o país e entenderem o impacto de suas decisões. Quando se trata das lojas em si, os sistemas dos varejistas não são orientados pelas hierarquias geográficas (de municípios para estados); em vez disso, os sistemas são orientados por cronogramas de distribuição que consideram o percurso do centro de distribuição (CD) para a loja, que geralmente cruzam as fronteiras estaduais e municipais. Esses planos precisarão conseguir exemplificar rapidamente novos caminhos de distribuição para lojas e seus cronogramas semanais de abertura.  Como ocorre em qualquer abertura planejada, há o risco relacionado ao custo das operações de loja versus vendas, se a data de abertura não for cumprida. Precisa existir um plano loja a loja para ajudar a gestão a compreender quais mudanças no cronograma estão fora de seu controle. O diretor financeiro precisa entender as deficiências que serão criadas quando não for possível abrir as lojas conforme o planejado e quando existirem oportunidades para compensar as vendas e a margem bruta, redirecionando o estoque.  Tradicionalmente, varejistas analisam os recebimentos e o histórico recente de vendas para criar fluxos de estoque e planos de vendas. Com as lojas fechadas, no entanto, não há informações do histórico recente – não há norte verdadeiro para orientar os negócios. A única maneira de tomar uma decisão bem embasada é através do plano por loja com uma combinação de ciência de dados e análise, com base em um conjunto ideal e ajustado de dados de referência. Esse uso avançado da ciência do varejo dá aos varejistas a confiança necessária para prosseguir com o plano.  Obviamente, essa análise deve incluir vendas pelos canais digitais. No entanto, para os varejistas cujas vendas passaram repentinamente de lojas físicas para apenas canais digitais, o mix de produtos praticamente mudou. Assim sendo, é perigoso assumir usar unicamente o mix de produtos digitais para reabrir as lojas.   Com histórico otimizado, uma solução moderna de plataforma de planejamento de varejo pode analisar e corrigir dados para anomalias históricas criadas por paralisações de lojas e CDs, para garantir que a base dos planos do estabelecimento seja precisa e confiável.  Agora, mais do que nunca, a agilidade é fundamental e o sucesso depende de encontrar maneiras criativas de acelerar o fluxo de caixa e o retorno da margem bruta sobre o investimento. É essencial ter um plano prático com bastante foco no retorno da margem bruta sobre o investimento (GMROI*) para ajudar a determinar a melhor maneira de gerenciar o excesso de estoque. A modificação da estratégia na visão loja a loja pode ajudar a determinar onde o estoque precisa ser reorganizado para garantir que os produtos adequados estejam nas lojas certas quando os varejistas estiverem prontos para reabrir as portas.  Mais sobre este tema - assista ao webcast sob demanda: "Managing Distressed Inventory & Proactive Retail Planning".   * GMROI - Gross Margin Return on Inventory – Retorno de Margem Bruta sobre Estoque

No momento, diretores comerciais, diretores financeiros e presidentes deparam-se com muitas perguntas: “Quando devo reabrir as lojas?”, “Quais devo abrir primeiro?” e “Que variedade de produtos devo...

Planejamento e Otimização

Visão do Cliente: do Micro para o Macro para Impulsionar Vendas Hoje

Enquanto tivermos um futuro incerto pela frente, ninguém duvidará que o consumidor continuará no controle à medida que avançamos. Sendo assim, como você se prepara para o inesperado? Qual foi seu aprendizado com as recentes paralisações que o ajudarão daqui para a frente? A recuperação no varejo enfrentará a concorrência acirrada em toda a cadeia de valor – e todas as decisões de varejo estarão diretamente ligadas à forma como elas afetam os clientes finais. Seja por meio de marketing com interações iniciais, seja por meio de atendimento pós transação, o "Novo Próximo" está chegando. Portanto, como é possível criar agilidade operacional para lidar com as mudanças no ambiente? Há novas tecnologias que mudarão a forma como os consumidores interagem com as marcas em todos os aspectos. Independentemente do setor, toda grande experiência influenciará a expectativa que se terá da próxima experiência. As soluções de análise mais inteligentes trarão novas dimensões à maneira como os varejistas adquirem, segmentam e atendem aos clientes de varejo. Em apenas alguns anos, marketing, vendas e serviço não se parecerão mais com o que temos hoje. Vamos dar uma olhada nas mudanças que esperamos em um futuro não tão distante para o marketing de varejo. O Panorama Personas, personalização, segmentação – não importa como queiram caracterizá-lo – colocou-se muito foco e atenção na mudança de estratégias de segmentação para iniciativas de individualização. Entender o cliente é uma prática recomendada e essencial.  Quase metade dos consumidores diz que é essencial obter melhores ofertas ou descontos com base na fidelidade, e também o varejista ser adaptado aos seus estilos, canais de comunicação e frequência preferidos. Contudo, como os varejistas se concentram em adaptar os mínimos detalhes, eles também precisam ter uma visão integral e considerar todos os dados que cercam um consumidor.  Imagine um mosaico de pequenas peças que, juntas, criam uma obra de arte maior que a soma de suas partes.  Cada ponto, cada cor compõe o todo, e nenhum varejista tem todos os pontos possíveis. A conexão dos pontos – ou pontos de dados – e a interação das cores tornam a cena perfeita. Essa visão "macro" de cada ponto de dados no contexto de outros resume a prática futura que moldará o marketing nos próximos anos. Do Conhecimento A Aprendizagem Embora uma mudança de micro para macro possa fazer sentido no papel, visualizar como ela pode se desenrolar no mundo real é outra coisa.  Você sabe que a cliente sempre compra pelo aplicativo iOS; ela fez uma dúzia de compras pelo aplicativo no ano passado. Mas, quando navega em seu site, nunca clica em “adicionar ao carrinho”. No entanto, em um determinado momento, suas ofertas no aplicativo começam a não ser utilizadas e, apesar de a cliente ter aberto alguns e-mails e ter navegado em algumas páginas, você quase não está mais na mira dela. Com o que você sabe, parece que ela parou de fazer compras. Em breve, não será mais uma questão do que você sabe, mas do que pode aprender.  Com informações cada vez melhores obtidas pelo machine learning supervisionado, você consegue pistas por trás da mudança repentina do comportamento da cliente. Talvez ela tenha começado a passar mais tempo navegando pelas roupas no Pinterest em um novo dispositivo, ou talvez esteja fazendo menos compras pelo Apple Pay, ou, talvez, tenha um novo telefone Android e não consiga mais acessar seu aplicativo. Com essa informação em mãos, uma promoção direcionada destacando a atualização mais recente do aplicativo para Android pode levá-la a finalmente ir à loja Google Play e recolocar sua marca na lista de aplicativos.  A plataforma certa para o varejo moderno não apenas reunirá as informações dos clientes, mas também agregará inteligência contextual para ajudá-lo a conectar os pontos, que, neste momento, você precisa desesperadamente, mas talvez não seja capaz de ver. Assista ao Webcast sob Demanda: "Using Next-Level Intelligence To Find New Customers and Improve Your Bottom Line Performance".  

Enquanto tivermos um futuro incerto pela frente, ninguém duvidará que o consumidor continuará no controle à medida que avançamos. Sendo assim, como você se prepara para o inesperado? Qual foi seu...

Gestão de Mercadorias

Precisão e Eficiência na Gestão do Estoque é Essencial para a Nova Etapa do Varejo

Nas últimas semanas, ocorreram mudanças sem precedentes no setor, pois varejistas e consumidores precisaram se adaptar à situação que estamos vivendo. Consumidores que nunca tinham comprado on-line agora não pensam duas vezes para clicar em 'adicionar ao carrinho' e as marcas adotaram rapidamente novos modelos para atender as crescentes demandas dos clientes. Ainda não se sabe o que acontecerá nas próximas semanas e meses e pode variar muito de acordo com o varejista e com o estabelecimento. No entanto, varejistas precisam encontrar maneiras de fazer o estoque funcionar a seu favor durante esse período e enquanto se preparam para a reabertura das lojas físicas. Muitos varejistas reativarão "as lojas" oferecendo a retirada do lado de fora da loja, "click and collect" ou envio a partir das lojas como opções para atendimento de pedidos feitos on-line. Outros podem redistribuir o estoque entre lojas e CDs para se preparar para a reabertura escalonada. O  Oracle Retail Store Inventory Operations Cloud Services oferece aos varejistas uma vantagem competitiva pois exibe dados de estoque em tempo real, precisos e acessíveis. Isso permite que os varejistas executem uma experiência de marca perfeita por meio de processos e procedimentos consistentes, eficientes e eficazes na loja. Dessa forma, varejistas adotarão uma combinação de estratégias para fazer o estoque existente funcionar a seu favor, como: Atendimento com hora marcada: Imitando uma prática comum entre varejistas do setor de luxo para oferecerem uma experiência de compra exclusiva, alguns varejistas optam por modelos de loja com hora marcada, oferecendo aos clientes atenção e orientação personalizada e, ao mesmo tempo, reduzindo o volume de pessoas dentro da loja. Em vez de os consumidores escolherem artigos na prateleira, esse tipo de venda guiada conta com a precisão do estoque para os vendedores da loja consegam vender itens específicos do estoque local ou disponíveis para serem enviados de outra loja.  Manutenção do estoque: o estoque que anteriormente não parava nas prateleiras talvez não interesse mais aos clientes quando as lojas começarem a reabrir. Em consequência, os varejistas estão decidindo embalar e guardar o estoque sazonal para o próximo ano. Outra opção, seria dar descontos ou vender por outros canais. Independentemente da atitude a ser tomada, eles precisam saber o que há em estoque e onde está a mercadoria, para alocar adequadamente o espaço do CD e os recursos de envio. Embora saibam que 200 unidades foram enviadas para uma determinada região, é fundamental entenderem quantas foram vendidas e quantas restam em cada loja. Foco nos artigos básicos: com a demanda do consumidor incerta e mais difícil de prever, alguns varejistas cancelaram pedidos de produtos sazonais para focar em produtos básicos. Para aqueles que estão reduzindo os itens sazonais para se concentrarem nos itens essenciais, será fundamental manter níveis ideais de estoque. Com uma variedade limitada, a falta de estoque será um desafio mais significativo do que nunca. Os varejistas precisarão saber com exatidão o que está disponível e onde está a mercadoria, para que o reabastecimento e as alocações possam ser direcionados corretamente para manter os níveis de estoque. Demanda de tendências: alguns varejistas acabaram vendendo itens exclusivos, pois a venda desses itens está sendo muito maior do que a demanda esperada. Diante da mudança nos padrões de compra do consumidor, varejistas precisam agir com rapidez para disponibilizar o estoque de tendências. Se linhas de produtos que antes saiam pouco – como cama elástica, por exemplo – agora estão com a demanda em alta, varejistas devem avaliar onde está localizado o estoque deste produto atualmente, em todas as lojas e CDs, para que possam redistribuí-lo aos estabelecimentos com venda mais alta ou disponibilizá-lo para atender pedidos online. Redistribuição para obter sortimento ideal na loja: à medida que varejistas se preparam para a reabertura gradual dos estabelecimentos físicos, seguindo as exigências locais, eles precisam garantir que as lojas mantenham uma posição de estoque ideal para atender à demanda antecipada do consumidor. Dependendo dos níveis de estoque antes de as lojas serem fechadas, os varejistas precisarão reformular os sortimentos ou reabastecer o estoque para garantir que o mix certo esteja disponível. As marcas podem decidir retirar estoque de lojas que não serão reabertas por enquanto e reabastecer aquelas que abrirão suas portas primeiro. Os padrões de compra mais recentes também significam que a redistribuição de alguns itens gerará receitas mais altas, mas isso só é possível se você souber exatamente o que há em estoque em todos os estabelecimentos.  A visibilidade do estoque com precisão e em tempo real é fundamental para fornecer essas estratégias. Ao usar a solução Store Inventory Operations, varejistas obtêm acesso em tempo real aos dados da loja para garantir que as decisões de negócios sejam baseadas em informações atuais e precisas. Os varejistas também podem usar tecnologias adicionais para aumentar a eficiência e a precisão, como:  RFID: o Store Inventory Operations foi projetado para trabalhar com a tecnologia RFID. Independentemente de haver uma etiqueta RFID em cada item ou apenas mercadorias específicas, varejistas conseguem ter uma visão mais detalhada da localização do estoque e poupando tempo do vendedor e reduzindo custos operacionais. Inteligência artificial (AI): a situação atual está desconstruindo padrões típicos de demanda do cliente, dificultando o planejamento de práticas básicas, como fazer contagem de estoque. As ferramentas de AI do Oracle Retail Science Cloud Services podem ajudar os varejistas a identificar o momento oportuno para realizar 'contagens inteligentes' de estoque com base em critérios como limites de volume, picos ou quedas de vendas ou pelo rastreamento de itens problemáticos para identificar padrões. Dispositivos móveis:  varejistas podem ter menos vendedores na loja devido ao distanciamento social e a segurança dos vendedores. Com menos funcionários na loja, equipar funcionários com dispositivos móveis, com capacidade intuitiva de gestão de estoque, permite que eles executem com eficiência tarefas relacionadas ao estoque e lhes proporciona flexibilidade para realizar várias tarefas. Nesse ambiente dinâmico, manter um estoque preciso na loja será essencial para o sucesso dos varejistas. Os que tiverem mais precisão e informações sobre seu estoque conseguirão atender mais rapidamente às demandas dos clientes, seja dentro da loja, do lado de fora da loja ou em outros canais, e conquistarão a mente e os gastos dos compradores. Solicite uma demonstração sobre gestão eficaz de estoque em seu idioma local.  

Nas últimas semanas, ocorreram mudanças sem precedentes no setor, pois varejistas e consumidores precisaram se adaptar à situação que estamos vivendo. Consumidores que nunca tinham comprado on-line...

