X

Saiba como a nuvem e as novas tecnologias habilitam a transformação nos negócios e na sociedade.

Uma verdadeira experiência de nuvem dentro do seu data center: entrevista com Clay Magouyrk, da Oracle

This is a syndicated post, view the original post here

Oracle Dedicated Region Cloud@Customer traz todos os serviços de nuvem de segunda geração da Oracle para o ambiente on-premise.

Por Chris Murphy*

Ao conversar com o vice-presidente executivo da Oracle, Clay Magouyrk, sobre a mais nova oferta de computação em nuvem da organização, você logo percebe que ele tem uma visão da nuvem muito diferente de todas que já conhecemos até agora.

No caso dos serviços em nuvem convencionais, nós supostamente não precisamos nos preocupar em saber onde os dados estão. Eles estão na nuvem — o "onde" virou uma preocupação do século passado. No mundo real, no entanto, se você é um banco, laboratório farmacêutico ou agência governamental, a política da organização e/ou as leis locais e federais geralmente têm muito a dizer sobre a localização e o controle dos dados. Esses fatores são uma importante razão para a grande maioria das cargas de trabalho corporativas ainda não terem sido migradas para um modelo de operação em nuvem.

"Quando falo com os clientes Oracle mais bem-sucedidos e estabelecidos, todos têm um plano de mudança para a nuvem pública, todos estão trabalhando arduamente para mudar para a nuvem pública e todos precisam de muita ajuda para fazer essa mudança", diz Magouyrk, líder de desenvolvimento da Oracle Cloud Infrastructure, baseado em Seattle.

A Oracle está lançando a Oracle Dedicated Region Cloud@Customer para fornecer essa ajuda. Com essa nova oferta, anunciada em 8 de julho, a Oracle vai criar, manter e operar uma versão menor de suas regiões de nuvem dentro do data center de cada cliente. O cliente fornece a energia, o ar condicionado e o espaço físico no chão, a Oracle faz o resto.

A Dedicated Region Cloud@Customer oferece também todos os benefícios de um serviço de infraestrutura de nuvem — capacidade de computação e armazenamento com pagamento conforme o uso, nenhuma manutenção de hardware e acesso aos mais recentes avanços em computação. Ele também executa todos os serviços de infraestrutura da Oracle, além dos serviços de banco de dados e aplicativos que os clientes estão acostumados a rodar em suas infraestruturas Oracle Cloud, incluindo Oracle Autonomous Database, Oracle Cloud ERP, HCM e CX.

"Trata-se de uma nuvem totalmente gerenciada, que fica bem ao lado dos componentes que você ainda não moveu para a nuvem", diz Magouyrk.
As concorrentes Amazon Web Services e Microsoft oferecem algumas opções de serviços em nuvem locais, mas seu escopo é limitado, diz ele.
"Quando falo com clientes entusiasmados com o AWS Outposts, grande parte desse entusiasmo é porque eles não entendem as limitações", diz Magouyrk. "Eles acreditam que estão obtendo todos os recursos do AWS em suas instalações, mas logo percebem que estão recebendo apenas alguns serviços."

Todos os benefícios da nuvem

Para organizações que não precisam manter seus dados on-premise, a Oracle segue, a toda velocidade, desenvolvendo regiões de computação em nuvem centralizadas e convencionais. Ela hoje possui 24 regiões ao redor do mundo, com planos de adicionar outras 12 durante este ano fiscal.
Porém, para organizações que precisam ou apenas desejam manter seus dados on-premise por motivos regulatórios, legais, de segurança ou outros, as ofertas do Oracle Cloud@Customer estão na vanguarda.

-Leia mais: Anunciando Oracle Dedicated Region Cloud@Customer e Oracle Autonomous Database on Exadata Cloud@Customer

A nova oferta Dedicated Region Cloud@Customer executará todos os serviços de infraestrutura de nuvem da Oracle, desde computação bare metal a serviços de blockchain, assistentes digitais e machine learning. A Oracle continua a oferecer o Exadata Database Cloud@Customer, que proporciona às organizações toda a capacidade de alto desempenho do Oracle Database em hardware Exadata como um serviço de nuvem atrás do firewall. A organização agora está disponibilizando sua revolucionária inovação em banco de dados, o Oracle Autonomous Database, via o serviço Exadata Cloud@Customer.

A seguir, trechos de uma longa entrevista com Magouyrk, incluindo como o Oracle Cloud@Customer se compara às ofertas da AWS, Azure e Google para nuvens locais.

