X

Saiba como a nuvem e as novas tecnologias habilitam a transformação e a inovação nos negócios e na sociedade.

Para DBAs em 2020: compreenda seu valor, aproveite o momento

This is a syndicated post, view the original post here

À medida que o Oracle Autonomous Database assume tarefas manuais que antes cabiam aos DBAs, eles terão mais tempo e oportunidades para trabalhar no gerenciamento dos dados, aponta especialista.

Por Jeff Erickson*

Se a economia moderna funciona com dados, o que isso significará, neste ano, para os administradores de bancos de dados, ou DBAs, que sabem como armazená-los, movê-los, usá-los com sabedoria e mantê-los seguros?

Os dados são a energia vital de praticamente todas as empresas. Eles nos dizem quando, onde, quem, quanto e, cada vez mais, o porquê de tudo o que uma organização faz. Eles nos informam qual item está em estoque, quem o movimentou, quem o comprou, qual é a sua cor. Eles informam quem estuda na mesma escola que você e quem está com as multas de trânsito em dia. A lista está sempre crescendo — e esses dados guardam respostas perspicazes para quem sabe o que e como perguntar.

Isso significa que as boas empresas vão valorizar as pessoas silenciosamente no centro desse hub vital de negócios, e isso é bom para sua carreira.

"Penso que os DBAs estão entre as pessoas que mais têm conhecimento dentro de uma empresa", diz Rich Niemiec, CIO da Viscosity North America, uma empresa de consultoria em banco de dados e nuvem. "Você precisa ser extremamente inteligente e se manter atualizado" para executar essa função, diz ele, porque os DBAs precisam ter pulso firme sobre os recursos de dados vitais, em meio às novas tecnologias e às ameaças emergentes. Com seu profundo conhecimento do que é possível fazer com os dados, "o DBA provavelmente é a pessoa mais sobrecarregada em uma empresa e, no entanto, não é usado de maneira eficiente", diz ele.

-Leia mais: Larry Ellison coloca o Oracle Autonomous Database em uma perspectiva histórica: 'É muito diferente'

Mudar essa situação exige que os DBAs mudem sua maneira de trabalhar e seu foco. À medida que o Oracle Autonomous Database assume tarefas manuais que antes cabiam aos DBAs — como aplicação de patches, atualizações, proteção, configurações e ajustes, tudo isso sem causar paralisações — eles terão mais tempo e oportunidades para trabalhar no gerenciamento dos dados, diz Niemiec. Aqui, Niemiec e vários outros colegas experientes compartilham as prioridades que os DBAs deverão ter em 2020, fornecendo as etapas necessárias para se tornarem ainda mais valiosos em suas organizações.

Entenda o que a automação de banco de dados significa para o seu trabalho: "A primeira prioridade para 2020", diz Niemiec, "é começar a se preparar para recursos automatizados que são melhores do que você em algumas tarefas importantes". Uma dessas tarefas é manter os dados protegidos, que é, seguramente, a maior prioridade de um DBA hoje em dia, diz ele. "Os bancos de dados autônomos são uma grande mudança e uma grande oportunidade para aprimorar seus recursos de segurança."

Niemiec oferece um exemplo: "Uma vulnerabilidade é encontrada em algum lugar do mundo… e o que acontece? Você fica sabendo disso um dia depois, talvez. Você espera para ver se vai receber um patch; você ainda não tem tempo para executá-lo, talvez neste fim de semana", diz ele. "E, muito em breve, acontecerá com você o mesmo que aconteceu com seu pobre concorrente", que acabou na primeira página do jornal por perder dados de clientes. Com o Oracle Autonomous Database, assim que um patch está disponível para corrigir uma vulnerabilidade, ele é aplicado sem causar paralisação.

Sempre pergunte: "Que recursos foram criados para superar você?" E esteja pronto para fazê-los funcionar para você, e não contra você", diz Niemiec. Na área de aplicação de patches, o Oracle Autonomous Database certamente supera o DBA humano.

Conecte dados a novas oportunidades de machine learning: Parte do valor de um DBA é que "eles sabem quais dados a empresa possui e... como podem usá-los", diz Niemiec. Este ano, encontre novas maneiras de disponibilizá-los para os usuários finais. Por exemplo, "um DBA pode mostrar à empresa as funcionalidades de machine learning disponíveis no banco de dados" para ações de ciência de dados, diz Niemiec. "Se seus dados primários estão no Oracle Database, [então] usar o machine learning da Oracle, em vez de mover os dados, é uma enorme vantagem."

O uso das funcionalidades integradas de machine learning é intuitivo. "E elas podem lhe mostrar algumas das tendências em seus próprios dados, antes mesmo de você perguntar", diz ele. "Talvez você saiba quem são seus melhores clientes, mas o machine learning pode lhe mostrar clientes que você não está aproveitando ao máximo." A partir de dezembro de 2019, não haverá mais cobrança adicional por essas funcionalidades de machine learning, pois agora elas estão incluídas no Oracle Database.

Passe do gerenciamento do banco de dados para o gerenciamento de diversas fontes de dados: Em 2020, os DBAs podem usar seus conhecimentos do Oracle Database e da linguagem SQL para tornar outras ferramentas importantes de gerenciamento de dados mais seguras e gerenciáveis, diz Niemiec.