Melhores Práticas & Tendências

O Novo Próximo para o Varejo

No início de 2020, o varejo era previsível. As roupas eram cuidadosamente dispostas nas prateleiras e exibidas em manequins, consumidores procuravam o item certo e os pedidos on-line chegavam ao CD e aguardavam o processo de entrega. Então COVID-19 chegou, e uma nova realidade surgiu. As lojas fecharam e os trabalhadores e consumidores agora abrigados em casa, fez com que as vendas de moda e especializadas fossem quase paralisadas. Enquanto isso, a demanda por bens e serviços essenciais, incluindo mantimentos, acelerou a um ritmo sem precedentes que desafiou a cadeia de suprimentos. A situação de saúde em andamento desvendou os processos de negócios e as normas sociais, deixando o varejo - uma indústria inerentemente social construída sobre a troca de bens físicos - em um estado de permanente mudança. Estamos chamando de "Novo Próximo", porque, para ser sincero, não há nada de normal nesse evento intransigente e nenhum roteiro claro para o que está por vir. Consumidores estão mudando completamente a forma como compram, desafiando varejistas a criar um novo conjunto de KPIs que precisam ser monitorados e um novo conjunto de práticas de negócios que ainda precisam ser definidas. À medida que os varejistas trabalham em novos cenários, devem mover-se rapidamente para aproveitar as oportunidades à medida que aparecem. Embora seja praticamente impossível para os varejistas antecipar o impacto de uma crise de saúde em seus negócios, a tecnologia possibilita aos varejistas adaptar seus modelos de negócios para manter as operações e ressurgir para liderar com força. A principal questão na pauta de todos os varejistas é: "Como posso navegar no novo próximo?". Analisando o Estoque O primeiro ponto de ordem é proteger as margens. Varejistas precisarão gerenciar a demanda desconhecida e o estoque não produtivo em uma janela compactada. À medida que a crise diminui, eles devem determinar onde e a que preço vender esse estoque. O que impulsionou a demanda em março pode não ser mais o ponto de partida para os compradores. Como encontrar maneiras mais lucrativas de gerenciar esse inventário e se preparar para o reinício do varejo? É um ato de equilíbrio constante entre arte e ciência de dados para fornecer a combinação certa de produtos. O principal da estratégia de recuperação é determinar quais ofertas fornecerão as oportunidades mais significativas para recuperar vendas e margem. Em seguida, a decisão é sobre onde implantar o inventário nos canais e locais. Estratégias inteligentes de precificação e otimização que utilizam análises, ciência de dados e tecnologia de previsão de demanda podem ajudar os varejistas a entender o que deve ser feito. O fechamento de lojas físicas significa que muitos varejistas terão lacunas em seus dados e previsões potencialmente menos precisas como resultado. Juntamente com o fato de endereçar as lacunas nas informações, varejistas são desafiados a planejar lucrativamente o futuro com a receita limitada do trimestre anterior. A execução de cenários "what-if" permitirá que entender as oportunidades e os riscos potenciais da margem antes de colocar os planos em ação. Despertando a Loja O varejo moderno é indiscutivelmente uma combinação de físico e digital. Quase todos os 50 principais varejistas on-line mantêm lojas físicas, e 84% das vendas nos EUA ocorreram off-line em 2019. Com estoques misturados, públicos-alvo compartilhados e estratégias interdependentes, as interações on-line influenciam as transações físicas, assim como o engajamento na loja pode estimular as compras digitais. Prevemos uma mudança no comportamento do consumidor e acreditamos que um novo conjunto de jornadas do consumidor surgirá. Quer um varejista tenha 10% das vendas provenientes das lojas, ou 100% no passado, sua estratégia atual deve levar em consideração todos os ativos e canais para impulsionar um novo conjunto de jornadas dos clientes. Embora o piso das lojas possa permanecer vazios, varejistas descobrirão e redefinirão maneiras exclusivas de alavancar fachadas, armazéns, estoque e sua equipe para satisfazer a demanda dos clientes. Historicamente, uma loja escura se referia a como as ordens de compra eram cumpridas. Hoje, uma loja serve a um propósito diferente. Uma loja fechada moderna operacionaliza suas lojas físicas para se tornarem centros de atendimento. Com uma visão única e transparência do inventário em tempo real, varejistas sabem qual produto está localizado. Esse insight pode ser usado para determinar os meios mais eficientes e econômicos para levá-lo ao cliente. No “Novo Próximo”, o estoque ocioso da loja está disponível para satisfazer a demanda do cliente e ao mesmo tempo reduzir os custos de transporte do estoque e os custos de remessa, tudo isso acelerando a entrega ao cliente. Liderando em um Momento de Crise Embora o caminho a seguir seja desconhecido, é a reinvenção contínua e como as marcas se adaptam e evoluem que definirão a próxima era do varejo. Essas estratégias podem ajudar os varejistas a traçar um curso estável e encontrar seu caminho através de territórios desconhecidos. Assim como uma bússola pode nos ajudar a nos orientar em ambientes desconhecidos, a tecnologia pode ajudar varejistas a entender a situação e fazer escolhas mais informadas diante da incerteza. Visite nosso centro de recursos para conteúdo e comunicações para apoiar seus negócios de varejo.

No início de 2020, o varejo era previsível. As roupas eram cuidadosamente dispostas nas prateleiras e exibidas em manequins, consumidores procuravam o item certo e os pedidos on-line chegavam ao CD e...

Cadeia de Abastecimento

Gerenciando Alimentos de Marcas Próprias em Tempos Incertos

Supermercados estão experimentando um aumento inesperado e sem precedentes na demanda em todos os canais. Isso apresenta um novo conjunto de desafios. Embora a quantidade de produtos dependa de fornecedores, é responsabilidade sua certificar-se da qualidade e segurança dos produtos. Fornecedores em todo mundo, também foram impactados pela restrição nas operações. Então, como mobilizar e expandir sua rede rapidamente para identificar fornecedores alternativos à medida que as fronteiras fecham e o estoque continua? Aqui estão cinco perguntas comuns que estamos ouvindo de nossos clientes: 1) Como posso proteger minha cadeia de suprimentos de marcas próprias? Como os volumes de produção podem sofrer impacto se os trabalhadores dos fabricantes ou de seus fornecedores não puderem trabalhar, as etapas para proteger sua cadeia de suprimentos são vitais. Supermercados devem comunicar-se diretamente com seus fabricantes/fornecedores para garantir que estejam implementando práticas aprimoradas recomendadas pelos órgãos reguladores para o manuseio correto e seguro dos produtos e o bem-estar dos operadores. Eles devem documentar o processo e conduzir acompanhamentos com listas de verificação de auditoria para garantir a conformidade em cada um dos pontos críticos de controle de entrega. 2) Como posso encontrar fontes alternativas se houver um problema de fornecimento do produto? Quando há interrupções - como um local bloqueado ou uma força de trabalho infectada - o impacto pode ser substancial. Supermercados devem revisar os fabricantes de produtos similares com os quais já trabalham para ver se conseguem atender à demanda. Caso contrário, uma fonte alternativa do produto deve ser encontrada e incorporada rapidamente. 3) E se certos ingredientes não estiverem mais disponíveis? A perda de ingredientes críticos ou uma redução significativa no volume afetará muitos produtos, fabricantes e fornecedores. Supermercados devem primeiro revisar as receitas de todos os seus produtos de marca própria para entender quais podem ser afetadas. Em seguida, eles devem se comunicar com os parceiros/fornecedores de fabricação relevantes para concordar com um curso de ação. Uma ação poderia incluir a substituição do ingrediente por uma alternativa adequada ou a suspensão temporária da fabricação dos produtos impactados. 4) Como posso manter a confiança do consumidor neste momento? Os consumidores estão cada vez mais preocupados com os alimentos que comem e querem saber mais sobre os ingredientes e suas origens. Com a atual crise de saúde, os consumidores estão exigindo ainda mais garantias de um local de trabalho seguro. Supermercados devem aumentar seus esforços para garantir a precisão dos rótulos e fornecer fontes adicionais de informações às quais os consumidores podem pesquisar. Eles também devem manter seu compromisso com produtos de origem ética e embalagens sustentáveis. 5) Como posso gerenciar o risco contínuo de contaminação de alimentos? Supermercados precisam manter o foco para rastrear incidentes de contaminação. Aproveite a automação para identificar produtos impactados por ingredientes contaminados, alertar fornecedores e desencadear ações de mitigação, incluindo retirar das prateleiras e recall de produtos em escala. Preparando-se para o Novo Normal Quando ocorre um incidente de segurança alimentar, conhecer todos os ingredientes dos produtos, verificar as práticas de segurança do fornecedor e encontrar fontes alternativas de suprimentos pode ser avassalador, principalmente quando se lida com centenas de fabricantes e milhares de produtos. A situação atual enfatizou a importância de gerenciar todas as informações que ajudam a garantir a segurança dos alimentos. Para estar pronto para o "novo normal", supermercados devem se concentrar no seguinte: Gerenciamento de crises e proteção de marca, Conformidade com os regulamentos atuais e futuros, Ttransparência do consumidor e precisão de rotulagem, Crescimento e agilidade dos negócios, com resposta rápida e flexível Ao adotar uma abordagem integrada para gerenciar marcas próprias, supermercados podem tirar proveito da eficiência aprimorada e da capacidade de resposta ao gosto dos consumidores, garantindo a qualidade, a segurança e a preparação dos alimentos como uma das prioridades. Saiba Mais Assistindo ao Webcast em Inglês: FoodLogiQ e Oracle Apresentam: Intercâmbio Digital na Nova Era da Segurança de Alimentos

Supermercados estão experimentando um aumento inesperado e sem precedentes na demanda em todos os canais. Isso apresenta um novo conjunto de desafios. Embora a quantidade de produtos dependa...

PDV/POS hardware e software

Utilize seu Estoque para Executar Pedidos de Maneira Flexível e Otimizada

Ao aguardamos a reabertura das lojas de varejo, prevemos que haja uma mudança no comportamento de compra do consumidor e na forma como o produto adquirido será retirado. As restrições de distanciamento dentro da loja, combinadas com a desconfiança geral de se navegar em uma loja física, significa que muitos consumidores podem continuar optando pela entrega em casa e pela retirada do lado de fora da loja. Trocamos informações constantemente com a comunidade de clientes por meio do Grupo de Usuários do Oracle Retail e de Conselhos Consultivos. Descobrimos que os varejistas estão reagindo e tendem a adotar essas opções de entrega. Para os iniciantes, boa parte de seu estoque está localizada nos centros de distribuição, pois, nos últimos meses tem sido difícil reabastecer as lojas, ou até mesmo impossível.  O desafio para os varejistas passa a ser como equilibrar expectativas variáveis e lucratividade. Pergunte a um CEO de varejo quais são os problemas de custos mais significativos que ele enfrenta, e provavelmente atender a pedidos deve estar quase no topo da lista. De fato, 67% afirmam que as despesas para atender um pedido aumentaram nos últimos anos, e o custo para um varejista atender um pedido é de 70% do valor médio do pedido.1 Parte disso se deve às tentativas dos varejistas de oferecer aos clientes mais caminhos para a compra e entrega mais rápida. Porém, definindo melhor as áreas de atendimento e priorizando a maneira como o estoque é atribuído (como mover a mercadoria de liquidação primeiro), os varejistas conseguem atender pedidos de forma lucrativa e oferecer experiências melhores. Priorizar a forma de atribuição do estoque Um desafio que os varejistas enfrentarão é como lidar com a probabilidade de mercadorias de uma estação terem ficado paradas nas lojas fechadas. Habilitar regras para prioridade de envio – enviar as mercadorias primeiro de lojas onde há estoque em vez de enviar do centro de distribuição – protege as margens, impedindo novas remarcações de preço.    Além disso, definir uma prioridade de localização que examine o estoque mais próximo do cliente para atender seu pedido ajuda a economizar despesas de envio. Digamos que o pedido é de um vestido. Pode-se escolher entre duas lojas, ambas com excesso de estoque, uma na cidade A e outra loja na cidade B. O cliente mora na cidade C, portanto, o envio deve ser feito da loja na cidade mais próxima, certo? Os varejistas diminuem bastante os custos e o cliente recebe seus pedidos mais rapidamente – todo mundo sai ganhando.  Os varejistas também devem considerar a possibilidade de transferir o estoque para onde seja mais provável ocorrer venda. Por exemplo, suéteres quentinhos parados no estoque de uma cidade de clima mais quente podem ser mais bem aproveitados onde o clima é mais frio. Um moderno sistema de gerenciamento de pedidos ajuda varejistas a considerar todas essas opções para atender pedidos com lucro, aproveitando as opções de intermediação, como: Restringindo a localização geográfica: Para controlar os custos, procure atender menos pedidos a partir de regiões geográficas predefinidas em favor dos locais de atendimento na região mais próxima do cliente. Ponderando opções: As atribuições ponderadas permitem que os varejistas empreguem vários critérios – como velocidade de venda, proximidade e margem – para tomar qualquer decisão relacionada ao atendimento de pedidos. Fazendo um retorno: Use regras de probabilidade para substituir regras de atendimento padrão para produtos ou classes de produtos quando fizer mais sentido para os negócios. Priorizando: Aproveite as diversas opções de regras para priorizar onde ocorre o atendimento ao pedido. Habilitando uma única visão: Capacite os vendedores e consumidores apresentando uma visão integral do estoque disponível. Acelerando o tempo de colocação no mercado: Permita que os usuários empresariais implementem novas jornadas ou mudanças de jornada usando jornadas do cliente predefinidas e com fácil configuração baseada na interface do usuário.        O Poder da Ciência do Varejo Para que tudo isso funcione sem problemas, é essencial que haja uma comunicação rápida e ininterrupta entre todas as partes da empresa. Atualmente, para fazer isso de maneira mais eficaz, é preciso aproveitar os recursos econômicos e da computação na nuvem. O Oracle Science Engine é incorporado ao Oracle Retail Order Management e ao Oracle Retail Order Broker e usa modelagem matemática para fazer análise de margem e identificar qual é o local mais lucrativo a partir do qual deve-se atender a um pedido – transformando, assim, dados em lucro. Tudo isso oferece um resultado final melhor – e uma vitória quando você faz os cálculos. O Oracle Retail Order Management Suite é uma solução flexível e eficaz que oferece aos varejistas um rápido retorno sobre o investimento e cria oportunidades para obter um melhor envolvimento do cliente e maior fidelidade do cliente. Os clientes enxergam os resultados:     Baixe gratuitamente o manual para saber como os modernos sistemas de gestão de pedidos de varejo permitem o atendimento flexível para amparar jornadas exclusivas de clientes em todos os canais. (em inglês)   1Pesquisa EKN: Estratégias para execução ágil, rentável e segura em vários canais

Ao aguardamos a reabertura das lojas de varejo, prevemos que haja uma mudança no comportamento de compra do consumidor e na forma como o produto adquirido será retirado. As restrições de...

PDV/POS hardware e software

Checklist para Reabertura das Lojas de Varejo

Escrito em conjunto com: Judy Fisher e Erica Triplet Quando o fechamento obrigatório das lojas físicas terminar e sua loja estiver pronta para reabrir, estaremos aqui para ajudar. Com base em anos de aprendizado de nossos clientes, compilamos uma lista simples para pontos de venda (PDV) para orientar suas equipes a terem uma reabertura mais tranquila.  Avalie Sua Situação Atual O PDV foi desativado ou ficou ativo durante o fechamento de lojas? Há quanto tempo o PDV está na situação atual? Todos os estabelecimentos foram fechados na mesma data?  Examine a situação dos sistemas de PDV em todas as lojas físicas. Examine a situação e a fila de dados de download do PDV para ver se os processos podem ser excluídos ou interrompidos. Verifique quais atualizações de software foram enviadas durante o fechamento da loja e para quais lojas e terminais. Validação de Sistemas e Execução de Testes As lojas podem abrir no dia anterior à abertura ao público para verificar o processo de abertura/fechamento antes de serem totalmente abertas ao público? Esta etapa permitirá que você teste e verifique os processos antes de abrir, minimizando possíveis problemas.  Verifique se os dados de download estão carregados corretamente na loja antes da data de abertura. Verifique se os registros estão todos online no Xcenter e em outros aplicativos corporativos (por exemplo, verifique o Xadmin e examine as tabelas do Xcenter, como o registro do dispositivo). Dependendo do país e da duração da paralisação, reative/registre novamente os dispositivos tributários, conforme aplicável. Esta etapa também pode ser aplicada aos serviços de pagamento. Valide e teste os periféricos para garantir que tudo esteja funcionando, incluindo scanners, dispositivos móveis e impressoras.  Examine o Xcenter Monitoring e tome uma atitude dependendo do aviso/erro que receber. Configure o PDV para abrir a loja no dia útil apropriado. Ligue o PDV pelo menos um dia antes de abrir a loja, para que haja tempo para executar atualizações do sistema e carregar os SKUs atuais.    Verifique as Datas de Vencimento/Validade A comunicação e a conectividade serão essenciais à medida que você retomar as operações e reabrir suas lojas com base em um cronograma contínuo. Algum serviço ou outras credenciais expiraram enquanto as lojas estavam fechadas?  Certifique-se de que as credenciais atualizadas estejam funcionando e sejam válidas antes da reabertura.   Verifique se nenhuma informação essencial expirou durante a paralisação, incluindo o arquivo Cipher e os Certificados.  Verifique se os funcionários estão habilitados no sistema, pois podem ter sido removidos.  Examine as datas de vencimento/validade e atualize as políticas para: Certificado de presente/crédito na loja Vale-presente Programas e pontos de fidelidade Pedidos Devoluções Analise as Políticas e os Procedimentos Quando estiver se preparando para a reabertura, examine as políticas de reabertura após períodos de paralisação, como procedimentos após feriado, e analise onde eles se aplicam. É preciso incluir flexibilidade ou novas políticas antes de reabrir as lojas?  Atualize as políticas de devolução no sistema para permitir devoluções com atraso quando as lojas forem reabertas.  Se estiver atendendo pedidos a partir de lojas físicas (por exemplo, retirada ou entrega a partir da loja), confirme os horários de abertura/fechamento da loja no sistema. O mecanismo de atendimento (por exemplo, Oracle Retail Order Broker) e seu estabelecimento digital não devem contar com o estoque de lojas fechadas para atendimento de pedidos. Funcionários e Treinamentos na Loja Analise sua equipe de loja e defina se é necessário treinamento para retomar as operações.  Quantos vendedores você precisa recolocar nas lojas?  Os vendedores precisam receber treinamento sobre novos processos e melhores práticas de distanciamento social antes de reabrir as lojas? Redefina as senhas dos funcionários no sistema em decorrência do tempo de inatividade. Revise e publique suas novas políticas de higiene para ganhar a confiança do consumidor e criar um ambiente de trabalho seguro para os vendedores.  Você utilizou as lojas físicas para atender à demanda on-line, permitindo acesso ao estoque existente na loja e fornecendo novos modelos de serviço, como “compra on-line com retirada do lado de fora da loja”? Você precisa treinar os vendedores que retornarem para atender as novas jornadas de clientes?   Já Está Pronto para Recomeçar? Se precisar de mais assistência ou esclarecimento, nossos especialistas em varejo estão prontos para ajudá-lo. Clique aqui para agendar um dia e horário que funcionem para sua equipe. Assista ao Webcast:Como atender a demanda de forma criativa - como adaptar o papel da loja (em inglês).