Outros provedores de nuvem têm ofertas de nuvem on-premise, como AWS Outpost, Microsoft Azure e Google Anthos. Qual a diferença?
"Se você observar nossos concorrentes, todos eles oferecem um subconjunto muito limitado daquilo que eles oferecem na nuvem pública, embora você possa executar on-premise. Nós adotamos uma abordagem bem diferente. Todos os nossos serviços disponíveis na nuvem pública estão disponíveis nas suas instalações. E o que isso faz é justamente preencher essa lacuna que os clientes já perceberam."
Magouyrk observa que a Oracle faz todas as correções e outras manutenções, por exemplo, da mesma forma que em uma nuvem convencional, e oferece os mesmos acordos de nível de serviço que para sua Oracle Cloud Infrastructure.

Existem tipos específicos de cargas de trabalho que as organizações gostariam de mover para esse modelo de nuvem on-premise mas que ainda não o fizeram?
"Quando as pessoas falam sobre mover bancos de dados com requisitos de alta taxa de transferência de dados e latência muito baixa, e precisam de muita capacidade de armazenamento e muita potência computacional, esse é o grande diferencial do Exadata Database Cloud@Customer. Além disso, o tamanho do banco de dados — muitos de nossos clientes executam bancos de dados enormes, com dezenas ou centenas de terabytes."

Mas as organizações não estão querendo sair do data center e migrar para a nuvem? De que maneira ele ajuda nesse sentido?
"Os clientes adorariam não ter que estar em seus próprios data centers. Mas, se observarmos o mundo em que vivemos, só se fala em nuvem, mas 85% da computação no lado do servidor ainda acontece nos data centers das organizações. Isso não está na nuvem.

"Então, como o Cloud@Customer pode ajudá-lo? Ele o ajuda de uma maneira econômica — você não precisa incorrer em várias despesas de capital antecipadamente e depois depreciar o hardware por conta própria. Você assina um contrato e paga mensalmente, trimestralmente ou anualmente pelo que consome."

Mas, o maior valor, segundo Magouyrk, é que esse é um serviço — não apenas uma máquina Exadata entregue no data center de um cliente.

"O cliente recebe o mesmo hardware excelente ao qual já está acostumado, mas também um conjunto completo de funcionalidades de gerenciamento e controle que são executadas na nuvem e gerenciam suas operações de banco de dados. Assim, você pode criar bancos de dados e fazer backup deles continuamente na nuvem. Quando você tem um problema, as equipes de banco de dados e de suporte da Oracle dispõem de toda a telemetria para que possam diagnosticar, depurar e corrigir esse problema. Você não está apenas trabalhando com hardware e software que você mesmo instala. Você está recebendo um serviço totalmente gerenciado."

Então, qual a dificuldade de entregar a Cloud@Customer? O que a Oracle fez que os concorrentes terão dificuldade para copiar?
"Existem duas grandes áreas onde outras pessoas enfrentam dificuldades, mas nós não.

Uma delas é a capacidade de diminuir a escala. Fizemos o trabalho de otimizar nosso software, de otimizar nossa pegada de implantação para que os clientes possam começar de forma reduzida e crescer gradualmente. Por esse motivo, podemos tornar acessível para os clientes adquirir uma região Oracle exclusiva para eles.

A segunda coisa que fizemos foi otimizar a maneira como implementamos, monitoramos e operamos todos os nossos serviços, para que possamos fazê-lo em um número muito grande de regiões. Quando se trata de construir regiões de nuvem, o padrão do setor ainda é fazer isso manualmente.
Acreditamos que haverá milhares e milhares de regiões por aí. A analogia é a linha de montagem que a Ford inventou com o modelo T: Construímos uma fábrica que pode construir as regiões, e uma fábrica que pode operar as regiões para nós. E é isso que nos permite deixar que os clientes tenham sua própria versão da solução, em qualquer lugar do mundo onde desejarem."

A arquitetura de uma Dedicated Region Cloud@Customer é a mesma que a Oracle usa na Oracle Cloud Infrastructure?
"Sim. Provavelmente, a melhor analogia é pensar em diferentes modelos de caminhonetes. Você pode comprar uma caminhonete e, com base no modelo escolhido, ela terá diferentes capacidades de carga e funcionalidades, ainda que seja construída com o mesmo tipo de arquitetura e design. O mesma acontece em nosso caso.

"Então, quando um cliente adquire uma região dedicada, nó trabalhamos com ele para entender o tamanho que ele deseja. Se ele deseja uma região que possa crescer muito, podemos construí-la, mas também temos tamanhos menores que podem caber em data centers menores, onde eles não querem ter que incorrer em uma enorme sobrecarga de infraestrutura."

*Chris Murphy é diretor editorial da Oracle

Be the first to comment

Comentários ( 0 )
Please enter your name.Please provide a valid email address.Please enter a comment.CAPTCHA challenge response provided was incorrect. Please try again.