"Não se trata apenas do banco de dados, mas de todos os fluxos de dados de IoT, todo o Big Data proveniente de fontes como o Hadoop e outros bancos de dados NoSQL, e dos dados que fluem entre diversas nuvens", diz Niemiec. Parte do trabalho de um DBA "é descobrir como mover dados de um lugar para outro, ou como acessar dados de um lugar para outro".

Felizmente, você pode consultar seu banco de dados Oracle usando ferramentas como o Oracle Big Data SQL e tornar o processo mais gerenciável em escala e muito mais seguro. "Se eu entendo o Oracle, eu entendo 90% das fontes de dados que existem por aí, porque o Oracle Database é a ferramenta mais sofisticada", diz ele.

Dê aos outros visibilidade e (algum) controle sobre seus bancos de dados: Naveen Garg lidera uma pequena equipe de DBAs que gerenciam centenas de bancos de dados, muitos na escala dos terabytes, com dados sobre estoque de movimentação rápida das maiores empresas de telecomunicações do mundo.

Para lidar com esse volume, os DBAs de Garg transferiram para as equipes de aplicativos a tarefa de monitorar seus próprios bancos de dados. Assim como a maioria dos usuários de instâncias de grande porte do Oracle Database, a equipe de Garg usa o Oracle Enterprise Manager como painel para todas as atividades do banco de dados. Mas essa mesma ferramenta também permite que eles forneçam painéis personalizados aos desenvolvedores e gerentes de aplicativos. Essas equipes têm alta preocupação com um ou dois bancos de dados e, portanto, monitoram seus respectivos gráficos no Oracle Enterprise Manager "praticamente o dia todo", diz Garg. "Elas estão mais familiarizadas com os padrões dos seus bancos do que nós, porque eu não posso me sentar e monitorar 100 bancos de dados ao mesmo tempo", acrescenta ele.

A vantagem para a equipe de Garg: Uma vez que esses usuários agora confiam nas informações de desempenho do banco de dados que encontram no Oracle Enterprise Manager, eles não culpam automaticamente o banco de dados pela lentidão em seus aplicativos "e vão verificar o servidor, a rede ou o aplicativo", diz ele. E quando eles veem algo estranho no painel do Oracle Enterprise Manager, "eu recebo uma ligação dizendo:  — Ei, Naveen, você poderia verificar meu banco de dados?", diz ele. "Ou seja, essencialmente, o que fizemos foi usar o Enterprise Manager para transformar muitos dos desenvolvedores de software em DBAs pela metade". (O Oracle Enterprise Manager terá uma grande atualização este mês.)

Aprenda com seus colegas: O lançamento do Oracle Autonomous Database em 2018 fez surgir muitas perguntas para os DBAs, diz Sai Penumuru, diretor de tecnologia da DXC Technology e presidente do All India Oracle Users Group (AIOUG).

Eles estavam preocupados com o que o aumento da automação significaria para suas carreiras. Grupos de usuários como o AIOUG e outros grupos semelhantes ao redor do mundo são uma das melhores fontes para respostas reais. "É onde colegas com formações variadas abrem os seus olhos para as possibilidades", diz ele. O grupo de usuários de Penumuru realizou eventos em dez cidades e atraiu mais de 15 mil tecnólogos em 2019.

"Estamos realizando eventos como o Dia do Oracle Autonomous, o Dia do Blockchain, o Dia da IA e do Machine Learning. Há muito o que aprender nessas áreas. Mas ainda há muitos backups, recuperações e patches a executar, e nossos membros também conversam sobre tudo isso", diz ele. "Além disso, fazemos muito networking."

Em 2020, os DBAs devem convocar seu grupo local de usuários a "simplesmente vir e experimentar, ver o que realmente vai ser bom para sua próxima ação", diz Penumuru. "Por exemplo, com o Oracle Autonomous Database, você pode chegar e praticar o uso de notebooks de machine learning" e todas as outras funcionalidades de banco de dados, como o Spatial, o Graph e os recursos em memória, que agora estão incluídos no Autonomous Database. A Oracle agora possui um conjunto de serviços Sempre Gratuitos que oferece aos DBAs e desenvolvedores duas instâncias do Oracle Autonomous Database e capacidade suficiente no Oracle Cloud Infrastructure para criar alguns projetos significativos. "Uma conta gratuita é fornecida pela Oracle, e os grupos de usuários fornecem os eventos e o direcionamento por colegas", diz Penumuru. "Então, por que você não começa por aqui?"

Rich Niemiec lembra aos DBAs que façam uma avaliação das suas habilidades e conhecimentos para, em 2020, aplicar esses ativos de novas maneiras em suas empresas e projetos. "Na era digital, eles talvez sejam o talento mais subaproveitado que uma empresa possui", diz ele. "E a razão é que eles estão fazendo algo muito importante."

*Jeff Erickson é estrategista de conteúdo para inovação em bancos de dados e inovação orientada por dados na Oracle

Be the first to comment

Comentários ( 0 )
Please enter your name.Please provide a valid email address.Please enter a comment.CAPTCHA challenge response provided was incorrect. Please try again.