Escrito em conjunto com: Judy Fisher e Erica Triplet Quando o fechamento obrigatório das lojas físicas terminar e sua loja estiver pronta para reabrir, estaremos aqui para ajudar. Com base em anos de...

Planejamento e Otimização

Recursos de Planejamento e Previsão para Varejo Durante o COVID-19

Escrito em conjunto com: Guiming Miao Sabemos que muitos varejistas enfrentam desafios durante essa era sem precedentes no varejo. Apresentamos um conjunto de cenários que podem ajudar os usuários de Oracle Retail Demand Forecasting (RDF) a rever e avaliar a situação atual para melhor prever a demanda atual e futura, além de white papers úteis sobre planejamento e otimização no RDF, cenários hipotéticos e a solução Merchandise Financial Planning (MFP). Como os Varejistas Podem Gerenciar esses Cenários de Previsão: Mudança e Inconstância na Demanda de Vendas em Categorias Específicas de Produtos Sua demanda aumentou substancialmente nas últimas semanas para determinadas categorias e isso acarretou uma infeliz falta de estoque, resultando em um parâmetro de previsão mais alto ou com tendência de crescimento.  Existem duas maneiras de se resolver esse comportamento temporário:  (a) ajustar os padrões irregulares de histórico de vendas usando o método automatizado de pré-processamento de histórico do RDF, (b) permitir que o RDF mude e adote para um método de previsão mais razoável assim que começar a reagir menos a essas tendências até que as vendas retornem a um padrão de comercialização mais normal. 2. Estabelecimentos Fechados Devido à Regulamentação No caso de estabelecimentos fechados durante essa crise e a demanda for direcionada para outros canais, você precisará definir previsões como zero (0) para esses estabelecimentos durante o período estimado de fechamento.   Existem várias maneiras de se fazer isso no RDF rapidamente, dependendo dos locais, grupos de locais e do tempo previsto para uma reabertura escalonada e para quando a geração de previsão for necessária novamente. 3. Gerenciando Alertas e Exceções Durante períodos de interrupção, como o atual, não é raro observarmos um aumento de "alertas” no RDF, informando os usuários sobre os pontos que precisam de atenção. Lembre-se de que o sistema foi projetado para fazer isso.   Durante esse período, os alertas ainda são a melhor maneira de gerenciar suas previsões e a maneira mais eficaz de identificar quais áreas precisam de atenção. Se você acha que as condições de alerta foram alteradas e precisam ser temporariamente ajustadas para diminuir a quantidade de "ocorrências", pode fazer um ajuste em Alert Threshold Settings (Configurações de Limite de Alertas). Gestão de Previsões Pós Crise Quando chegar a hora, será necessário reverter os ajustes temporários recomendados acima, além de monitorar cuidadosamente o RDF, pois ele se ajusta automaticamente às atividades comerciais e de negócios em andamento.  O Oracle Retail Demand Forecasting é uma ferramenta extremamente automatizada, portanto, quando houver interrupção significativa no mercado, ele reagirá e se ajustará rapidamente, pois essa é a intenção da solução. Para qualquer assistência relacionada às alterações de previsão mencionadas acima e outras alterações que você possa estar enfrentando, agende uma chamada para obter assistência ou envie um e-mail para Guiming Miao, Diretor de Ciência da Oracle Retail, para obter mais dicas. White papers úteis sobre planejamento e otimização Como gerenciar seu Oracle Retail Demand Forecast Este white paper fornece recomendações sobre como gerenciar previsões no RDF com os padrões incomuns de demanda resultantes da atual crise da saúde. Ele contém sugestões sobre como gerenciar configurações de previsão e ajustes de histórico e ajudará você a obter a melhor previsão hoje e nos próximos meses. Como utilizar cenários what-if do Oracle RPAS Cloud Edition Este white paper fornece recomendações sobre como utilizar a funcionalidade de cenário hipotético (What-If Scenario) [DM3] disponível no Retail Predictive Application Server Cloud Edition (RPAS CE). Ele contém sugestões sobre como gerenciar vários cenários de previsão para permitir que você planeje qualquer situação futura com a ajuda da sua solução RPAS CE. Como modificar o Oracle MFP OP durante a temporada Este white paper fornece recomendações sobre os efeitos da modificação de um plano original na solução Merchandise Financial Planning (MFP). Foi desenvolvido para ajudá-lo a entender os possíveis resultados e avaliar suas opções em um mercado de varejo em rápida evolução.   Onde Encontrar Ajuda A equipe da Oracle Retail está aqui para ajudar e respaldar os clientes e soluções durante esse momento desafiador.  Caso tenha mais dúvidas ou queira conversar com um especialista para obter orientação, agende uma reunião gratuita aqui.

Escrito em conjunto com: Guiming Miao Sabemos que muitos varejistas enfrentam desafios durante essa era sem precedentes no varejo. Apresentamos um conjunto de cenários que podem ajudar os usuários de Ora...

Melhores Práticas & Tendências

Insights sobre o Fidelidade do Consumidor

Atualmente, os profissionais de marketing de varejo enfrentam o desafio de se conectar com os consumidores de maneiras novas e variáveis, já que os canais tradicionais encolhem em decorrência da situação atual. Conforme os varejistas adaptam suas ações de marketing, o papel da fidelidade do cliente torna-se mais importante do que nunca. Assim como a regra 80/20 determina que um pequeno grupo ou ação pode ter um impacto desproporcional, os clientes mais fiéis de um varejista – provavelmente uma pequena parcela de sua base – podem ser responsáveis por mais vendas ou receita do que um grupo comum de compradores. Por essa razão, agora é o momento de os varejistas apostarem alto nos clientes mais fiéis para mantê-los engajados e, do mesmo modo, concentrar seus esforços em conquistar consumidores que reflitam seus melhores clientes atuais.   Entendendo o Potencial da Fidelidade Para os profissionais de marketing de varejo, a fidelidade pode ser um objetivo definido com base nos indicadores de desempenho (KPIs). Entre as novas medidas estão o “engajamento da marca” ou “fatia dos gastos”. Também pode se referir a uma estratégia em que os profissionais de marketing operem um programa formal de fidelidade composto de pontos, níveis, incentivos e recompensas. Nesse programa, o foco pode incluir a frequência de visitas ao site para aumentar o tamanho médio dos pedidos ou incentivar o apoio à marca.    Atingir o objetivo com uma estratégia de programa de fidelidade é uma questão tanto de arte como de ciência. Obviamente, é essencial ter uma tecnologia eficaz. Contudo, é igualmente importante, ou talvez até mais importante, projetar e executar um programa que atenda aos participantes de programas de fidelidade onde quer que eles vivam com uma proposta de valor clara, convincente e relevante. De acordo com o estudo global O divisor da fidelidade da Oracle Retail, embora 58% dos varejistas acreditem que os consumidores estejam ansiosos para se inscrever em seu programa de fidelidade, 50% dos consumidores são muito mais seletivos e apenas se inscrevem em programas relevantes e 19% dos consumidores raramente participam de programas de fidelidade.  Contudo, não vamos nos desviar do assunto. Na verdade, o que todos nós queremos é alcançar objetivos gerais de fidelidade. Assim sendo, o que mais podemos fazer?   Use serviços de dados externos para potencializar os dados do cliente Para causar uma reação na fidelidade do cliente e manter os melhores clientes muito fiéis, os varejistas precisam ser 'relevantes' para seus clientes. Quanto mais informações os varejistas obtiverem de seus clientes, mais eficiente será a comunicação com eles e a motivação do comportamento deles. Os programas de fidelidade podem fornecer uma quantidade enorme de informações sobre o cliente. Contudo, independentemente de o programa ser bem projetado, os dados são limitados principalmente pela forma como os clientes se envolvem com a marca. Existe uma excelente oportunidade para colocar o valor do cliente em um contexto mais amplo. Obviamente, os varejistas conseguem avaliar a fatia de gastos em relação à concorrência; contudo, o poder real está em compreender os clientes de uma forma mais abrangente. Define-se um indivíduo de acordo com a forma como ele gasta seu tempo e onde gasta seu dinheiro. Esses dados aprimorados funcionam como se fossem um carregador super potente: eles elevam a potência da máquina de fidelidade de um varejista, construindo a dedicação dos seguidores atuais e atraindo igualmente novos devotos.  Permita que clientes fiéis informem sobre a aquisição de clientes Até mesmo um programa de fidelidade moderadamente bem-sucedido deve permitir que o varejista identifique seus clientes mais valiosos. Os varejistas podem obter um valor significativo combinando características de clientes fiéis com clientes ('dados primários', para usar um termo do setor) ao universo ampliado do consumidor ('dados de terceiros').  O insight acelerado ajuda as organizações de varejo e suas decisões a se tornarem 'lideradas por dados'. Os varejistas conseguirão identificar e concentrar recursos em clientes de alto potencial com maior probabilidade de serem receptivos. Além disso, a organização obterá informações valiosas sobre seu mercado consumidor para que a tomada de decisões estratégicas seja mais bem embasada. Em outras palavras, o insight acelerado ajuda as organizações de varejo e as respectivas decisões que elas tomam a se tornarem 'lideradas por dados'.  Independentemente de tratar a fidelidade como um objetivo permanente ou como uma estratégia prioritária enquanto outras táticas também são empregadas, os varejistas precisam conhecer verdadeiramente seus clientes. Um segredo para desvendar essa sabedoria é identificar o comportamento geral com insights dos consumidores. Se conhecimento representa poder, isso significa que os varejistas terão a capacidade de aprimorar a fidelidade do cliente e a estratégia de engajamento.  Assista a este vídeo de 2 minutos (em inglês) Deseja saber mais? Assista ao webcast com Retail Touchpoints e saiba mais sobre o uso da inteligência aprimorada para encontrar novos clientes (em inglês).

Atualmente, os profissionais de marketing de varejo enfrentam o desafio de se conectar com os consumidores de maneiras novas e variáveis, já que os canais tradicionais encolhem em decorrência...

Utilizando as Lojas De Forma Diferente: Ressignificando Lojas

Talvez você esteja se perguntando: “Como faço para manter minha atividade viável durante a atual crise global e garantir o futuro de minhas operações?”. Com as operações de varejo baseadas em lojas físicas forçadas a encerrar, os hábitos de atendimento dos pedidos feitos pelo consumidor estão mudando significativamente e provavelmente permanecerão assim por algum tempo. O engajamento digital aumentará e novas demandas impactarão a loja visando oferecer uma experiência segura e conveniente. Um novo conjunto de jornadas omnicanal será fundamental para enfrentar esses desafios, já que a Retirada do lado de fora da loja, Pagamento sem contato e Envio a partir da loja definiram a “Nova Próxima Etapa” que os consumidores exigirão das marcas em que mais confiam. Para atender a essas novas demandas, varejistas podem utilizar o estoque existente na loja. Desafio nº 1: Não tenho acesso ao estoque disponível para atender minha demanda digital. E tenho um estoque antigo em minhas lojas que preciso vender ou transferir. Você precisará operacionalizar suas lojas para se tornarem centros de atendimento, adaptados para atender às demandas digitais por meio de um modelo "Envio a partir da loja" (SFS – Ship from Store). Com uma visão única do estoque e dos pedidos em todos os canais, você ainda consegue resgatar a venda e minimizar a necessidade de remarcações posteriores. Você pode destinar o estoque existente na loja e que não foi vendido há semanas para pedidos on-line. Esses pedidos concluídos podem ser preparados para retirada na loja (BOPIS) ou como envios (SFS) para o cliente. Desafio nº 2: Ok, e se eu não tiver funcionários o suficiente no meu centro de distribuição para processar os pedidos on-line?  Para mim, o ideal seria colocar parte de meus funcionários de loja de volta ao trabalho. Posso considerar usar minhas lojas e vendedores para atender à demanda? Depois de apresentar suas lojas como uma opção crucial de atendimento de pedidos para sua atividade digital, você pode operacionalizar um novo modelo de serviço para atender à demanda local e atender às expectativas dos clientes. Ao utilizar os recursos e talentos disponíveis, você pode vender o estoque, reduzir custos de transporte de estoque e proteger margens. Desafio nº 3:  À medida que os hábitos do consumidor evoluem de acordo com a “Nova Próxima Etapa”, sei que preciso investir no relacionamento para impulsionar o envolvimento contínuo com a minha marca. Como você pode me ajudar a fornecer a qualidade de atendimento que os consumidores precisam para permanecer fiéis?  A precisão do estoque nas lojas e nos locais centralizados será fundamental para manter a satisfação do cliente e o envolvimento da marca. Ao adotar uma estratégia de resgatar a venda e fornecer mais opções de compras, você aumentará a fidelidade enquanto melhora as margens. Nossos clientes compartilharam que, à medida que a Ásia ressurge e as lojas reabrem, observa-se um menor de tráfego de pessoas, mas um número maior de compradores qualificados. Não importa a forma escolhida pelo consumidor para se envolver com sua marca no futuro, é essencial conseguir priorizar o estoque e os pedidos em tempo real para concluir a jornada do consumidor e superar suas expectativas. Estamos aqui para ajudar a alavancar esse novo modelo com um programa de implementação de início rápido. Para saber mais, entre em contato conosco aqui. Assista ao Webcast Sob Demanda: Atendimento Criativo da Demanda Adaptando a Função da Loja (em inglês)

Talvez você esteja se perguntando: “Como faço para manter minha atividade viável durante a atual crise global e garantir o futuro de minhas operações?”. Com as operações de varejo baseadas em...

