X

Tecnologias emergentes e seu impacto em indústrias, mercados e na sociedade como um todo.

  • April 10, 2018

O que um RH moderno precisa fazer para atrair e reter talentos

Juana Pinkalsky
Innovation Marketing Manager Latin America

Segundo especialista, foco na experiência do funcionário ajuda a criar o que chama de “empresa irresistível”.

 

Em um mercado cada vez mais competitivo, conseguir contratar e manter os profissionais certos e qualificados para a empresa é um dos principais desafios enfrentados pelos departamentos de Recursos Humanos (RH).

 

“As principais razões pelas quais os executivos saem no primeiro ano são que a empresa não era como o esperado; o trabalho não era como o esperado; ou a oportunidade não era como o prometido”, destaca o relatório “Four Ways to Build a Talent Magnet Organization”, produzido pela Oracle em parceria com o Talent Strategy Institute (TSI).

 

Além disso, uma pesquisa de 2016 da Deloitte aponta que dois terços dos profissionais millennials (nascidos entre os anos 1980 e 1990) planejam deixar as empresas em que atuam até 2020. Na América Latina, essa taxa é ainda mais alta, com 71% deles afirmando que pretendem abandonar as suas companhias nos próximos anos.

 

As possíveis razões para essa debandada? De acordo com a consultoria, 63% dos membros da também chamada Geração Y afirmam que “as suas habilidades de liderança não estão sendo totalmente desenvolvidas”. E apenas 28% dos millennials entrevistados no estudo acreditam que as suas empresas atuais estão fazendo “uso completo” dos conhecimentos que podem oferecer atualmente.

 

A diretora de RH da Oracle na América Latina, Carla Alves, destaca a adoção do que chama de People’s Journey para criar uma “empresa irresistível”. Baseada em cinco pilares publicados pela Deloitte, a iniciativa busca realizar uma transformação para que as pessoas realmente queiram trabalhar na companhia – e consequentemente se engajem.

 

“Da mesma forma que temos a jornada do cliente, estamos criando o ‘employee’s experience’, que consiste em transformar a experiência do funcionário, em tratar ele realmente como um cliente para que ele tenha uma experiência sensacional com a empresa”, explica a executiva.

 

Cada vez mais, aliás, a experiência do funcionário é reconhecida no mercado. Segundo uma pesquisa publicada pela Deloitte em 2017, quase 80% dos executivos entrevistados apontaram que a experiência do funcionário é “importante” ou “muito importante” para as companhias. Na América Latina, essa taxa foi ainda mais alta, com 85%.

 

Entre os pilares citados acima, destaque para o chamado Meaningful Work (algo como “Trabalho Significativo”, em português), que consiste em fornecer experiências que adicionem valor e/ou sentido ao trabalho dos funcionários.

 

Por fim, Carla destaca a importância de trabalhar de forma integrada com as diferentes áreas da empresa para preparar os gestores para essa nova realidade. Isso porque, segundo ela, sem eles é impossível realizar essa mudança de cultura. “A verdade é que o RH vai prover as ferramentas, mas quem vai usá-las são os gerentes, que estão no dia-a-dia com as pessoas.”

 

 

Be the first to comment

Comments ( 0 )
Please enter your name.Please provide a valid email address.Please enter a comment.CAPTCHA challenge response provided was incorrect. Please try again.