Melhores Práticas & Tendências

Varejo: Gerenciando Estoque em Tempos Incertos

Varejistas de moda e vestuário constantemente equilibram arte e ciência para oferecer o mix certo de produtos em cada estação. No entanto, nesse período sem precedentes, você provavelmente estará gerenciando uma demanda desconhecida e um estoque improdutivo em uma janela ainda mais compactada. À medida que a atual crise de saúde diminui, determinar onde e a que preço vender esse inventário é essencial para as operações. Com os pedidos cancelados e a incerteza no horizonte, os vários funcionários de suas operações de varejo sem dúvida têm uma infinidade de perguntas. o comercial quer determinar o volume do estoque obsoleto o planejador é desafiado a como planejar com 2 a 3 meses de histórico inexistente ou somente na web. o analista de preços está lutando para determinar o preço ideal, por categoria e local, para maximizar receita e margem, enquanto se ajusta a uma nova estratégia de redução e cadência. Desafio # 1: Tenho inventário ocioso nas lojas fechadas. Devo mover o inventário para outro local? Ou para um canal alternativo? Primeiro, é necessário decidir se é mais vantajoso transferir o estoque para outra loja ou canal, mas, potencialmente, o preço será diferente. Em segundo lugar, você precisa criar um novo processo de planejamento de local para garantir que o estoque esteja nas lojas certas para recuperar o máximo de vendas e margem na reabertura. Desafio # 2: Tenho um dado nulo depois de fechar temporariamente minhas lojas físicas. Felizmente, meus canais digitais estavam em funcionamento, por isso tenho algumas informações, mas não o suficiente para planejar a próxima temporada. Alguns dados foram coletados durante o desligamento, a partir de dados geográficos da Web ou dados de pedidos entregues pela loja. Esse insight pode prever como cada loja se comportará a curto e longo prazo após a reabertura e identificar categorias emergentes e mudanças de demanda. Você pode aplicar esse histórico a locais físicos para entender qual inventário alocar e onde. Desafio # 3: com receita limitada do trimestre, como faço para planejar lucrativamente minhas futuras temporadas? É útil colocar grades de proteção conservadoras em torno dos planos atuais para entender oportunidades e riscos de margem. Execute cenários hipotéticos para determinar o preço ideal por categoria e local, permitindo colocar o inventário com lucro. Desafio # 4: com os pedidos cancelados e sem novos produtos no horizonte, como posso garantir que as lojas tenham estoque suficiente o mais rápido possível após a reabertura? Como faço para determinar de que maneira o planejar descontos e o que manter? Para pedidos que não podem ser cancelados, alterar a alocação dos pedidos para alinhar com a estratégia de localização ajudará a obter sucesso. As equipes podem ajustar as estratégias de sortimento com o gerenciamento proativo de itens da estação, com base nas preferências do cliente, tendência e atributo. Os artigos de moda que devem ser marcados para baixo devem ter precedência sobre os itens que possam ter menos sazonalidade ou concorrência. Pode demorar um pouco para que sua equipe esteja totalmente assimilada ao “novo próximo”, e não se engane, não haverá nada imediatamente normal nisso. Mas, com um bom planejamento e inteligência de dados, você pode mover o inventário ocioso para iniciar suas operações e entregar aos clientes as mercadorias que eles procuram mais rapidamente e a preços que funcionem para eles e seus resultados. Assista ao webcast sob demanda sobre o gerenciamento de estoque em tempos incertos (em inglês). A Forrester e a IDC reconheceram a Oracle por fornecer o planejamento de varejo da próxima geração. No mês passado, a Forrester nomeou a Oracle líder no Relatório de Avaliação de Planejamento de Varejo Forrester Wave 2020, acrescentando: “A Oracle demonstrou capacidades acima da média na segmentação de clientes, planejamento de sortimento sensível ao cluster de lojas, planejamento financeiro de mercadorias, planejamento de eficiência operacional e um pedido inicial, reabastecimento e alocação.” O relatório também observou que "a Oracle é a melhor opção para varejistas, distribuidores e marcas que buscam planejamento de varejo integrado com funcionalidade internacional e suporte global". Faça o download do relatório de planejamento de março aqui.

Varejistas de moda e vestuário constantemente equilibram arte e ciência para oferecer o mix certo de produtos em cada estação. No entanto, nesse período sem precedentes, você provavelmente estará...

Melhores Práticas & Tendências

[Webcast] Como Utilizar Dados do Consumer Insights e Ciência do Varejo para Encontrar Novos Clientes

Participe do webcast com Retail TouchPoints, dia 7 de abril, com Mark Lawrence, Solutions Director of Analytics and Enterprise da Oracle Retail, analisa como varejistas estão ganhando vantagem competitiva otimizando campanhas de aquisição de clientes com promoções e ofertas mais relevantes. Como os clientes esperam ofertas mais direcionadas e contextuais dos varejistas, a realidade é que muitas marcas lutam com a capacidade de extrair montanhas de dados para entender as características de seus melhores clientes e utilizar essas informações para encontrar novos consumidores. O webcast explorará o lado positivo do uso da ciência avançada de dados de varejo para: enriquecer dados primários de clientes existentes com dados de terceiros em segmentos desconhecidos que mostram comportamentos de compra semelhantes; identificar padrões de compras entre categorias; aproveitar conjuntos dados de atributos demográficos, geográficos e de interesse para encontrar oportunidades de vendas no nível de transação vinculados ao perfil; analisar dados do cliente em uma resposta promocional e interações omnicanal em vários pontos de contato, e aplicar análises preditivas e prescritivas aos dados para explorar a análise "e se" (what if) e encontrar os segmentos de clientes com maior probabilidade de conversão. Registre-se hoje Assista a este vídeo (em inglês) para uma prévia.

Participe do webcast com Retail TouchPoints, dia 7 de abril, com Mark Lawrence, Solutions Director of Analytics and Enterprise da Oracle Retail, analisa como varejistas estão ganhando...

Melhores Práticas & Tendências

[Evento] ShopTalk 2020 - Visite-nos de 22 a 25 de Março

Colocar atributos e comportamentos do cliente no centro da aquisição de novos consumidores é uma estratégia para sua operação varejista? Visite-nos durante o Shoptalk 2020 e saiba mais sobre como a Oracle Retail pode ajudar a superar este desafio do varejo moderno. Teremos enorme prazer em receber você no estande nº 4104 e conversar sobre como nossa plataforma do varejo moderno ajuda a converter mais tráfego de lojas, executar jornadas sem falhas do BOPIS* e usar todos os dados disponíveis para tomar as melhores decisões de negócios. Demonstrações de produtos e conversas com executivos e especialista diretamente no estande da Oracle Retail. Soluções para Varejo: Oracle Retail Xstore Point-of-Service Oracle Retail Customer Engagement Oracle Retail Order Broker Oracle Retail Order Management Oracle Retail Store Inventory Operations Oracle Commerce Oracle Retail Merchandise Operations Management Oracle Retail Planning & Optimization Oracle Retail Supply Chain Management Oracle Retail Consumer Insights Executivos e Especialistas: Jeff Warren Jill Campbell Pat Bohannon Oracle Retail Consulting Clique Aqui e Solicite Sua Reunião 1:1   *BOPIS: Buy Online Pick Up in Store

Colocar atributos e comportamentos do cliente no centro da aquisição de novos consumidores é uma estratégia para sua operação varejista? Visite-nos durante o Shoptalk 2020 e saiba mais sobre como a...

Gestão de Mercadorias

[Webcast] Excelência Operacional para Omnicanalidade no Varejo

O varejo atual é extremamente complexo. A quantidade de produtos, lojas e pontos de contato cada vez mais se multiplicam e trazem um emaranhado de novas situações para a operação do dia a dia. Somado a isso, clientes cada vez mais conectados, com acesso a smartphones de última geração, têm alta expectativa para ter o produto no menor tempo possível. De acordo com a pesquisa anual da Oracle Retail, 78% dos brasileiros gostaria de sua entrega gratuita e em no máximo um dia. Na era do varejo omnicanal, atender o cliente de forma ampla e consistente exige excelência operacional, um termo simples, mas que traz um grande desafio de execução, e para o qual a tecnologia é fundamental. Antes de tratar da tecnologia, sintetizar o termo excelência operacional é importante, e nossa sugestão é que o varejista foque em três pontos: produto correto: significa personalizar o sortimento de cada loja, entendendo o que o perfil do cliente e quanto de estoque estará disponível em cada região e/ou loja, bem como, a jornada deste cliente. Sua loja é próxima a uma escola? Qual tipo de produto fará parte do sortimento? E qual o preço mais competitivo? E quais as promoções mais relevantes? operações simplificadas: ter o produto certo não significa aumentar o estoque, o importante aqui é saber onde e como distribuir este estoque. Aqui tempo e custo são extremamente importantes para possibilitar o “by online pick in store”, por exemplo. disponibilidade de estoque: visibilidade de estoque em cada canal é a chave. Onde está o produto? Na frente de loja ou na retaguarda? O produto está realmente disponível naquela loja? Informações precisas ajudarão a direcionar o cliente para o melhor canal de retirada no menor tempo. Uma gestão de mercadorias eficiente, voltada para o varejo moderno, requer que estes três pontos sejam contemplados nas discussões e soluções que busquem a eficiência operacional. É fundamental analisar a jornada do cliente em qualquer canal e em todos os processos do varejo. As decisões clássicas do varejo nunca foram tão importantes: o que, quanto e quando comprar, bem como, os custos inerentes da operação. Excelência operacional é a base para a implementação da estratégia omnicanal. A Oracle Retail possui um conjunto de soluções integradas e preparadas para atender os desafios do varejo atual, e auxiliar varejistas do mundo todo, que ajuda a: efetuar a completa gestão de mercadorias, com um método poderoso, preciso e fácil de usar de alocar mercadorias, mecanismo de preços baseado em regras que suporta preços regulares, promocionais em todos os pontos de contato, gerenciamento de processos de importação, incluindo atribuições de classificação de produtos, importação de pedidos de compra e cartas de gerenciamento de crédito e reconciliação dos custos estimados com os reais, processamento e validação de todas as transações de vendas de todos os canais e garantir informações consistentes de vendas e gestão de discrepâncias por exceção, para o mercado brasileiro, gestão de notas fiscais, impostos recuperáveis e não recuperáveis, documentos ficais, controle de saldo de compra, NFe, manifesto, e demais aspectos da legislação fiscal do país. Gravamos um webcast em português que você pode acessar neste link, que traz informações sobre a solução. Clique aqui para acessar. Teremos enorme prazer em poder apresentar-lhe nossa solução de gestão de mercadorias, focada no mercado varejista. Para facilitar seu pedido de uma reunião exclusiva, clique aqui.

O varejo atual é extremamente complexo. A quantidade de produtos, lojas e pontos de contato cada vez mais se multiplicam e trazem um emaranhado de novas situações para a operação do dia a dia. Somado a...

PDV/POS hardware e software

[Webcast] Ponto de serviço e CRM para Varejo

O setor de varejo está mudando drasticamente e, onde antes era utilizado apenas preço, produto e praça como atributos de decisão para o varejo, agora é adicionado mais um elemento: consumidor. Agora, o varejista pivotou para o cliente. Ou seja, o consumidor é um quarto pilar fundamental para que as decisões de varejo sejam tomadas. Recentemente, apresentamos um webcast em espanhol sobre soluções para omnicanalidade, onde falamos sobre seus quatro pilares essenciais: uma visão única do cliente, uma visão única do artigo, uma visão única do pedido e uma visão única do inventário - e como nossas as soluções abordam esses pilares. A Oracle Retail traz em seu portfólio soluções para o varejo omnicanal: Comércio Eletrônico: oferece comércio B2B e B2C na mesma plataforma, CRM para varejo: Customer Engagement, Gerenciamento de pedidos: Order Management, Agente de pedidos: Order Broker, Ponto de serviço (POS/PDV): software e hardware (estação de trabalho 6, estação de trabalho 310, tablet), Prevenção de Perdas: XBRi, Visibilidade das preferências do consumidor: Customer Insights. Todas as soluções são apoiadas por uma série de análises e ciência para varejo. Este webcast trata detalhadamente do ponto de serviço (POS/PDV) e do CRM - clique aqui para ouvir o webcast completo. Separamos 4 perguntas sobre omnicanalidade no varejo: O software do ponto de serviço (POS) permite configuração ou parametrização? O ponto de serviço do Oracle Retail se integra a outros sistemas que o cliente possui? E quando falamos sobre implementação, qual é a abordagem usual da Oracle Retail? O que é escopo do produto da Oracle Retail Cliente Engagement? Teremos o maior prazer em apresentar nossas soluções para omnichannel no varejo. Para facilitar sua solicitação de uma reunião exclusiva, clique aqui.

O setor de varejo está mudando drasticamente e, onde antes era utilizado apenas preço, produto e praça como atributos de decisão para o varejo, agora é adicionado mais um elemento: consumidor. Agora,...

Melhores Práticas & Tendências

[Tendência] O Que Esperam do Varejo os Consumidores da América Latina ?

A tecnologia tem se misturado cada vez mais ao dia a dia do varejo, e na América Latina, uma região de múltiplas culturas, costumes e línguas não é diferente. O reflexo positivo é um varejo cada vez mais móvel, impulsionado por smartphones mais acessíveis e melhores planos de dados. Não é à toa que as previsões apontam para um crescimento de 40,1% das vendas de comércio eletrônico no varejo, ou US $ 40,20 bilhões, até 2023*. Por outro lado, os investimentos contínuos dos varejistas para garantir transações sem falhas e com mais segurança têm contribuído para um maior engajamento do consumidor na região. Mas o que realmente buscam os consumidores da América Latina? O acesso a tecnologia tem tornado o consumidor da região mais exigente. De acordo com a recente pesquisa anual da Oracle Retail, a conveniência é essencial para 93% dos consumidores da América Latina, que desejam escolher opção de entrega que mais lhe atende no momento do pedido. E ainda, 78% dos brasileiros, 71% dos mexicanos e 74% dos chilenos apontam que gostariam de entrega gratuita em um dia. E não é só oferecer opções de entrega. A execução é altamente valorizada para 54% dos consumidores da região, que  indicaram que buscariam um varejista alternativo ou nunca mais o solicitariam se seus itens não chegarem conforme prometido. A personalização é um item que também merece destaque. Para 81% dos consumidores é importante receber ofertas de produtos e ofertas que realmente fazem sentido. Isso é maior que os 73% da pesquisa global. Nas visitas que efetuo em cada um dos países da região, observo a crescente busca por parte dos varejistas em atender a este consumidor que, empoderado pela tecnologia, espera o mesmo nível de serviço em todas as interações e canais, seja através de um website de fácil navegabilidade, transparência sobre produtos, loja agradável, autenticidade ou novas formas de comprar. Esse conjunto de desejos combinados coloca ainda mais pressão por inovação e experiências de compra incomparáveis. E é exatamente aí que a tecnologia pode ajudar, facilitando e tornando mais rápida a disponibilização e acesso a novos produtos e serviços. As soluções Oracle Retail podem ajudar a trazer mais conveniência, capacidade de execução e distintas possiblidades de personalização através da combinação de dados, tudo potencializado pela ciência e inteligência artificial embarcados e dirigidos exclusivamente para para o varejo: omnicanalidade: PDV hardware e software, CRM para varejo, gestão de pedidos e ordens, informação, insights e ciência: otimização de ofertas e dashboards exclusivo para varejistas, planejamento e otimização: planejamento financeiro de mercadorias, otimização de espaço, gestão de categorias, árvore de decisão, clustering, planejamento de sortimento, cadeia de suprimentos: previsão de demanda, otimização de reabastecimento, planejamento avançado de inventário, gestão de marcas próprias. gestão de mercadorias: gerenciar, controlar e executar as atividades diárias na gestão de produtos, incluindo compras, distribuição, gestão de pedidos e fechamento financeiro. Convido você a acessar a pesquisa completa em português ou espanhol, e coloco nosso time local da América Latina à disposição para conversar sobre os dados desta pesquisa e sobre como podemos ajudar sua operação. * eMarketer - Latin America Ecommerce 2019 - link Para solicitar uma reunião exclusiva com o time da Oracle Retail na América Latina clique aqui.

A tecnologia tem se misturado cada vez mais ao dia a dia do varejo, e na América Latina, uma região de múltiplas culturas, costumes e línguas não é diferente. O reflexo positivo é um varejo cada vez...

Lojas e Customer Engagement

3 Principais Inovações do Varejo

Na Oracle Retail nos esforçamos para oferecer aos varejistas novas ideias que ultrapassam os limites convencionais e estratégias táticas para experiências personalizadas e conectadas, como as que apresentamos durante a NRF 2020. Do nosso ponto de vista, escolhas e experiências é o que os consumidores continuam desejando, e eles recorrem à loja para atender a essa necessidade – onde ainda ocorrem quase 90% de todas as transações e onde começam as novas estratégias de atendimento.  Quando varejistas avaliam seu caminho estratégico, é essencial para o sucesso que eles se voltem para os clientes. Isso não significa apenas foco no cliente – significa colocar o cliente no centro de todas as decisões e processos de negócios. Principais Inovações para Engajar Clientes Conquistar novos clientes a custo mais baixo Esta é uma das prioridades das equipes de marketing de varejo e todos sabemos que o custo para executar novas campanhas de aquisição está aumentando. A solução Consumer Insights ajuda varejistas a entender as características de seus melhores clientes e ampliar esses traços para encontrar clientes em potencial semelhantes que utilizam inteligência artificial e petabytes de dados de terceiros no Oracle Data Cloud, para otimizar campanhas de aquisição de clientes com produtos e ofertas mais relevantes e direcionados.   Mais tráfego para a loja através da mobilidade À medida que o ambiente de varejo se volta para um modelo centrado no cliente, o foco é tirar o vendedor de traz do balcão para que ele se envolva mais cedo no processo de compra do cliente. A mobilidade é um facilitador essencial, colocando os vendedores onde os clientes estão, em qualquer lugar da loja, e eliminando a necessidade de plataformas tradicionais de caixa registradora. A versão mais recente do Oracle Retail Xstore POS permite que varejistas ofereçam uma loja totalmente móvel com todos os recursos e funções necessários para gerenciar esse ambiente disponível em um Tablet ou Thin Client.   Prever e executar o posicionamento ideal do estoque O Oracle Retail Store Inventory Operations Cloud Services fornece visibilidade precisa e em tempo real do estoque habilitado para RFID para posições na loja, o que é essencial para oferecer um ótimo atendimento ao cliente e aproveitar as oportunidades de venda. Dependendo da jornada exclusiva do cliente, o estoque dos pedidos dos clientes é separado, embalado e disponibilizado para ser retirado pelo cliente ou enviado da loja. Estas foram algumas das inovações que apresentamos durante a NRF 2020 e que você pode contatar o time da América Latina e solicitar uma reunião exclusiva. Nossa equipe local terá enorme prazer em levar até você estas e outras soluções focadas no mercado varejista.

Na Oracle Retail nos esforçamos para oferecer aos varejistas novas ideias que ultrapassam os limites convencionais e estratégias táticas para experiências personalizadas e conectadas, como as...

Planejamento e Otimização

Varejo de Moda: Como Evitar Excessos de Produtos em Loja

O varejo tenta insistentemente realizar mais vendas e eliminar problemas crônicos como a falta do tamanho ideal, o preço não ajustado, o produto não exposto, ou mesmo a falta do produto procurado, e além disso outro ponto dificulta muito as vendas de magazines e lojistas, é o excesso de produto em loja.  A boa notícia é que existem processos de negócio que podem evitar o acúmulo de estoque parado em loja e para isso você precisa se planejar! Preparar um planejamento comercial detalhado no nível mais baixo da estrutura mercadológica de produtos, como por exemplo - Departamento Feminino/ Top/ Regata/ Malharia, controlará suas apostas ao planejar os principais KPIs de venda, margem, estoque, markdown, ROI, etc. Fazer uma análise da performance histórica de vendas de cada subclasse, e ter uma visão preditiva da demanda trará uma visão completa do potencial de venda dos seus produtos, equilibrando os exageros nas apostas de crescimento. O plano comercial será o guia para a tomada das decisões de compra, está aí a primeira restrição ao excesso de produto em loja: a verba, ou para muitos ‘budget’. Construir um plano de sortimento seguindo as metas comerciais será um desafio importante para potencializar a diminuição do excesso de mercadoria em loja, pois a escolha dos produtos corretos baseadas em faixas de preço, em performance de atributos de produtos, em visibilidade de clusters por perfil de clientes, ajudará a eleger a quantidade ideal de modelos a ser comprados para atingir o seu plano comercial, assim também como trará mais eficiência ao definir a quantidade a ser comprada por modelo, e consequentemente você será mais assertivo evitando excessos no momento do pedido de compras. Além de possuir um sortimento mais ajustado, também é viável analisar quais são as variações de tamanhos mais vendidos para evitar sobras e ‘pontas’ em loja, para isso é possível definir uma curva de perfil de tamanhos, que recomendará o pack correto por loja ou cluster de loja, e assim limitar a quantidade dos tamanhos não procurados. Elaborar a otimização de tamanhos não é uma tarefa simples pois exige a correlação da venda de cada tamanho, por cada loja, de cada SKU; porém as vantagens no resultado compensam e trazem benefícios importantes para o negócio, tais como, redução de vendas perdidas relacionadas a tamanho, diminuição de custos da cadeia logística devido a menor necessidade de manipulação no centro de distribuição, melhoria na alocação do estoque e aumento de vendas da companhia. Por fim é necessário encarar o problema do excesso de produtos em loja por menor que seja, pois a mercadoria antiga estará ocupando um espaço valioso do piso de vendas, fazer gerenciamento do markdown é fundamental. A ‘demarcação’ ou ‘remarcação’ como é conhecido no varejo, consiste no ajuste progressivo dos preços a fim de eliminar os itens com ciclos de vidas antigos. Agrupar itens na mesma estratégia de preço com regras pré-definidas simplifica a tomada de decisões dessas rebaixas, é importante avaliar quais itens devem ser eleitos para a remarcação, qual o momento ideal para realizar essa diminuição de preço, assim como definir o percentual correto de desconto. Criar cenários para medir o impacto financeiro dessas rebaixas é muito importante, pois ajudará a prever margens muito baixas, e altos volumes de estoque durante o final da temporada. As soluções de panejamento da Oracle Retail podem ajudar a ganhar agilidade na padronizações desses e outros processos de varejo, ter eficiência nos planejamentos, nas reconciliações dos planos comerciais, ter controle das alterações táticas feitas no OTB com reflexo no plano atual, melhorar a gestão da coleção em loja através de alertas em tempo real com ranking de prioridades, prover análises preditivas de venda em uma única plataforma integrada fará com que a loja seja mais rentável e que a experiência do cliente seja completa. Aproveite a ciência e a automação incorporadas nas aplicações da Oracle Retail para eliminar o excesso de produto em loja, por meio de processos eficientes do Planejamento Comercial, de Sortimento, de Perfil de Tamanhos, de Previsão de Vendas e de Demarcação.

O varejo tenta insistentemente realizar mais vendas e eliminar problemas crônicos como a falta do tamanho ideal, o preço não ajustado, o produto não exposto, ou mesmo a falta do produto procurado, e...

Melhores Práticas & Tendências

Começamos o Novo Ano Sendo Reconhecidos Como Líderes no 2020 RIS Software LeaderBoard

A Oracle foi reconhecida como líder do setor no 2020 RIS Software LeaderBoard, superando a maioria dos principais provedores de soluções por atender consistentemente às expectativas dos varejistas. De acordo com a RISNews, o relatório Software LeaderBoard classifica o melhor dos melhores em tecnologia de varejo e baseia-se apenas na opinião do cliente. A Oracle recebeu uma pontuação de concentração de varejo quase perfeita de 45. Líder de software RISBoard 2020 De acordo com o RIS, os fornecedores de software são classificados pelos varejistas através de várias métricas, todas projetadas para revelar quais fornecedores têm a maior satisfação do cliente. Os fornecedores são examinados em mais de 50 categorias frente a frente, como desempenho geral, ROI, inovação, confiabilidade, suporte e muito mais. Este é o 19º relatório anual e inclui 330 respostas de varejistas e 610 avaliações de fornecedores de software de varejo. Um total de 49 fornecedores recebeu um número mínimo de votos para se qualificar para a classificação no relatório. A Oracle foi reconhecida como top 10 por várias categorias, incluindo: 2º para líderes de fornecedores de supermercad 3º melhor fornecedor em concentração de varejo 4º para grandes fornecedores 5º para líderes de fornecedores especializados 5º melhor fornecedor para revendedores de primeira linha 7º para líderes de fornecedores de vestuário 7º melhor fornecedor para varejistas de médio porte 8º para líderes amplos de fornecedores de suítes “A Oracle agradece aos nossos clientes por participarem do 19º RIS Software LeaderBoard anual”, disse Rose Spicer, diretora sênior global de marketing da Oracle Retail. "A equipe Oracle Retail é única no mercado, pois temos um foco incomparável e uma estratégia adequada ao objetivo, que garante a nossos clientes as melhores soluções de varejo e suporte de especialistas do setor que “respiram” varejo todos os dias". Varejistas podem fazer o download do estudo complementar diretamente no site da RISNews. Para saber mais sobre como colocar o cliente no centro de seus processos e decisões de negócios, assista também ao webcast ao vivo e em inglês em 08 de janeiro sobre as últimas inovações da Oracle Retail e pessoalmente na NRF 2020. Agende uma demonstração na NRF no estande 4837 (use o código 408 no site da NRF para obter um passe de show gratuito).

A Oracle foi reconhecida como líder do setor no 2020 RIS Software LeaderBoard, superando a maioria dos principais provedores de soluções por atender consistentemente às expectativas dos varejistas. De...

Cadeia de Abastecimento

Confiança do Consumidor: O Que Desejam os Brasileiros Quando o Assunto é Problema com Produtos Adquiridos?

Se uma marca ou revendedor se comunicasse imediatamente com você sobre quaisquer problemas que descobrissem com os produtos que você havia comprado, como isso afetaria sua opinião sobre a marca ou revendedor? dos brasileiros responderam que desejam que varejistas comuniquem imediatamente quaisquer problemas do produto, o que é maior do que a média mundial de 66%. Consumidores em todo o mundo clamam cada vez mais por transparência e informação a respeito de suas compras. A comunicação rápida e direta sobre irregularidades com produtos gera confiança e provavelmente atrairá consumidores mais fiéis e tolerantes quando um erro cometido ou um recall for necessário. Mas quão rápida deve ser a comunicação? dos consumidores da América Latina desejam ser informados imediatamente.   Recentemente Doug Macdonald, gerente de desenvolvimento de negócios da solução para gestão de marcas próprias da Oracle Retail, esclareceu que para obter tamanho grau de eficiência em relação a questões com produtos alimentícios, por exemplo, a quantidade de informações a serem armazenadas por cada alimento precisa aumentar, assim como as informações sobre sua localização e condição na cadeia de suprimentos.  Ele aponta que supermercados estão no ponto mais extremo da cadeia alimentar, pois além de comercializarem produtos e alimentos, eles ainda são proprietários de marcas próprias de produtos alimentícios. Supermercados trabalham diretamente com agricultores e produtores, estão diretamente envolvidos na segurança, armazenamento e distribuição de alimentos e sentem o impacto dos recalls mais do que a maioria, e ainda interagem com os consumidores diariamente. Próximos Passos da Alta Tecnologia Para auxiliar varejistas na tarefa de rastrear e armazenar dados referente a alimentos e marcas próprias, tecnologias comprovadas, como Oracle Retail Brand Compliance, combinadas com blockchain e Internet das Coisas (IoT), podem adicionar profundidade à rastreabilidade na cadeia de suprimento de alimentos. Para rastrear melhor alimentos, a tecnologia blockchain tem se mostrado um possível caminho a seguir. Originalmente desenvolvida para gerenciar transações financeiras que envolvem criptomoeda, blockchain provou ser capaz de fornecer o  registro do movimento de mercadorias através da cadeia de suprimentos. De fato, um grande varejista pilota blockchain há mais de um ano e já provou seu valor em itens de produção, reduzindo o tempo de rastreabilidade de mais de uma semana para questão de segundos. Alguns querem ir ainda mais além e usar sensores de IoT para monitorar a condição (por exemplo, temperatura) de produtos alimentares na cadeia de suprimentos. Assim, blockchain e IoT juntos podem fornecer uma imagem mais coesa de sua jornada na cadeia de suprimentos. Porém, rastrear alguns produtos simples com um ingrediente e uma cadeia de suprimentos de uma etapa, como frutas ou legumes é uma coisa, agora outra coisa é escalar para atender as necessidades de um varejists de marca própria que manipulam mais de 10.000 produtos ativos de 2.000 sites de produção globalmente. Gerenciar a complexidade de um produto como o tiramisu ou uma refeição pronta com dezenas de ingredientes, todos provenientes de diferentes fontes, precisa de uma abordagem diferente. Para lidar com a complexidade, muitos estão recorrendo às soluções de conformidade da marca - repositórios confiáveis e em tempo real de informações que abrangem toda a cadeia de suprimentos. Por exemplo, aqueles que usam soluções de conformidade de marca agora têm visibilidade completa dos ingredientes em seus produtos de marca própria, ajudando-os a garantir a precisão e a transparência das etiquetas para os consumidores. As ferramentas de conformidade da marca também trazem uma visibilidade aprimorada da cadeia de suprimento de alimentos, permitindo verificar o status dos locais de fabricação e responder rapidamente a problemas de qualidade dos alimentos. Essa combinação de informações detalhadas do produto e do fornecedor torna a conformidade da marca um facilitador fundamental para qualquer iniciativa baseada em blockchain/IoT para melhorar a visibilidade e a rastreabilidade da cadeia de suprimentos. Que tal conhecer um pouco mais sobre a solução Oracle Retail Brand Compliance? Você pode solicitar uma reunião exclusiva aqui ou solicitar uma demonstração exclusiva no stand da Oracle Retail na NRF 2020 clicando aqui. ** Números provenientes da pesquisa recente da Oracle Retail – Setting The Bar de 2019 **

Se uma marca ou revendedor se comunicasse imediatamente com você sobre quaisquer problemas que descobrissem com os produtos que você havia comprado, como isso afetaria sua opinião sobre a marca...

Cadeia de Abastecimento

Por que Varejistas Precisam Abordar Questões de Segurança dos Alimentos

No meu artigo recente publicado no Today's Grocer abordei a necessidade de varejistas abordarem as questões sobre segurança dos alimentos, que estão cada vez mais em evidência. Devido à necessidade premente de conscientizar e promover ações visando segurança alimentar global, no ano passado, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou 7 de junho como o Dia Mundial da Segurança dos Alimentos. Devido a sua importância, vale a pena revisar os pontos cruciais da segurança dos alimentos e do papel dos varejistas, fornecedores e parceiros tecnológicos do setor alimentício para garantir que este dia não seja esquecido. Como comunidade global, observamos um aumento significativo dos recalls de alimentos e muitos acreditam que a automação, o teste dos avanços tecnológicos e a velocidade para colocação no mercado são fatores que contribuem para isso. De acordo com a Food Safety Tech, os recalls de alimentos aumentaram 93% desde 2012. Contaminação por bactéria e a falta de informações sobre alérgenos são a principal causa de recalls de alimentos.  O total de recalls de alimentos no Canadá, Reino Unido e EUA em 2018 foi de 440* – uma média de 37 recalls por mês. Metade desses recalls é decorrente de contaminação e a outra metade simplesmente devido a rotulagem incorreta! Por que varejistas devem se importar? O setor de varejo é mais complexo hoje do que em qualquer outra época da história. Além de procurar produtos exclusivos e de alta qualidade a preços justos, consumidores querem cada vez mais garantias de que suas compras são adquiridas de modo ético, seguras para o consumo e que podem confiar nas informações da embalagem. O ambiente de varejo muda rapidamente, portanto, para manter a promessa da marca, varejistas precisam demonstrar o cuidado devido ao coletar, capturar e validar dados de fornecedores e produtos. Evidentemente, é necessário que varejistas reajam rapidamente a qualquer problema, fazendo uma perícia nos atributos desses dados. A boa notícia é que muitas das principais marcas do mundo estão tomando as medidas necessárias para proteger consumidores. Soluções que reúnem o mercado de forma colaborativa para antecipar riscos, garantir conformidade e administrar ações corretivas para manter a confiança do consumidor proporcionam segurança para todos. Para esses varejistas, isso representa a diferença entre minutos ou semanas ao analisar e remover produtos das prateleiras de lojas para manter os consumidores seguros. Ao combinar novas tecnologias, os supermercadistas conseguirão vincular dados em toda a cadeia de suprimentos de varejo, usando a Internet das Coisas (IoT), aplicativos e dispositivos de realidade aumentada. Eles ajudarão os varejistas de alimentos a garantir a integridade de seus materiais e produtos finais, e, quando combinados à inteligência artificial, criarão novas ideias e oportunidades para melhorar os processos de negócios, desvendar novas possibilidades e ajudar a manter os alimentos seguros para os consumidores. *Fontes: FDA (Food & Drug Administration), FSA (Food Standards Agency) e CFIA (Canadian Food Inspection Agency) Interessado em ampliar marcas próprias? Leia o novo ebook em inglês: Private Label State of the Industry Report.

No meu artigo recente publicado no Today's Grocer abordei a necessidade de varejistas abordarem as questões sobre segurança dos alimentos, que estão cada vez mais em evidência. Devido à necessidade...

Planejamento e Otimização

Colaboração com Universidade para Explorar Displays nas Pontas de Gôndolas

A quantidade de displays em qualquer loja é limitada, portanto, as decisões sobre quais produtos colocar nessas posições valiosas precisam ser estratégicas e aumentar o máximo possível a receita ou o lucro. Embora uma típica loja de varejo de grande porte tenha de 60.000 a 300.000 SKUs, ela terá em média apenas 36 pontas de gôndola. Com isso em mente, os cientistas de dados da Oracle Retail se aliaram à Moore School para ajudar  varejistas a otimizar a colocação do produto nessas posições essenciais, o que aumenta 93% a exposição dos produtos. Leia mais na Revista Spirited. Mark Ferguson e Olga Perdikaki, professores de administração da Moore School, trabalharam em colaboração com Su-Ming Wu, cientista de dados sênior da Oracle Retail, para pesquisar modelos de estimativa e otimização que varejistas possam utilizar para indicar qual produto tem a melhor chance de ser comprado em um display na ponta da gôndola visando otimizar o lucro da loja.  O projeto teve dois objetivos: Ajudar os varejistas a estimar o aumento de receita em categorias, subcategorias e/ou SKUs específicos. Otimizar a receita e o lucro da loja escolhendo os produtos certos para displays.    A equipe decidiu se concentrar na cerveja como o principal produto a ser colocado em displays nesta pesquisa. Eles determinaram qual cerveja tinha a melhor chance de ser selecionada em um expositor e qual cerveja específica era a melhor para ser exibida em uma determinada semana.  "O modelo apresenta ao supermercadista ou varejista um plano para um ano inteiro e pode ser usado com qualquer categoria de produto", declarou Ferguson. Os insights da pesquisa incluem: Uma técnica hierárquica para escolher o melhor produto, entre o grande número de SKUs de uma típica mercearia, para maximizar a receita e margem de lucro. Técnicas para calcular e prever aumento de lucro e receita. Um exemplo específico de otimização resulta da aplicação dessas técnicas aos dados históricos de vendas de cerveja coletados pela IRI. A equipe da Moore School "basicamente desenvolveu a matemática por trás desse modelo", disse Ferguson. Faça o download do ebook referente a esquisa – Manual do Supermercadista: Preveja Aumento de Vendas com Estatísticas Avançadas (em inglês).

A quantidade de displays em qualquer loja é limitada, portanto, as decisões sobre quais produtos colocar nessas posições valiosas precisam ser estratégicas e aumentar o máximo possível a receita ou o...

Gestão de Mercadorias

Gestão de Mercadorias para Novos Modelos e Formatos de Varejo

Em meu artigo recente, publicado no TotalRetail.com, abordo como os consumidores não estão mais exigindo apenas o produto certo; eles também estão controlando o 'como' e 'quando'. Mas como isso afeta os varejistas?  Conforme avançamos no varejo omnicanal, a questão não é mais a entrega ou o BOPIS (compra on-line com retirada na loja). Varejistas inovadores estão assumindo novos formatos para atrair clientes – como assinaturas e serviços e entregas rápidas – e, ao longo do caminho, adotando novos modelos para atingir seus objetivos. Assim como o omnicanal transformou a solução inovadora de alguns varejistas com visão progressista em aceitação onipresente, talvez os consumidores tenham como expectativa novos formatos de varejo. Surgem novas parcerias de varejo por toda parte, e nos Estados Unidos já vemos a devolução de produtos comprados pela Amazon nas lojas Kohl e pelas lojas da Disney dentro das lojas Target. Novas configurações de varejo ganham força com os consumidores: Gratificação instantânea: consumidores ficam ansiosos para receber as compras feitas por e-commerce assim que fazem o pedido on-line. A entrega rápida vai muito além do que o mero envio no mesmo dia e reduz o tempo estimado de recebimento do pedido (ETA) de dias para horas, ou até mesmo minutos. Para fazer as entregas de acordo com a disponibilidade para promessa (ATP) nesse formato, varejistas precisarão prever quem desejará algo, que produto essa pessoa desejará, quando e onde os consumidores estarão.   Assinaturas: o mercado de e-commerce por assinatura nos EUA cresceu mais de 100% em cinco anos. Em uma pesquisa da Oracle, perguntaram aos executivos de varejo: "Quando você pensa em inovação no e-commerce, qual seria o enfoque se dinheiro ou tempo não fossem um problema?” Em resposta a essa pergunta, 33% dos executivos dos EUA (27% dos executivos do mundo todo) gostariam de se concentrar na tecnologia de serviços de assinatura/serviços selecionados. Para os consumidores, as assinaturas oferecem comodidade, ao passo que os varejistas obtêm a maior recompensa: receita consistente e recorrente.   Varejo como serviço: com uma pesquisa on-line ou uma consulta pessoal, varejistas – como o Stitch Fix – estão aprendendo os estilos dos consumidores e entregando sortimentos selecionados pelo correio ou pessoalmente, junto com sugestões de lista de compras e maneiras descomplicadas de repetir pedidos anteriores. O varejo como serviço (RaaS) simplifica as compras para o consumidor, reduzindo o tempo gasto durante a navegação, e oferece aos varejistas a chance de construir relacionamentos sólidos e duradouros com os clientes.   Aluguel como serviço: mesmo para aqueles clientes com tempo para fazer compras – nem todo mundo tem dinheiro sobrando ou espaço no armário. Uma maneira de resolver o problema é passar do modelo “possuir um bem” para o modelo “alugar um bem”. Fornecida como serviço de aluguel por assinatura ou por ocasião – como Rent the Runway – essa configuração de varejo permite que os consumidores escolham as roupas de que precisam para o mês ou uma ocasião especial e depois as devolvam.   Alcance global: fronteiras internacionais não são um empecilho para consumidores determinados em busca do produto perfeito. Quase metade (47%) dos compradores dos EUA comprou de um varejista on-line, e a parcela é ainda maior na Europa (71%) e no Canadá (83%). Varejistas devem avaliar cuidadosamente as possíveis repercussões em suas operações e estoque caso atendam um mercado global. O desafio surge depois de se escolher um novo formato para testar. Para acompanhar o ritmo dessas inovadoras formas de varejo, as marcas consolidadas estão testando novos modelos operacionais pouco comuns para acompanhar as demandas e manter os negócios como de costume. Há coisas importantes que os varejistas devem ter em mente ao decidir experimentar um novo formato de varejo ou atender a um novo mercado. Acesse o "Guia de Redefinição das Estratégias de Estoque de Varejo" para saber mais sobre gestão de mercadorias para novos modelos e formatos de varejo (em inglês).

Em meu artigo recente, publicado no TotalRetail.com, abordo como os consumidores não estão mais exigindo apenas o produto certo; eles também estão controlando o 'como' e 'quando'. Mas como isso afeta...

Melhores Práticas & Tendências

O que Podemos Aprender com as Tendências da Cyber Monday 2019

US $ 9,4 bilhões é a receita esperada das vendas hoje, 2 de dezembro, durante a Cyber Monday 2019 e é a maior venda de varejo on-line de todos os tempos registrada nos Estados Unidos em um único dia.1 Essa projeção da Cyber Monday cresceu 19,6% desde o ano passado. Com a confiança do consumidor em um crescimento histórico e recorde de vendas no varejo, não é surpresa que os consumidores estejam gastando mais. Nosso diretor para estratégia de omnicanalidade, Ananda Chakravarty, escreveu um artigo voltado para o mercado dos Estados Unidos, e para nossa audiência da América Latina, trazemos alguns números interessantes. Dispositivos Móveis 36% das vendas vieram através de dispositivos móveis na Cyber Monday 2018, arrecadando mais de US $ 2,83B.2 +66% dos consumidores usaram um dispositivo móvel para tomar decisões de compra, essa tendência está intimamente ligada ao crescimento geral da rede on-line. telas maiores, infraestrutura e velocidade das informações mais eficientes, em 2019 espera-se que as vendas móveis excedam os computadores nesta temporada de festas.4 Dia do Solteiro e a Expansão Global de Marcas fora dos EUA, o Dia do Solteiro (11/11) domina a arena online - principalmente na China  O total de vendas em 2019 gerou mais de US $ 38,4 bilhões, a maioria impulsionada pelo Alibaba.5 o Dia do Solteiro também gerou mais de US $ 29 bilhões para o JD.com.6 Varejistas dos EUA e da Europa se beneficiaram substancialmente no Dia do Solteiro. Empresas como Bose, The Gap, Nike, Levi's, H&M, L’Oréal e Apple movimentaram mais de US $ 140 milhões cada, 300 marcas como Under Armour, Dyson ou LVMH Givenchy faturaram mais de US $ 10 milhões cada. marcas buscam expandir sua presença no varejo on-line globalmente cada vez mais. Omnicanalidade – loja física e online +54% dos compradores fizeram compras on-line e na loja, totalizando mais de 89,7 milhões de compradores em 2018,8 clientes que compraram on-line e retiraram na loja (BOPIS) aumentaram 73% em 2018 e espera-se que aumente novamente este ano.9 consumidores do online gastaram quase US $ 100 a mais em comparação a compradores de canal único.10 Descontos consumidores esperaram descontos mais altos e mais vendas promocionais durante esses Cyber Monday e todas as demais datas comemorativas isso pode afetar as margens no futuro, principalmente para varejistas que já praticam descontos pesados torna-se mais importante cuidar do excesso de estoque. Mais Custos de Remessa e Logística o aumento dos custos de envio levará os varejistas a impulsionar mais vendas omnichannel. na semana seguinte à Cyber Monday, o volume de pacotes aumentou mais de 68% e continua aumentando até dezembro, pressionando transportadoras e empresas de entrega.12  87% dos remetentes esperavam que as taxas de remessa aumentassem a taxas semelhantes a 2018 (4,9%) ou mais no início da temporada de festas.13 mais de 80% dos produtos enviados durante a semana pós Cyber Monday.14 Datas comemorativas do final de ano costumam ser um momento de alegria - especialmente para os varejistas quando os consumidores estão mais propensos a comprar. Os dias de compras de fim de ano, como a Cyber Monday, estão criando mudanças que precisam dos recursos de plataformas de varejo versáteis e completas, como Oracle Commerce Cloud e varejistas, que devem estar prontos para satisfazer as expectativas dos consumidores. Muitos dos efeitos de crescimento das datas descritas acima, levam em consideração a conveniência do consumidor. Nas próximas semanas veremos muito mais impactos digitais no ambiente de varejo, pois a conveniência do consumidor ajusta o ponto de inflexão para as compras on-line durante as vendas de pico nas datas comemorativas. Comece seu novo ano juntando-se a nós na NRF 2020 e prepare sua operação para trazer conveniência e agilidade para seus clientes. Solicite uma reunião aqui.   Fontes: 1These 4 Hours on Cyber Monday Could Be Worth More Than $3 Billion to Businesses 2Cyber Monday hits $7.9B in online sales, $2.2B spent via smartphones 3Thanksgiving weekend multichannel shopping up almost 40 percent over last year 4More people will shop on mobile than desktop this holiday 5Alibaba's Singles' Day sales hit record $38 billion; growth slows 6Alibaba, JD.com Post Record Singles Day Sales 7Alibaba’s 11/11 Singles’ Day: Here’s Which Brands Profited The Most 8,10Thanksgiving weekend multichannel shopping up almost 40 percent over last year 9Sales Report: 2018 Thanksgiving, Black Friday, Cyber Monday 11Walmart’s cure for a short holiday shopping season: Start the deals early 125 Record-Breaking 2018 Holiday Package Statistics 13Getting Ready for 2019 GRI: How to Mitigate Cost Increases 14Etsy's Ad Campaign Promotes New Free Shipping Strategy—a Must Have for Holiday Shoppers

US $ 9,4 bilhões é a receita esperada das vendas hoje, 2 de dezembro, durante a Cyber Monday 2019 e é a maior venda de varejo on-line de todos os tempos registrada nos Estados Unidos em um único dia.1 ...

Melhores Práticas & Tendências

#roadtoNRF - O Caminho é Pavimentado por Inovação e Sucesso do Cliente

O evento Big Show da NRF em janeiro é uma reunião anual de proporções épicas. Não apenas temos o privilégio de ter centenas de conversas e reuniões com nossos clientes de todo o mundo, mas este ano temos uma oportunidade especial de mostrar algumas inovações disruptivas. Ao longo das próximas semanas, compartilharei dicas sobre o que a indústria pode esperar da Oracle Retail em janeiro, mas antes de entrarmos em detalhes, quero dedicar um momento para refletir sobre o que honestamente acredito foi uma série de eventos do Oracle Retail Industry Forum de maior sucesso em nossa história. Ficamos impressionados com as histórias que os clientes compartilharam nos palcos de Dubai e Madri. Aqui estão três que acho que exemplificam o impacto que a plataforma do varejo moderno está causando nos varejistas de todo o mundo: Louis Vuitton (LVMH) compartilhou no ORIF 2019 o entusiasmo pelo projeto de Lojas, e o valor de uma forte colaboração que a Oracle Retail traz para a LVMH para seus negócios, associados e clientes. A LVMH compartilhou ideias de seu projeto Diamond, que introduziu uma plataforma digital exclusiva e passou de um POS antigo para o Oracle Retail Xstore Point-of-Service e o Oracle Retail Order Broker Cloud Service. A marca global de luxo compartilhou abertamente como o portfólio Oracle capacita os funcionários da loja a guiar os clientes por uma jornada omnicanal extraordinária e transações contínuas em todos os canais do mundo. Veja a celebração do cliente.   Pianoforte compartilhou como orquestraram uma experiência estelar para o cliente, do planejamento à loja com um conjunto integrado de soluções Oracle para otimizar os processos de planejamento, localizar ofertas e personalizar a experiência do cliente. O CIO do grupo também compartilhou informações sobre a implantação acelerada do ponto de serviço do Oracle Retail Xstore na icônica loja de Yamamay na Piazza Cordusio, considerada a Times Square de Milão.   Prada o evento foi encerrado com uma conversa com Mike Webster e Lorenzo Bertelli, head de marketing da Prada. O Grupo PRADA é líder mundial no setor de artigos de luxo, onde opera com as marcas Prada, Miu Miu, Church's e Car Shoe na produção e distribuição de bolsas, artigos de couro, calçados, roupas e acessórios. Seus produtos são vendidos em 70 países em todo o mundo, através de 634 lojas operadas diretamente e uma rede selecionada de departamentos de luxo, multimarcas e lojas franqueadas, além de todos os principais varejistas eletrônicos. Em abril de 2019, o Prada Group anunciou uma colaboração com a Oracle para adotar um conjunto de soluções tecnológicas avançadas da Oracle para aumentar a eficiência e a eficácia operacional em todos os principais processos de varejo do Prada Group. Lorenzo compartilhou como a integração das tecnologias digitais avançadas da Oracle às operações do grupo, desbloqueou um valor cada vez maior para seus negócios e ofereceu mais oportunidades à sua base de clientes global. As histórias de clientes ilustram com autenticidade o que a Oracle Retail traz. Se você se juntou a nós nos eventos que fizemos ao redor do mundo, obrigado por reservar um tempo para fazer conexões com a comunidade!! Se você deseja elevar seus negócios e se concentrar no cliente, consulte-nos na NRF 2020. Faça o download das apresentações do cliente no Oracle RACK. Agende uma demonstração na NRF, estande 4837 (se você ainda não se cadastrou, e for varejista, use o código 408 para obter um passe grátis para shows).

O evento Big Show da NRF em janeiro é uma reunião anual de proporções épicas. Não apenas temos o privilégio de ter centenas de conversas e reuniões com nossos clientes de todo o mundo, mas este ano...

Gestão de Mercadorias

Como Conquistar o Modelo de Varejo por Assinatura

Parece que a cada dois dias um novo especialista prevê a última tendência para redefinir o varejo. Não é preciso muito para perceber que o varejo está mudando, mas as tendências que realmente modificam os hábitos de compra são poucas e raras. Contudo, uma tendência que parece ter chegado para ficar é o modelo de assinatura.  De fato, nos últimos cinco anos, as assinaturas de e-commerce cresceram mais de 100%. Independentemente de comprarem produtos de beleza, entretenimento, ou ingredientes para o jantar, os consumidores estão migrando para a conveniência dos serviços de assinatura. E os varejistas estão se beneficiando desse fluxo de receitas recorrentes, além de conseguirem informações mais detalhadas sobre os hábitos de consumo de seus clientes.  Pode parecer óbvio, mas oferecer os serviços de assinatura correto é mais difícil do que parece. Gerenciar estoque, frete e logística é um ato de malabarismo instigante; e administrar pagamentos recorrentes podem ser um aborrecimento. No entanto, os varejistas podem adotar várias etapas para garantir que colham todas as recompensas dos modelos de assinatura sem as possíveis desvantagens. Escolha o parceiro certo Nem todos os modelos de assinatura são criados iguais. Os varejistas oferecem pacotes de assinatura de formas e tamanhos diferentes, cada um projetado para atrair clientes distintos. Antes de lançar seu próprio serviço, faz sentido considerar qual tipo de assinatura terá maior repercussão em seu próprio público-alvo. O modelo de “renovação” oferece uma entrega regular de itens de uso contínuo: por exemplo, ração seca ou toalhas de papel. Esse modelo oferece conveniência – e frequentemente descontos financeiros – para clientes que usam seus produtos favoritos rotineiramente. Depois, há o tipo de assinatura "selecionada", que apresenta aos clientes uma seleção de produtos, como maquiagem ou planos de refeições, que foram selecionados manualmente para atrair o gosto específico do cliente. Geralmente, inclui itens de valor agregado, como conselhos do chef sobre harmonizações de jantares, e apelo a clientes que desejam manter-se atualizados com as últimas tendências de uma categoria específica.  Por fim, existe o modelo de "acesso", que permite aos clientes alugarem um item em particular – geralmente um item caro ou de luxo que o consumidor não consiga comprar. Esse tipo de assinatura atrai os consumidores que procuram reduzir desperdícios e gastos desnecessários de sua vida, sem deixar de desfrutar das coisas boas da vida. Conheça seu cliente Não basta entender qual é o tipo de assinatura mais adequado à sua base de clientes. Para ter sucesso nas assinaturas, os varejistas precisam capturar as preferências de seus clientes e reagir a elas. Uma das maiores vantagens da venda direta ao consumidor, da qual as assinaturas fazem parte, é a capacidade de criar ofertas personalizadas com base no perfil dos clientes. As marcas devem adaptar seus modelos de assinatura – acesso, selecionada ou renovação – para melhor atender aos hábitos e desejos dos clientes-alvo. Os varejistas podem até usar seus próprios serviços de assinatura para compor um entendimento ainda mais detalhado sobre preferências dos clientes. Acompanhe seu estoque Talvez o aspecto mais difícil de gerenciar um serviço de assinatura seja acompanhar o estoque. Um desafio nos modelos tradicionais de varejo, o estoque é ainda mais importante para as empresas que executam modelos de assinatura. No passado, decisões ruins sobre estoques podiam acarretar perda de vendas quando o estoque de um item procurado terminava. Com as assinaturas, a situação tornou-se ainda mais complicada, pois os assinantes concorrem com os compradores pelo estoque. Os riscos de uma má administração também são significativamente mais altos, pois a incapacidade de atender uma assinatura sem dúvida resultaria em clientes muito insatisfeitos. De acordo com os laboratórios de RFID da Auburn University, 65% dos varejistas norte-americanos não têm visibilidade do próprio estoque – e os números são semelhantes no Reino Unido. Oracle Retail – 65% dos varejistas não têm visibilidade do próprio estoque. Ou seja, isso significa que um terço dos varejistas não tem controle total sobre os níveis de estoque. Felizmente, com as ferramentas e o know-how adequados, é possível controlar o estoque e se sobressair. Para que um modelo de assinatura funcione, os varejistas precisam de uma imagem clara do que há em estoque e onde a mercadoria está – isso exige um sistema de registro de mercadorias robusto no centro de sua pilha de tecnologia. Os varejistas inteligentes planejam a gestão de estoque e estabelecem a estrutura apropriada, mesmo que novos modelos de negócios, como assinaturas, ainda estejam na etapa de planejamento. Embora as assinaturas representem uma maneira nova e única de conectar-se com os consumidores, os princípios fundamentais do varejo tradicional ainda se aplicam: o cliente continua no banco do motorista, o estoque ainda é essencial e as marcas precisam da tecnologia certa para não ficarem para trás. Os varejistas que se estabelecerem com as ferramentas corretas para o trabalho, aliadas a uma compreensão detalhada das necessidades de seus clientes, serão aqueles que colherão as recompensas das assinaturas todos os meses. Faça o download do manual de estratégias de estoque para obter dicas sobre a evolução dos modelos de varejo (em inglês).

Parece que a cada dois dias um novo especialista prevê a última tendência para redefinir o varejo. Não é preciso muito para perceber que o varejo está mudando, mas as tendências que...

Melhores Práticas & Tendências

Oracle Nomeada Líder Mundial em Aplicativos de Otimização de Preços no Varejo

A Oracle foi nomeada recentemente líder no IDC MarketScape: Avaliação de Fornecedores 2019 – Aplicativos Mundiais de Otimização de Preço de Varejo.1 A lista inclui fornecedores de otimização de preços focados no modelo de negócio B2C e baseados na própria base de clientes, uso de análises avançadas, machine learning, inteligência artificial (AI) e destaque para a shortlist de compra de varejistas da empresa. A classificação da Oracle Retail como líder enfatiza o investimento contínuo da empresa em análise, otimização e ciência de dados. Com essas soluções, varejistas ganham uma panorama inédito sobre o desempenho futuro de seus sortimentos e sobre o impacto que cada oferta promocional terá no resultado final. O relatório do IDC MarketScape observa que “o planejamento de varejo tradicional, do qual a otimização do preço do ciclo de vida é parte fundamental, está em curso. Definimos o planejamento de varejo de última geração como orquestração organizada do fluxo de mercadorias (CMO, curated merchandise orchestration). CMO é o sistema nervoso central de indicadores corporativos e ecossistêmicos que harmoniza seus próprios processos e os processos adjacentes desde a concepção até a entrega. O preço abrange os lados de seleção e orquestração do CMO como um volante para criar demanda suficiente e venda eficiente do estoque”. No relatório, a IDC reconheceu a Oracle por sua profunda experiência e ativos de tecnologia em merchandising complementar e análise, execução e operações de planejamento da cadeia de suprimentos, bem como plataforma de comércio omnicanal. Os aplicativos de otimização de preço, promoção e redução de preços da Oracle Retail utilizam o Oracle Retail Science Platform Cloud Service, que combina inteligência artificial, machine learning e ciência de decisão com dados obtidos de aplicativos SaaS da Oracle Retail e dados de terceiros. A propriedade exclusiva desses aplicativos de autoaprendizagem é que eles detectam tendências, aprendem com os resultados e aumentam a precisão conforme o uso, adicionando grandes quantidades de dados contextuais para obter um panorama mais claro sobre o que motiva os resultados. Esses aplicativos de preços são complementados por um amplo conjunto de aplicativos de planejamento, otimização e execução de varejo – particularmente planejamento financeiro. “Varejistas têm uma grande oportunidade de empregar machine learning e ciência de varejo para elevar seus negócios a outro patamar no que se refere a orquestração organizada do fluxo de mercadorias'”, declarou Jeff Warren, vice-presidente da Oracle Retail. "A Oracle fornece aos varejistas aplicativos de otimização de preço de prática futura com base em nossa Retail Science Platform, capacitando-os a automatizar e prever o impacto das decisões de preços e, simultaneamente, apresentando ofertas que encantam seus clientes e aumentam os índices de resgate". As soluções da Oracle Retail consideradas no IDC MarketScape: Avaliação de Fornecedores de 2019 – Aplicativos Mundiais de Otimização de Preços, incluem Oracle Retail Merchandising System Cloud Service, Oracle Retail Customer Engagement Cloud Service, Oracle Retail Planning and Optimization Suite e Oracle Retail Science Platform Cloud Service. Acesse a cópia gratuita de um trecho do relatório para obter mais detalhes. 1 IDC MarketScape: Avaliação de Fornecedores 2019 – Aplicativos Mundiais de Otimização de Preços, doc #US45034619, maio de 2019 Sobre o IDC MarketScape: O modelo de avaliação de fornecedores do IDC MarketScape foi desenvolvido para fornecer um panorama da adequação competitiva dos fornecedores de TIC (tecnologia da informação e comunicação) em um determinado mercado. A metodologia de pesquisa utiliza uma metodologia de pontuação rigorosa baseada em critérios qualitativos e quantitativos que resulta em uma única ilustração gráfica da posição de cada fornecedor dentro de um determinado mercado. O IDC MarketScape fornece uma estrutura clara na qual as ofertas de produtos e serviços, as capacidades e estratégias e os fatores atuais e futuros de sucesso de mercado dos fornecedores de TI e de telecomunicações podem ser comparados de maneira significativa. A estrutura também fornece aos compradores de tecnologia uma avaliação 360 graus dos pontos fortes e fracos dos fornecedores atuais e possíveis fornecedores.

A Oracle foi nomeada recentemente líder no IDC MarketScape: Avaliação de Fornecedores 2019 – Aplicativos Mundiais de Otimização de Preço de Varejo.1 A lista inclui fornecedores de otimização de preços...

Melhores Práticas & Tendências

Vai Começar o Oracle OpenWorld 2019 - Confira a Programação de Varejo

Faltam 3 dias para começar o Oracle OpenWorld. A esta altura sua passagem já está comprada, seu hotel já está reservado, e provavelmente sua agenda já está fechada. Enquanto você planeja os últimos detalhes, queremos ter certeza de que você colocou em sua agenda as apresentações focadas no varejo. E porque não dizer: Welcome to My House! Sim dia 18 de setembro John Mayer, oito vezes vencedor do Grammy e Flo Rida comandam a CloudFest.19. E o que mais desejamos? Muito conteúdo e networking para você. Bem-vindo(a) ao OracleOpenWorld 2019! Sessões Exclusivas Oracle Retail Segunda-feira, 16 de setembro de 2019 Sessão Geral de Varejo: Leading in a Fast & Fierce World 10:00 - 11:30 Mike Webster, vice-presidente sênior e gerente geral da Oracle Retail Modernização de finanças no varejo: A Abordagem Exclusiva da PwC para Gerar Valor através do Oracle Cloud 13:30 - 14:15 Troy Lutes, parceiro, PwC John O'Connell, vice-presidente de finanças e sistemas da Hudson's Bay Company Painel: Merchandising and 360 Degree Visibility 14:30 - 15:15 Rick Whicker, diretor sênior de sistemas e estratégia da empresa, Gap Inc. Carla Anderson, diretora sênior da Oracle Retail Terça-feira, 17 de setembro de 2019 Estratégia de Varejo e Atualização de Portfólio 11:15 - 12:00 Jeff Warren, vice-presidente de Oracle Retail Inovação Omnichannel: Construindo seu Caminho para o Futuro 12:30 - 13:15 Jeff Warren, vice-presidente de Oracle Retail A Ciência da Otimização de Varejo 15:15 - 16:00 Marc Koehler, diretor de soluções, Oracle Retail Academy Sports + Outdoors: Desenvolvimento Rápido de Eplicativos para Oracle Retail 16:15 - 17:00 Aby Joy, Diretora, Academia Sports + Outdoors

Faltam 3 dias para começar o Oracle OpenWorld. A esta altura sua passagem já está comprada, seu hotel já está reservado, e provavelmente sua agenda já está fechada. Enquanto você planeja os últimos...

Cadeia de Abastecimento

Como Proteger Consumidores e a Imagem da Marca

Aquele aroma penetrante que dá água na boca e a exposição exuberante de produtos deliciosos e tentadores sobre o balcão de uma delicatéssen ou padaria. Nós amamos, eles nos atraem, intrigam e nos colocam em um estado mental que nos faz ignorar preço, volume e necessidade. Quando escolhemos nossas delícias preferidas e acrescentamos as iguarias não essenciais, porém irresistíveis, deixamos de considerar a qualidade e a segurança desses itens e simplesmente colocamos o sabor ou a aparência acima do risco. Mas instantaneamente evitaríamos comprar uma refeição pronta pré-embalada sem rótulo, independentemente de quão saboroso o produto parecesse. Fomos condicionados a inspecionar a embalagem, mas quando o produto não tem embalagem, simplesmente achamos interessante e acreditamos que ele seja fresco e que por isso seja melhor. Consumidores Assumem o Risco Há muitos anos, a lei exige que varejistas, restaurantes e balcões de alimentos exibam avisos contendo informações sobre alergênicos. Como consumidores, já sabemos disso, mas raramente consultamos esses avisos, principalmente se não soubermos que somos alérgicos e mergulharmos nos sabores à nossa frente. Nós – os próprios consumidores – assumimos o risco. Se tivermos algum tipo de alergia, é nosso dever verificar, confirmar e então saborear o produto escolhido. Contudo, quando algo sai errado, a marca é culpada aos olhos da mídia e de nossa família por não proteger o consumidor, embora ela tenha responsabilidade jurídica limitada nestes casosem que há o claro aviso. Em alguns países como a Inglaterra e Irlanda do Norte, estão sendo criadas leis adicionais. A BBC acabou de anunciar que será introduzida no verão de 2021 uma nova lei para proteger indivíduos alérgicos. Esse anúncio chega após a trágica reação alérgica que causou a morte da adolescente Natasha Ednan-Laperouse. Segundo a "Lei Natasha" (Natasha's law), as empresas de alimentos deverão incluir todos os ingredientes nos rótulos de todos os alimentos pré-embalados. Os varejistas reconhecem que, embora as leis os protejam, elas não protegem a imagem e integridade da marca. Então, o Que Mais Varejistas Podem Fazer? Como Proteger Consumidores e Marca? Alguns varejistas estão investindo em tecnologia e soluções para oferecer aos consumidores rótulos digitais dos produtos alimentícios nos balcões. Agora, as lojas podem acessar informações detalhadas sobre receitas, ingredientes, origem, informações nutricionais e avisos de segurança e imprimi-las ou exibi-las digitalmente em pontos de informações e caixas. A garantia de que esses dados sejam corretos, consistentes e atualizados é obtida com soluções de gestão de marca dos varejistas, como o Oracle Retail Brand Compliance Cloud Service. Com essa solução, os varejistas e suas cadeias de suprimentos capturam, validam e analisam de forma colaborativa dados de produtos e cadeia de suprimentos para garantir que estão atendendo os padrões de ética, segurança, qualidade e marca. Assim, podemos saborear nossa comida deliciosa com a confiança de que ela está embalada em um rótulo virtual. Solicite uma Demonstração

Aquele aroma penetrante que dá água na boca e a exposição exuberante de produtos deliciosos e tentadores sobre o balcão de uma delicatéssen ou padaria. Nós amamos, eles nos atraem, intrigam e nos...

Clientes e Casos de Sucesso

Fashion Retailer Acessoriza-se com Oracle para Impulsionar o Crescimento Internacional

Pioneira italiana de acessórios O bag recorre a Oracle Retail para localizar promoções e personalizar a experiência do comprador Marca italiana, O bag produz e distribui acessórios de moda únicos e personalizados. Em 2012, a empresa lançou uma coleção de bolsas icônica casual-chic e completamente personalizável para mulheres, que lhes permitiu misturar materiais em várias combinações, de acordo com o estilo e o gosto individual. Com a Oracle Retail, a O bag pode oferecer o mesmo nível de personalização em promoções locais e oferecer experiências sob medida aos clientes em 400 lojas em todo o mundo e online. “Nossos principais objetivos são desenvolver ainda mais nosso negócio de varejo para atender às necessidades de um público transversal e multigeracional, buscando uma experiência totalmente personalizada”, explica Michele Zanella, fundadora e gerente geral da O bag. "Partimos das lojas físicas e, em seguida, embarcamos em uma jornada omnicanal com a Oracle Retail". Com a tecnologia Oracle Retail, a experiência na loja vai muito além da execução impecável e segura das transações. Vendedores têm ferramentas de inteligência disponíveis para analisar o comportamento do consumidor e diferenciar cada interação. Funcionários podem acessar informações do cliente em tempo real, incluindo histórico de compras e informações de lealdade, ao mesmo tempo em que envolvem clientes e fortalecem sua confiança na marca. “Conforme observado em nosso relatório Topografia do Varejo, 56% dos consumidores europeus acreditam que ofertas e promoções personalizadas são fundamentais para sua experiência de compra. Ao obter uma visão única do cliente e fornecer essa visão no ponto de venda, a O bag pode oferecer ofertas oportunas, relevantes e personalizadas que levam o consumidor a permanecer fiel”, disse Mike Webster, vice-presidente sênior e general gerente, Oracle Retail. Como parte de um compromisso estratégico de vários anos com a Oracle Retail, a O bag implementou globalmente as soluções Oracle Retail Xstore Point-of-Service (POS) e Oracle Retail Customer Engagement para localizar ofertas e personalizar a experiência do cliente em mais de 400 lojas próprias e franquias em 55 países na Europa, EUA, Canadá, América Latina, Japão, Sul da Ásia e África do Sul. O Oracle Retail Xstore Point-of-Service é o pilar necessário para permitir várias experiências de compra omnicanal. Quando combinados com o Oracle Retail Customer Engagement, funcionários têm o poder de oferecer uma experiência mais personalizada ao cliente. Ao estabelecer as bases com essas soluções, a O bag pode otimizar a mudança para novos mercados em um ritmo rápido, e sustentável, graças aos recursos de localização integrados. O bag adquiriu a solução Oracle Retail Xstore Point-of-Service solution em 2017 e a solução Oracle Retail Customer Engagement em 2018.

Pioneira italiana de acessórios O bag recorre a Oracle Retail para localizar promoções e personalizar a experiência do comprador Marca italiana, O bag produz e distribui acessórios de moda únicos...

Gestão de Mercadorias

Varejo: Cadeia de Suprimentos Mais Transparente e Segura

O setor de marcas próprias cresce mundialmente, e com este crescimento crescem as preocupações dos consumidores sobre a qualidade dos produtos que estão consumindo. Consumidores não estão procurando apenas produtos de alta qualidade a preços justos; eles também querem garantia de que suas compras são seguras e têm origem controlada e ética. Isso exige que os varejistas mantenham a transparência em suas redes globais de cadeia de suprimentos. Com os avanços das ferramentas de relatórios e análises e a contínua ampliação das integrações, o Oracle Retail Brand Compliance Management Cloud Service está ajudando varejistas a monitorar a integridade dos insumos e e produtos finais, para melhorar a experiência dos clientes e proteger a própria marca. O Oracle Retail Brand Compliance foi projetado especificamente para permitir que varejistas, restaurantes, serviços alimentícios e fabricantes forneçam, desenvolvam, acompanhem e comercializem produtos de marcas próprias. À medida que os produtos são desenvolvidos, a solução audita e gerencia todos os aspectos do processo, criando detalhes de rotulagem precisos e certificados de acordo com as políticas locais de regulamentação e do setor. Dessa forma, as marcas conseguem rapidamente reagir a incidentes do setor e corrigir produtos. Em 2016, um surto de listeriose em diversos estados nos EUA afetou várias cadeias de supermercados famosas. Vegetais congelados contaminados e frutas provenientes de uma fábrica foram adicionados a aproximadamente 358 produtos de consumo vendidos sob 42 marcas distintas. Usando o Oracle Retail Brand Compliance, um renomado supermercadista conseguiu retirar SKUs rapidamente, identificar onde o produto afetado estava sendo vendido e comunicar-se com os clientes, minimizando a situação e protegendo seus clientes. “Atualmente, cumprir a promessa de sua marca diz respeito tanto à qualidade e confiança quanto ao custo", declarou Jeff Warren, vice-presidente de estratégia e gerenciamento de soluções da Oracle Retail. “Clientes esperam que varejistas saibam tudo sobre os itens que compram, seja informações sobre disponibilidade, ingredientes, seja sobre o processo de fabricação. Eles esperam transparência e maior acesso à informação, em tempo real. Os maiores nomes do mercado confiam no Oracle Retail Brand Compliance para atender a essas expectativas, ao mesmo tempo em que protegem seus clientes e marcas”. Conformidade e Segurança em Toda a Cadeia de Suprimentos de Varejo O Oracle Retail Brand Compliance é uma das soluções de gestão de marca mais adotadas no mundo, representando dois terços de todos os portais técnicos e de conformidade de marcas próprias atualmente em uso. A solução fornece um ponto único de autenticação para todas as auditorias, credenciamentos e certificados. Com ela, conjuntos de dados comuns são inseridos uma única vez e compartilhados entre a comunidade para relatar métricas de qualidade, ambiente, frescor e sustentabilidade e para acompanhar a movimentação de produtos com o intuito de orientar a avaliação de riscos e a resposta rápida a incidentes. Atualmente, a comunidade Oracle Retail Brand Compliance é composta de mais de 250.000 fornecedores que oferecem 750.000 produtos de consumo. Com os aprimoramentos da solução, os profissionais da cadeia de suprimentos de varejo apresentarão com mais facilidade informações transparentes sobre produtos para parceiros e canais, com as seguintes melhorias: Painéis de KPI que fornecem insights importantes, business intelligence e relatórios operacionais sobre a cadeia de suprimentos e análise de produtos, Composições de produtos de consumo para permitir formulações na loja, rotulagem e aconselhamento nutricional digital, Integrações de API com outros aplicativos importantes da Oracle. “Para os varejistas, ter visibilidade total de toda a cadeia de suprimentos é um fator revolucionário. Pode significar a diferença entre levar minutos ou semanas para responder a incidentes, rastrear e remover alimentos contaminados das prateleiras das lojas e notificar os consumidores. Deixando de lado o prejuízo à marca, pode significar a diferença entre a vida e a morte”, observou Paul Woodward, diretor sênior de soluções da cadeia de suprimentos da Oracle Retail.   Solicite uma Demonstração Exclusiva

O setor de marcas próprias cresce mundialmente, e com este crescimento crescem as preocupações dos consumidores sobre a qualidade dos produtos que estão consumindo. Consumidores não estão procurando...

eCommerce

Três Pontos Essenciais para Otimizar a Experiência Omnicanal no e-Commerce

A otimização do omnicanal é a nova tendência, especialmente no início da jornada do cliente. Segundo um estudo do setor, quase 90% dos varejistas usam uma estratégia de omnicanal, mas apenas 8% a dominam.1 O omnicanal tem tido um enorme crescimento com empresas como a Home Depot, gerando metade de seus negócios por meio de soluções de compra on-line e retirada na loja (BOPIS) ou compra on-line e envio para a loja (BOSS).2  Varejistas já aceitaram o valor de crescimento do omnicanal pois entenderam que ele aumenta o interesse dos clientes e proporciona conveniência. Isso produz retornos reais. Clientes de omnicanal gastam 13% a mais na loja física. Um estudo de Harvard mostra que os clientes de omnicanal retornam 23% mais vezes às compras dentro de seis meses após uma experiência omnicanal.3 No entanto, para viabilizar o omnicanal, é necessário um investimentos em software, pessoas e processos. A otimização por meio de soluções tornou-se o novo mantra para varejistas que oferecem o omnicanal. De acordo com o Vice-Presidente Sênior de uma grande empresa de varejo nacional nos EUA, "a otimização do omnicanal é essencial, e a mão de obra é o eixo. Por exemplo, até um terço dos pedidos reservados on-line para retirada na loja é abandonado. Os vendedores costumavam ter listas de separação de produtos, mas agora eles contam com dispositivos na loja para acelerar e simplificar o processo. O vendedor precisa gerenciar o período [depois que o pedido tiver sido feito] e recolocar os itens no estoque nos casos em que o comprador não apareceu para retirar o produto”.4 Monitorar as Melhorias do Omnicanal? A capacidade de integrar os recursos dos ambientes on-line e físico continua sendo importante, e a otimização desses recursos a torna lucrativa. Então, como os varejistas estão monitorando as melhorias do omnicanal? As métricas básicas se enquadram nas métricas digitais atuais, como Índices de Conversão e Valor Médio de Pedido (VPM, ou Tícket Médio), mas os melhores varejistas também estão analisando os índices de pedidos e vendas de omnicanal que definem qual porcentagem das vendas corresponde ao omnicanal. Varejistas de bens duráveis e bricolagem são fortemente influenciados por essa venda, enquanto varejistas de itens de vestuário e luxo são afetados pelo foco no cliente que BOPIS oferece – incluindo a capacidade de atender o cliente onde quer que ele esteja, como recursos de gestão de clientes e entrega no mesmo dia. A integração do omnicanal ao fluxo de consciência do cliente requer desenvolvimento tanto na loja quanto na administração. É aí que as melhores plataformas e a forte integração fazem a diferença. A otimização da experiência omnicanal exigirá a criação de uma solução que funcione em todos os canais. Clientes Começam a Jornada On-Line Para o omnicanal, a maioria dos varejistas concentra-se primeiro no componente de atendimento, mas a loja também é importante. 88% dos clientes iniciam a jornada com a pesquisa on-line.5 Essa é a primeira impressão para o cliente no relacionamento com a marca. Ela pode preparar o terreno para um processo omnicanal sólido ou, ao contrário, uma experiência fraca que gere desinteresse no programa omnicanal de um varejista. A adoção rápida e a conveniência que o omnicanal oferece exigem uma forte implantação na loja. As plataformas de comércio que projetam uma experiência omnicanal moderna e otimizada devem considerar as três principais funções da loja que são específicas ao omnicanal: Disponibilidade do produto para retirada ou entrega: seu site precisa ter a capacidade de informar ao cliente o que está disponível para entrega e o que existe na loja. Essa é a penúltima expectativa da experiência, e a falta disso provocará uma reação negativa do cliente que decidir visitar a loja e descobrir que um item está em falta. Isso inclui a data e hora de retirada e a possibilidade de o cliente selecionar o horário mais conveniente. A versão mais recente do Oracle Commerce Cloud agrega esse recurso a uma solução pronta para usar. Opções de envio para BOPIS: Envios múltiplos, detalhes de envio, incluindo data e hora, e grupos de envio tornam-se importantes para otimizar o omnicanal. A determinação da situação de retirada de um produto ligada a essas opções, incluindo pedidos parciais, é fundamental para o cliente que comprou on-line. O Oracle Commerce Cloud expande as opções de envio padrão dando aos compradores a capacidade de procurar uma loja que tenha o item em estoque. Opções de pagamento para BOPIS: A viabilização do pagamento na loja pelos itens encomendados on-line dá ao cliente a capacidade de agregar todos os produtos dele em um só lugar e pagar o pedido na loja. E a integração com uma ferramenta de PDV (como o XStore) proporciona um relacionamento harmonioso para o cliente. O cliente pode definir as compras on-line e ampliá-las quando estiver na loja. Isso também contempla o gerenciamento de pagamentos parciais e a integração com combinações complicadas de bônus de fidelidade e presentes. O conjunto de produtos omnicanal da Oracle consegue simplificar e integrar o pagamento para os varejistas. Com a sincronização constante das experiências na loja e na administração, o cliente poderá se relacionar com a marca, e os varejistas alcançarão um crescimento real das vendas e da fidelização dos clientes.   Solicite uma Demonstração   1Report: Most Retailers Say Omnichannel is Critical, Yet Few Have Mastered It 2BOPIS is Helping Distributors Compete with Amazon and Big Box Retailers 3Going Omnichannel—Why It Is Critical for Business 4Interview with SVP executive of major National US Retail Chain (requested to be anonymous) 5Consumers Are Increasingly Researching Purchases Online  

A otimização do omnicanal é a nova tendência, especialmente no início da jornada do cliente. Segundo um estudo do setor, quase 90% dos varejistas usam uma estratégia de omnicanal, mas apenas 8%...